Hospital de Retaguarda ganha o nome de Mayara Rodrigues

O novo Hospital de Retaguarda inaugurado pela Prefeitura de São José dos Campos no último dia 7 de julho para o enfrentamento da pandemia da agora leva o nome de Mayara Morena de Souza Rodrigues. É uma homenagem do poder público a primeira profissional de saúde da cidade que veio a óbito em decorrência da doença.

Nesta terça-feira (11), a Prefeitura e a SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina), gestora da unidade, reuniram familiares de Mayara para o evento de descerramento da placa oficializando o nome do hospital, que hoje é a pediatria do HM e que após a pandemia será o futuro pronto-socorro municipal.

Mayara Morena de Souza Rodrigues

Nascida em 14 de fevereiro de 1990, Mayara residia com sua família na Vila São Bento, região sudeste de São José dos Campos. Estudou e concluiu o ensino médio na Escola Estadual Professor José Vieira Macedo, no Jardim Satélite, e se formou como técnica em administração pelo Senac.

Desde cedo se mostrava uma mulher bastante esforçada e apegada à família, tendo como último emprego o de coordenadora de recepção na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Putim, na região sudeste de São José dos Campos.

Sempre alegre e dedicada, atuou no enfrentamento da pandemia ocasionada pelo novo coronavírus até seus últimos dias de vida, quando adoeceu por conta da doença. Ela teve um agravamento decorrente de pneumonia e veio a falecer no dia 16 de maio de 2020, sendo a primeira vítima fatal de profissional de saúde em São José dos Campos.

Mayara prestou relevante serviço público ao município e representa tantos outros profissionais, especialmente da área de saúde, que enfrentam essa pandemia colocando em risco a própria vida.

A mãe e o marido de Mayara descerram a placa

A mãe e o marido de Mayara descerram a placa | PMSJC

O irmão de Mayara, Mauro Amancio Rodrigues Júnior, prestou seus sentimentos ao relatar que a família se emocionou desde o primeiro contato da Prefeitura, com objetivo de homenageá-la e permitir eternizar a memória da irmã na história da cidade.

“Somos gratos ao ver a placa do hospital de retaguarda e por saber que o lugar dará continuidade a missão de Mayara que era cuidar do próximo”, disse.

Hospital de retaguarda

Ao custo de R$ 12,9 milhões, o Hospital de Retaguarda foi construído com apoio da iniciativa privada em 35 dias, numa área total de 3.100 metros quadrados na Rua Felício Savastano, 200, Vila Industrial. Essa união de esforços vai deixar um legado para a cidade, já que o novo hospital será o futuro pronto-socorro do Hospital Municipal quando os casos de covid-19 estiverem controlados.

Familiares de Mayara de Souza Rodrigues durante a homenagem ocorrida no Hospital de Retaguarda hoje pela manhã – Foto: Divulgação

Instagram