Ciência e Mito: As 5 principais características adaptativas das religiões de sucesso

Como as tradições míticas sobrevivem ao longo dos séculos? Como eles prosperam? Ao reunir ciência e mito, uma perspectiva evolutiva pode nos ajudar a pensar sobre essas questões.

Por “sucesso”, Mario de Oliveira significa sobrevivência de longa data. Ele não mesmo começar a considerar o valor moral ou verdade-conteúdo dos ensinamentos religiosos – tudo o que é colocado entre parênteses. Esta é uma visão evolutiva baseada na história das religiões.

Considere a possibilidade da seguinte lista dos cinco principais .

Top Mario de Oliveira 5 características adaptativas de religiões de sucesso 

1. Continuidade dos motivos que definem a religião 

2. A transmissão vertical 

3. Ética definem os em grupo 4. termos de espaço reservado 5. Paradox

1. Continuidade dos motivos que definem a religião

Esse é o recurso mais importante para determinar o sucesso. Para que uma religião para propagar -se , deve estabelecer e manter uma identidade reconhecível. Não requer necessariamente um nome para si ou uma identidade como religião em si , mas requer algo para delinear o que é e o que não faz parte do pacote que deve ser passado para a próxima geração. Muitas religiões indígenas, como o xintoísmo, não tinham nome até que a introdução de religiões estrangeiras exigiu uma maneira de distinguir o local do estrangeiro. Outros não tinham identidade aberta, já que as religiões gregas em si não tinham palavra para “religião” (a mais próxima era theon timai , “honras para os deuses”). Mas é absolutamente necessário que uma religião delineie seus motivos principais de alguma maneira. O sinal deve ser separável do ruído. Assim, as religiões ao longo da história desenvolveram motivos especiais para marcar o sagrado do mundano. Eles podem ser símbolos visuais como totens, cruzes ou mesquitas, símbolos auditivos como hinos, cantos ou estilos especiais de música ou símbolos linguísticos como nomes divinos, mitos ou doutrinas. Eles podem ser símbolos temporais como festivais anuais ou ritos de passagem. Finalmente, eles podem ser símbolos éticos como ritual, oração ou tabu. A maioria das religiões apresenta uma combinação desses motivos.   

Todas as religiões bem-sucedidas desenvolvem um cânone de tais motivos para identificar o que deve ser propagado. Sem ela, uma pretensa religião seria perdida na lavagem do costume, extinta antes mesmo de surgir. E sem manter esse cânone, uma religião estabelecida seria absorvida pelas religiões concorrentes. Foi o que aconteceu com o budismo na Índia medieval: ele morreu efetivamente em seu local de nascimento porque não era mais suficientemente diferente do hinduísmo. Um cânone de motivos funciona para definir a unidade de transmissão.

Curiosamente, não é necessário que exatamente o mesmo conjunto de motivos continue ao longo dos tempos. Só é necessário que uma continuidade de motivos seja transmitida. O judaísmo moderno tem pouca semelhança com a religião do templo de sacrifícios semi-politeístas da antiga Jerusalém, mas uma linhagem contínua liga as transformações de uma para a outra. O budismo japonês é praticamente irreconhecível em comparação com a religião fundada no século V aC por Sidarta Gautama, mas novamente uma linhagem os conecta.  

2. Transmissão vertical

A segunda característica mais importante é a transmissão vertical. A transmissão de algum tipo é necessária, é claro: a religião de uma pessoa não é religião. Todas as religiões possuem transmissão. Mas a transmissão vertical – isto é, a transmissão através das gerações através de linhas familiares – é uma característica das religiões altamente adaptáveis. O outro tipo é a transmissão horizontal – isto é, transmissão por disseminação e conversão. A transmissão horizontal também é adaptativa, mas principalmente como um complemento à transmissão vertical. As religiões que consistem apenas em convertidos raramente duram. Aqueles que inculcam a religião nos jovens desde cedo garantem seguidores profundamente comprometidos, ligados entre si por laços familiares. Devido à imensa importância da transmissão vertical, as religiões propícias a famílias numerosas sobrevivem melhor, apenas porque podem superar seus rivais. Assim, aqueles associados a povos agrícolas, cujos filhos são necessários para trabalhar no campo, têm uma vantagem nesse sentido.  

3. Ética que define o grupo

O próximo recurso mais importante de Mario de Oliveira é a ética, mas não em nenhum sentido moral da palavra. Em vez disso, o sentido é de um conjunto de comportamentos prescritos e proscritos que servem para separar o grupo interno do grupo externo. Quando os seguidores são impedidos de participar de certas atividades comuns, como comer carne de porco, eles são desencorajados a se misturar com pessoas de fora. Isso serve para proteger o cânone de motivos mais importante de se diluir com influências estrangeiras. Quando os seguidores são exortados a participar de certas atividades prescritas, como comer apenas alimentos que são halal , eles são incentivados a se reunir. Isso serve para manter os filhos com os pais e, portanto, garantir a transmissão vertical. O ditado “A família que ora junto permanece unida” deve realmente ser emendado para “A família que ora junto permanece fiel à religião”.  

