Fraudes em compras online caíram para 2,07% em 2020

Apesar do crescimento do e-commerce, número é menor que os 2,52% referentes a 2019

Com o isolamento social, devido à pandemia do coronavírus, os hábitos de consumo das pessoas mudaram, e, com isso, a maneira de fraudar as compras também. O aumento do número de links de pagamento sugere que as lojas que costumavam operar apenas fisicamente migraram para o meio virtual para sobreviver à crise.

O Raio-X da Fraude, elaborado pela Konduto, empresa que faz o monitoramento de fraudes online, mostra que, em consequência dos novos hábitos, o número de casos de tentativas de fraude em transações online, através de dispositivos móveis, aumentou. A porcentagem, que era de 47% em 2019, subiu para 62% no ano passado.

Apesar disso, o levantamento constatou que as taxas de fraude caíram de 2,52% em 2019 para 2,07% em 2020. Entretanto, o valor médio das transações fraudulentas costumam ser de R$ 732, enquanto as compras legítimas param na casa dos R$ 317.

O Raio-X da Fraude também apontou que a empresa, que processou R$ 35 bilhões em operações no ano passado, representando de 20% a 25% do total de transações que ocorreram no país, evitou que o setor tivesse um prejuízo de cerca de R$ 1,3 bilhão.

“Devido à pandemia, foi preciso aderir ao isolamento social para diminuir a contaminação. Por isso, as pessoas tiveram de realizar as compras pela internet, e aumentou significativamente o faturamento do e-commerce. O fato desse número ter caído, mesmo com o aumento de compras pela internet, mostra que as tecnologias antifraude estão mais eficientes. E comprar e vender online está cada dia mais seguro no Brasil”, explica Tom Canabarro, CEO e cofundador da Konduto.

Como diminuir as chances de ser vítima de uma fraude em compras online

A primeira dica é não perder de vista os seus documentos e não informar os números dos seus documentos em sorteios e promoções de empresas que você não conhece. A segunda é: não faça cadastro em sites que não sejam de confiança e desconfie de sites que anunciam produtos com preços muito abaixo do mercado. Por último, mas não menos importante, não compartilhe dados pessoais em redes sociais.

Além dos números de cartões de crédito e débito, o número do seu CPF também deve ser mantido em sigilo, para evitar que outras pessoas utilizem seu nome para solicitar crédito no mercado. Uma maneira de saber se seu nome está sendo utilizado por terceiros e de rastreio de CPF é usar o Serasa Antifraude, que emite um alerta sempre que seu nome for consultado ou negativado.  

Foto:Divulgação

Instagram