5 dicas para evitar dívidas no financiamento de seu imóvel

Mantenha a saúde financeira mesmo assumindo um financiamento imobiliário.

Fazer um financiamento imobiliário pode ser uma das formas mais práticas e seguras de realizar o sonho da casa própria. Esta modalidade, concedida pelas instituições financeiras, é voltada exclusivamente para a compra de imóveis, por isso, conta com juros mais atrativos, tendo a taxa Selic como base.

Se a Selic está em baixa, as taxas de juros dos financiamentos também são menores, e pode ser um bom momento para comprar uma casa ou um apartamento. No entanto, mesmo com todas essas vantagens, é preciso cuidado ao assumir esse compromisso, para não acabar perdido em dívidas.

A portabilidade imobiliária pode ser uma solução para quem fez um financiamento com um banco, mas encontrou outra instituição com juros e parcelas mais interessantes, que beneficiam seu bolso. Apesar disso, existem demais formas de evitar dívidas ao financiar um imóvel, antes mesmo de assumir o compromisso. Confira.

1.  Quite outras dívidas antes de assumir o financiamento

Quem possui outras dívidas deve quitá-las antes de dar entrada em um financiamento imobiliário. Até porque as instituições financeiras fazem uma análise do seu perfil pagador. Se existe alguma dívida pendente, há boas chances de você não conseguir o financiamento ou ter que arcar com juros muito altos.

Então, organize-se para pagar qualquer pendência que exista e tirar seu nome de órgãos como o Serasa e o SPC. Também não se esqueça das pequenas contas, como o cartão de crédito. O ideal é que você não esteja recorrendo às reservas ou sofrendo para deixá-las em dia.

2.  Peça uma projeção das parcelas ao banco

O banco pode fazer uma projeção de como vão ficar as parcelas do financiamento selecionado. Antes de assinar o contrato, você pode pedir para que essa projeção seja explicada, até para entender por quanto tempo estará assumindo a dívida e como ela afetará seu orçamento.

O momento é bom para tirar dúvidas e fazer perguntas. Se você tem mais de uma opção de financiamento, com diferentes instituições financeiras, peça a projeção das parcelas para elas e faça uma comparação.

3.  Negocie as parcelas atrasadas com o banco

Já assumiu um financiamento e aconteceu de atrasar as parcelas? Imprevistos acontecem, mas não deixe que esta dívida vire uma bola de neve. Procure o banco e tente negociar as parcelas que estão em atraso, para que os juros não fiquem tão altos.

Feito isso, se você acha que o financiamento está pesando no bolso, também considere a ideia de fazer a portabilidade, pesquisando se outros bancos não oferecem melhores condições de pagamento.

4.  Dê uma boa entrada no financiamento imobiliário

O financiamento imobiliário exige uma entrada em dinheiro, além das parcelas a serem assumidas depois. Se você der um valor mais alto na entrada, pode diminuir o número de mensalidades e até conseguir melhores condições de pagamento.

Neste momento, é possível até usar o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), e o banco considera você um cliente mais seguro, com menor risco de não assumir a dívida.

5.  Verifique quanto as parcelas comprometem o orçamento

As parcelas do financiamento nunca devem comprometer mais que 30% do seu orçamento. No entanto, é preciso lembrar que, raramente, esta será sua única dívida. Você ainda tem outras contas a pagar, inclusive, o cartão de crédito, e é a soma de todos esses custos que não pode ultrapassar os 30%.

Apesar de ser importante economizar enquanto assume o parcelamento, o ideal é que ele não pese no seu orçamento e você saiba disso antes de assinar o contrato com o banco. Para entender quanto o financiamento afetará as finanças, a projeção das parcelas te ajudará bastante.

Instagram