Por que aparelhos eletrônicos fazem mais sucesso na Black Friday?

No Brasil, os dispositivos digitais já vendem mais na sexta-feira de descontos que no Natal

Já não é segredo para ninguém que a Black Friday se consolidou como uma importante data de compras em nosso país. Importado dos Estados Unidos, o dia D das ofertas já está presente por aqui há mais de uma década e tem forte adesão de diversas marcas, nos mais diversos segmentos do mercado.

Contudo, um setor da economia em particular tem ganhado cada vez mais força nas compras durante a Black Friday: os eletrônicos e os eletrodomésticos. Eles já são as categorias mais vendidas durante a sexta-feira de descontos, o que influencia no total de vendas de todo o mês.

Por isso, é comum que muitas empresas e lojas do varejo estendam as promoções por todo o mês de novembro, quando a Black Friday acontece oficialmente. Para se ter uma ideia, as vendas de aparelhos eletrônicos chegam a ser maiores no mês 11 que em dezembro, quando ocorre o Natal.

Em 2018, por exemplo, no mês de novembro, as vendas de aparelhos eletrônicos no Brasil movimentaram 13 bilhões de reais. Em dezembro do mesmo ano, por outro lado, esse movimento foi de R$ 10 bilhões. Os dados são da GfK Global, empresa alemã de estudos de mercado, com atuação no Brasil desde 2002.

Ato de presentear-se

Uma das principais razões para que isso aconteça é o fato de que, apesar de poder ser considerada uma data comemorativa, a Black Friday não é um feriado em que as pessoas estão procurando presentes para alguém especial — diferente do que acontece no Natal, com a tradição de presentear familiares e amigos.

Dessa maneira, o mais comum é que, durante a Black Friday, o consumidor faça compras para si mesmo e não para presentear alguém. Assim, acaba aproveitando os descontos para adquirir um item que está precisando em casa ou presentear-se com algo que já desejava há algum tempo.

Não são raros os casos de pessoas que esperam pela data o ano todo para trocar de celular, por exemplo, ou comprar um novo laptop. Segundo dados da Federação de Comércio e Bens (Fecomércio), pelo menos, metade das vendas realizadas durante esse período consiste em aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos, sendo que o primeiro é responsável por 30% das vendas e o segundo por, aproximadamente, 20%.

Também é comum que, na Black Friday, o consumidor adquira poucos produtos de alto valor, especialmente, porque aparelhos eletrônicos são objetos mais caros quando comparados com outros itens da casa. Já no Natal, em geral, compra-se vários presentes de preço baixo para pessoas diferentes.

Dia dos Solteiros

Novembro é mesmo o mês de presentear a si mesmo, e não é só no Brasil que isso acontece. Na China, existe uma data comemorativa feita especialmente para isso: o Single’s Day, ou Dia dos Solteiros, em português. Assim como a Black Friday, devido aos descontos, a data também é bastante esperada no país asiático.

Como sabemos, a China é uma referência na fabricação e na distribuição global de aparelhos eletrônicos. Por isso, cada vez mais plataformas chinesas de venda on-line, atuantes em nosso país, promovem a data, aqui, no Brasil.

Ela acontece todo ano no dia 11 de novembro, 11/11, em uma referência direta à representação do solteiro com o número um. Apesar de ter uma história distinta da Black Friday estadunidense, o Dia dos Solteiros da China tornou-se internacionalmente conhecido como a Black Friday chinesa.

Isso porque, além dos grandes descontos e do foco em aparelhos eletrônicos, ambas as datas acontecem no mês de novembro e marcam o início da temporada de compras das festas de fim de ano, tanto o Natal, quanto o Réveillon.

Instagram