Comparar-se com outras pessoas pode afetar sua saúde mental

Comparação pode ser natural e difícil de evitar, mas deve ser um hábito abandonado quando começa a trazer sofrimento

Seja no ambiente familiar ou profissional, a comparação entre as pessoas costuma ser uma grande queixa, seja por causar estresse ou ansiedade. Ainda que o ser humano esteja habituado a uma dose de competição ao longo da vida, o hábito de comparar ou ser comparado com o desempenho de outras pessoas pode gerar bastante frustração.

Estudos da neurociência e da faculdade de medicina mostram que existe uma mudança na atividade cerebral assim que o ser humano começa a fazer uma comparação. Esta atividade é muito semelhante ao ato de julgamento, ou seja, se comparar estaria ligado ao ato de julgar, o que pode interferir no sistema cerebral, que é responsável por uma grande variedade de comportamentos, incluindo o sistema de recompensa.

Nos estudos, as regiões do cérebro que são estimuladas durante a comparação mostram claramente que pode haver um estímulo de motivação e melhora, ou até mesmo iniciar um processo que abaixa a autoestima, gerando um movimento prejudicial para o indivíduo.

Como evitar se comparar com outras pessoas

Para quem pode estar passando por uma situação dolorosa por conta das constantes comparações, é necessário se empenhar para mudar esses hábitos. Uma das principais maneiras de fazer isso é identificar os possíveis gatilhos que despertam esses tipos de pensamento.

Ou seja, perceber quais são os pensamentos nocivos e tentar compreendê-los como algo que vem não da realidade, mas, sim, de uma forma de encarar as situações. Quando possível, conte com o apoio de profissionais, como os psicoterapeutas, que estarão preparados para ajudar nessa mudança fornecendo ferramentas.

Ter uma boa rede de apoio também ajuda bastante. Portanto, manter vínculos de amizade e conversar com pessoas próximas pode ajudar a colocar em perspectiva os pensamentos negativos, percebendo que eles não refletem aquilo que você é ou faz.

A médio e longo prazo, busque se engajar em grupos que façam você se sentir mais à vontade consigo mesmo. Existem até mesmo grupos online de autoajuda em que esta situação é abordada. De acordo com pesquisadores da área, o tratamento em grupo costuma ser mais eficaz e rápido para quem está em sofrimento.

Exercícios de meditação podem ser algo que amplia sua maneira de pensar e de controlar esses pensamentos. Há cursos online ou presenciais para quem deseja aprender a meditar sozinho – algo que pode trazer diversos benefícios.

Foto:Divulgação

Instagram