5 receitas para quem quer transformar o café tradicional

Bebida originária do continente africano ganhou o mundo por seu sabor e versatilidade

Todo mundo adora o cheirinho de café pela manhã. Pesquisas de aromoterapeutas apontam, inclusive, que o cheiro da bebida quente mais consumida do mundo traz benefícios reais para a saúde. Entre eles, a sensação de bem-estar e a melhora do humor, com consequente elevação da qualidade de vida.

De origem africana, a produção, o consumo dos grãos e seus derivados ganharam o mundo. Aliás, o Brasil é o maior produtor da qualidade conhecida como café arábica. No entanto, cada região do globo apropriou-se da bebida e reinventou seu preparo.

O tradicional cafezinho preto de nosso dia a dia ganha a adição de outros elementos em diferentes países, tornando o preparo da bebida para lá de especial. Testar essas modalidades variadas de preparação pode ser uma ótima forma de conhecer novas culturas sem sair de casa.

Por isso, preparamos uma lista com cinco receitas internacionais de preparo do café para você se inspirar e conhecer essa bebida que é a favorita do mundo todo. Confira.

Café norueguês

Apesar de ser conhecido como café norueguês, o também chamado de egg coffee é consumido em todos os países da região escandinava: Noruega, Finlândia, Islândia, Dinamarca e Suécia. A receita é simples, mas nada convencional aos olhos brasileiros.

Três colheres de café torrado e moído são adicionadas a um ovo cru com três colheres de água. Os três ingredientes devem ser misturados até formar uma pasta que, por sua vez, deve ser colocada uma panela com três xícaras de água fervente.

O processo, agora, deve durar mais três minutos, o suficiente para cozinhar a mistura sem ferver. Depois disso, é só coar e apreciar o sabor desse café tão popular no Norte da Europa.

Yuanyang

O tradicional café de Hong Kong, na verdade, é uma mistura de leite, café e chá preto. Prepará-lo em casa é bem simples. Faça o chá a preto à parte e prepare o café por ebulição com chá e açúcar. Aí, é só coar e misturar os dois em infusão.

Como tanto o café, quanto o chá preto são ricos em cafeína, a combinação dos dois possui alta dose deste componente. Assim, pessoas que não estão acostumadas a beber grandes quantidades da substância devem evitar o café de Hong Kong.

Café americano

Nos Estados Unidos, o café tradicional é bem mais diluído quando comparado com os do Brasil e da Europa. Por isso, é comum que eles bebam em xícaras maiores, conhecidas lá como mugs, as nossas canecas. A receita também é bastante simples.

Para um litro de água, devem ser utilizados apenas 50 gramas de pó de café. Também é comum que se beba o café americano em temperaturas mais baixas, menos quente que a forma com a qual estamos acostumados no Brasil.

Café com especiarias

Em algumas regiões do Norte da África, como Marrocos, o café é servido com especiarias que podem ser adicionadas durante ou após o preparo. Pimenta-preta, cravo, canela, gengibre e noz-moscada estão entre os ingredientes mais populares dessa versão picante do cafezinho.

Kopitiam

Há algum tempo, viralizou a notícia de atletas de alto rendimento que consumiam café com manteiga para ganhar mais energia e até queimar mais gordura. Sem comprovação científica, a receita popularizou-se nas redes sociais de todo mundo.

A verdade é que o kopitiam, como é chamado o café preparado dessa forma, é uma receita tradicional e popular em Singapura, tendo, inclusive, cafeterias especializadas nessa modalidade na região.

Como a manteiga só é adicionada ao café depois dele já pronto, a quantidade dela fica a gosto de quem decide degustá-lo dessa forma.

Instagram