‘O voo do impossível’, curta-metragem de animação da Embraer, homenageia os 90 anos de Ozires Silva

 Estreia na próxima sexta-feira, dia 8, o curta-metragem ‘O voo do impossível’, uma animação idealizada e produzida pela Embraer em comemoração ao aniversário do engenheiro Ozires Silva, um dos maiores ícones da indústria aeronáutica brasileira, que completará nesta data 90 anos de vida. 

Com duração de 14 minutos, a animação retrata a trajetória de vida de Ozires Silva desde a infância, ao lado do inseparável amigo Zico, até a carreira de oficial da aeronáutica, quando viu o sonho de poder fabricar aviões se tornar realidade.

No início da década de 1940, os dois garotos se reuniam em um banco de praça, na cidade de Bauru, Centro-Oeste paulista para conversar sobre aviação e tentar entender por que o país de Santos-Dumont não produzia seus próprios aviões. A estratégia encontrada por eles para reverter aquela realidade foi estudar para se tornarem primeiro pilotos e depois procurar uma escola de engenharia aeronáutica.

A possibilidade de reviver uma história real com uma abordagem divertida e atraente fez com que a animação 3D fosse a opção ideal. Embora a expectativa inicial remeta a um filme infantil, a direção do filme buscou aplicar conceitos do cinema clássico na estética audiovisual. O curta-metragem mostra personagens e cenários modelados com texturas e cores pesquisadas e capturadas de registros da época, criando uma atmosfera realista e humanizada. 

‘O voo do impossível’ será exibido nas mídias sociais e canais oficiais da Embraer. A veiculação conta com a parceria do Canal “Aviões e Músicas”, com Lito Sousa.

Sinopse – O voo do impossível

A história de vida de um menino que sonhava fabricar aviões no Brasil na década de 1940 é o fio condutor desse curta-metragem com duração de 14 minutos. Baseado em fatos reais, a animação revela detalhes da vida do engenheiro Ozires Silva, o oficial da aeronáutica que dedicou sua vida a um ideal de infância e liderou a criação da Embraer, um dos maiores fabricantes de aeronaves do mundo.

No filme são relatadas a cumplicidade de uma amizade; a surpresa ao saber que o Brasil teria uma escola de engenharia aeronáutica; e o papel de um francês que o ajudou a idealizar a máquina voadora mais adequada para levar o desenvolvimento às regiões mais remotas.

Repleto de mensagens sobre ousadia, perseverança e entusiasmo, a produção em computação gráfica 3D envolve o público de todas as idades pela narrativa lúdica de que sempre vale a pena perseguir os nossos sonhos. 

Curta-metragem: O voo do impossível

Gênero: Animação

Direção: João Marcos Massote

Roteiro: João Marcos Massote, Bruno D’Angelo e Isa Siano

Produção executiva: Bruno Mask / Mono animação e Bruno D’Angelo / WIP

Direção de animação: Eduardo Nakamura

Diretor técnico-histórico: Claudio Lucchesi

Estreia: 8 de janeiro nas mídias sociais e canais oficiais da Embraer

Trailer: https://youtu.be/ErlYRaqxM4A

‘O voo do impossível’

‘O voo do impossível’
‘O voo do impossível’

Ozires Silva

Ozires Silva nasceu em 8 de janeiro de 1931, em Bauru, interior de São Paulo. Em 1948 entrou para a escola preparatória da Força Aérea Brasileira (FAB), no Rio de Janeiro, onde recebeu sua licença de piloto militar quatro anos depois. Mudou-se para São José dos Campos-SP para ingressar no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) em 1959, graduando-se em Engenharia Aeronáutica em 1962. Após a graduação, passou a liderar o Departamento de Aeronaves do então Centro Técnico de Aeronáutica (CTA).

Em 1965 iniciou o projeto IPD-6504, que se tornaria depois o avião Bandeirante. Ozires Silva promoveu, ao lado de um grupo de visionários, a criação da Embraer em 1969, vindo a ser o diretor-superintendente da companhia até 1986, quando aceitou a ser presidente da Petrobras. Após dois anos como Ministro da Infraestrutura e Comunicações do governo Collor, Ozires Silva retornou para a Embraer em 1992 e presidiu a companhia até sua privatização em dezembro de 1994.

Ozires Silva assumiu a presidência da Varig em 2000, permanecendo no cargo por dois anos. Em 2003, criou a Pele Nova Biotecnologia, cuja missão estava focada no desenvolvimento de inovações terapêuticas e dermocosméticas a partir da biodiversidade do Brasil. Nas últimas décadas, Ozires se tornou uma voz ativa no país em prol da educação, escrevendo diversos livros e artigos sobre o tema. É hoje presidente do Conselho de Inovação da Ânima Educação, em São Paulo. 

OZIRES SILVA
OZIRES SILVA Foto: Rodolfo Moreira
Instagram