Como é feita a cerveja?

Entenda os procedimentos básicos de produção da bebida alcoólica mais consumida no Brasil.

A cerveja é uma das bebidas mais apreciadas em todo o mundo. Entre as alcoólicas, a mais consumida no Brasil: de origem milenar e com forte tradição alemã, ganhou a população do país. Sua história remonta a própria história brasileira, uma vez que está aqui presente desde a época do Império.

Para sua produção, existem quatro ingredientes básicos: água, fermento, lúpulo e malte. A qualidade da água, aliás, é um fator essencial para que se produza uma cerveja de qualidade. Isso porque sua pureza, densidade, temperatura e quantidade de sais dissolvidos no líquido informam de que maneira a reação química de sua produção, a fermentação, acontece. Por isso as cervejas produzidas com água pura das montanhas tem um lugar especial no coração dos apreciadores dessa bebida tão popular.

O malte, entretanto, muitas vezes é substituído por outros cereais como o milho, o arroz e o trigo. A cerveja tradicional alemã, entretanto, utiliza apenas o malte, sendo essa uma de suas características mais marcantes.

Nos últimos anos, experienciamos, no Brasil, um crescimento expressivo pelo apreço de cervejas especiais, principalmente as artesanais. Esse movimento acompanha uma tendência mundial que envolve, além de tudo, um interesse dos consumidores pelo processo de produção dos alimentos e bebidas que são consumidos.

Se você tem curiosidade para entender como é feita a cerveja, este texto é para você.

A mistura inicial

A primeira fase da produção de uma cerveja é, geralmente, feita na chamada sala de fabricação. Com os grãos do malte, e de seus potenciais adjuntos, moídos e eventualmente torrados, acontece a mistura com a água na temperatura ambiente. Em seguida, a mistura é aquecida para facilitar a dissolução.

Esse processo faz com que os açúcares ali presentes sejam quebrados pelas enzimas do malte, e é esse o primeiro passo do processo de fermentação.

Em seguida, é feita uma filtragem minuciosa para que se separem as cascas dos grãos e seus  adjuntos da parte puramente líquida da mistura. A essa última, então, é acrescido, finalmente, o lúpulo. Uma nova fervura é realizada para facilitar a sua dissolução, bem como para promover a esterilização. O resfriamento encerra o primeiro processo.

É hora de fermentar

Uma vez resfriada essa mistura, também chamada de mosto, ela recebe a quantidade correta de fermento e vai para os grandes tanques fermentadores. Nessa etapa, a temperatura é controlada de maneira atenta, pois é ela que definirá o teor alcoólico da cerveja, bem como o seu sabor, através do processo de fermentação induzida.

Após a completa fermentação, o produto é resfriado e a maior parte do fermento é separado por decantação. Aqui, inicia-se o processo de maturação, onde o sabor e o aroma da cerveja serão definidos. Nessa etapa, o açúcar em excesso é consumido pelas próprias células do fermento.

Filtração e pasteurização

Após a maturação, a cerveja já tem seu sabor e aroma característicos, mas alguns resíduos sólidos ainda permanecem e por isso é feita a filtração, eliminando todas as partículas em suspensão. Além disso, também são eliminadas as células do fermento. Esse processo, feito da maneira correta, não altera a composição e o sabor da bebida, mas melhora sua apresentação e homogeniza a experiência de bebê-la.

A pasteurização, por fim, é o último processo. Para que ela ocorra, primeiramente, acontece o enchimento, onde a é bebida é colocada em garrafas ou latas e, posteriormente, aquecida até 60ºC graus e resfriada em seguida. Esse é o procedimento que garante a validade da cerveja. Quando o enchimento é feito em barris a pasteurização não acontece e o produto final é o chope, da forma como conhecemos.

Instagram