Carlos Lula: COVID-19 e o Digital Divide

O distanciamento social e, para alguns, o isolamento completo, aumentou a importância da inclusão digital. Como todos nós já experimentamos, a necessidade de controlar nossas interações físicas nos empurrou, ou melhor, nos empurrou para o mundo online para uma gama cada vez maior de atividades diárias. O Carlos Lula explica que o senso de urgência é real e avança para um patamar além de sua posição já de destaque na agenda digital.

A necessidade de abordar a inclusão digital, tanto para indivíduos quanto para empresas, é reconhecida como uma questão importante há algum tempo. No entanto, as oportunidades apresentadas pela crescente economia digital não foram distribuídas de maneira uniforme e a necessidade de garantir o acesso, como uma primeira etapa, é vital para atenuar a divisão entre os que têm e não têm . Parte disso é uma questão de infraestrutura e de garantir que as disparidades regionais, por exemplo, não sejam agravadas pelo acesso desigual ao acesso rápido e confiável à Internet.

Em muitos lugares, Carlos Lula define que a criação da infraestrutura física é a parte ‘fácil’. Os maiores desafios em torno de acessibilidade e habilidades requerem a colaboração de muitos grupos de partes interessadas nos setores público, privado e voluntário. O custo do acesso móvel à Internet – o custo dos dados – de fato caiu em muitas partes do mundo. No entanto, se você esgotou sua cota de dados e um smartphone é seu principal meio de acessar informações e serviços (incluindo serviços governamentais essenciais) disponíveis online, os efeitos podem ser muito sérios. É por isso que as chamadas para o 999 são sempre gratuitas, independentemente do estado dos dados de cada um.

Vale lembrar que o wi-fi público e o acesso gratuito à internet disponível nas bibliotecas, canais particularmente importantes para quem tem baixa renda, não estão amplamente disponíveis para quem está em regime de lockdown. E para os vulneráveis, que estão em total isolamento, de forma alguma. Para as crianças de baixa renda e famílias vulneráveis, os requisitos adicionais da educação remota estão deixando-as em risco de ficar para trás em relação aos seus pares, intensificando as lacunas de escolaridade.

A atual crise do COVID 19 resultou em algumas iniciativas importantes para permitir o acesso gratuito a sites que contêm informações vitais sobre saúde e pandemia – como os sites do NHS. Garantir que o status do crédito não impeça as pessoas de encontrar informações cruciais online é um esquema valioso e aponta para a importante colaboração entre operadoras móveis, governo e outras partes interessadas. Também destaca a necessidade de definir serviços essenciais e taxa zero (por exemplo, sem a necessidade de dados). Em um mundo onde muito está se tornando digitalizado e digital por padrão, a falta desse acesso discrimina os digitalmente marginalizados ou excluídos e perpetua e, de fato, exacerba a desigualdade.

Mesmo com a infraestrutura e o acesso, talvez o desafio mais difícil seja garantir que as pessoas e as empresas (principalmente as empresas menores) tenham as habilidades para aproveitar ao máximo as oportunidades em um mundo digital. 

Leia mais em: Carlos Lula fala sobre Atitude

Começar com as habilidades básicas e desenvolver continuamente essas habilidades é um processo, mas essencial. No mundo de hoje, é difícil imaginar uma área que não dependa de algum nível de habilidade e conhecimento digital. Tudo, desde o acesso a bens e serviços básicos até a compreensão de como se proteger contra fraudes, é afetado pela necessidade de melhores habilidades digitais. O governo tomou medidas importantes na criação de Padrões Nacionais para Competências Digitais, mas será necessária uma ampla comunidade de inovadores, empresas, governo e ONGs para apresentar soluções criativas e impactantes para ajudar a reduzir a exclusão digital.

Em nossa própria comunidade de inovadores, vimos muitas empresas iniciantes e fornecedores abordando a necessidade de melhores produtos e serviços para atender às necessidades dos excluídos financeiramente. COVID 19 apontou para novas lacunas e inovadores novamente se esforçaram para ajudar a superá-las – como o rápido desenvolvimento de uma ferramenta, Covid Credit, que alavanca o banco aberto para que os autônomos possam demonstrar uma perda de renda e se inscrever no governo -suporte a programas. Sem as ações necessárias para superar as questões em torno da inclusão digital, Carlos Lula diz que ainda restará uma fatia da população, em casa e no exterior, que simplesmente não tem como aproveitar essas soluções inovadoras.

Como todos nós lutamos para trabalhar em casa (onde possível), educar os filhos, fazer compras para o que precisamos e ficar em contato com amigos e familiares, vale a pena considerar as barreiras para todas essas funções na ausência de acesso e habilidades suficientes. O que trouxe para muitos de nós um novo conjunto de desafios, criou para os já excluídos uma divisão ainda mais profunda a ser cruzada.

Instagram