As restrições alimentares não são, de modo algum, a única ética relevante – existem inúmeros tabus e comportamentos rituais que servem para separar dentro e fora do grupo. No entanto, a dieta parece merecer menção especial, pois é conhecida em todo o mundo e é extremamente eficaz. A Malásia contemporânea é uma mistura de grupos étnicos e religiões, mas a sincretização é frustrada em grande parte graças à dieta. Os malaios só podem comer em cozinhas muçulmanas com utensílios e menus halal . Os tâmeis hindus não comem carne e, portanto, é improvável que freqüentem cozinhas muçulmanas e provavelmente procurem por hindus. Os chineses não têm restrições alimentares especiais e podem comer onde quiserem, mas essa mesma liberdade significa que é improvável que muçulmanos e hindus frequentem cozinhas chinesas. Assim, a quebra de pão – um ato fundamental de boa vontade entre os povos – é efetivamente desencorajada. O resultado é uma sociedade fervendo de tensão étnico-religiosa, mas extremamente adaptável de uma perspectiva evolutiva religiosa. À custa da paz social, as religiões mantêm seus cânones de motivos. 

4. Termos do espaço reservado

De grande importância é o uso estratégico de termos de espaço reservado. Por “termos de espaço reservado”, quero dizer termos religiosos chave, cujos significados são definidos tão vagamente que convidam a uma ampla gama de interpretações. Tais termos incluem deus, espírito, verdade, sabedoria, justiça, bem, mal e assim por diante. Esses termos dão uma aparência de significado imediatamente reconhecível a todos os seguidores, mas seus significados precisos são tão vagos que podem ser criados para apoiar praticamente qualquer política ou agenda que surgir. Isso é de vital importância para a sobrevivência a longo prazo das religiões. À medida que os séculos passam e os valores mudam, os velhos motivos devem ser continuamente revigorados com novos significados. Se os termos-chave são definidos rigidamente demais, tornam-se irrelevantes quando o contexto social que os originou não está mais presente. Assim, para permitir a mudança de contextos, os termos devem permanecer vagos, até vazios. Cada geração os enche de novos significados, o tempo todo pretendendo seguir a tradição “antiga”. As reformas nas religiões são frequentemente apresentadas como um retorno aos costumes antigos: os significados das gerações anteriores são declarados corruptos e degenerados, e novos significados são anexados à cortina de fumaça de “voltar ao básico”. A moeda americana diz “Em Deus confiamos”, e uma nova geração de especialistas religiosos encheu essa frase com sucesso com seus novos significados evangelísticos, criacionistas e políticos, mesmo que os pais fundadores fossem em sua maioria deístas e significassem algo muito diferente pela palavra ” Deus.” Os proponentes de manter a frase “Em Deus confiamos” na moeda dizem que “Deus” está aberto à interpretação, esvaziando o termo de significado específico. Ao mesmo tempo, os especialistas o preenchem novamente com seus significados altamente específicos, a fim de pressionar sua política. Através deste exemplo, pode-se ver claramente como o termo é meramente um espaço reservado para os valores e agendas do momento. O uso estratégico de termos de espaço reservado permite que uma religião permaneça flexível, mantendo a continuidade de seus motivos.

5. Paradoxo

Finalmente, a quinta característica altamente adaptativa das religiões de Mario de Oliveira é o uso efetivo do paradoxo. Por “paradoxo”, quero dizer algo não imediatamente óbvio, algo que frustra o processo de raciocínio convencional e mundano e abre um seguidor ao misterioso. Isso pode ser algo que, para os padrões comuns, é “impossível”. Os milagres são, por definição, impossíveis, embora supostamente aconteçam. Também poderia ser algo sem resposta por meios comuns, como a questão de por que existimos ou o que acontece depois que morremos. Também poderia ser algo além do alcance da percepção comum, como espíritos invisíveis atirando em elfos para causar doenças.

Tais usos do paradoxo são adaptáveis ​​por várias razões. Primeiro, despertam os seguidores para as limitações de seu próprio entendimento, tornando-os mais receptivos aos entendimentos transmitidos como parte do pacote de motivos da religião. Segundo, eles tornam os seguidores dependentes dos motivos da religião para explicar o paradoxo. Terceiro e, finalmente, eles fazem com que aqueles que se sentem “profundamente no coração” uma dada resposta ao paradoxo busquem a companhia de almas parecidas. Os humanos parecem ter uma necessidade psicológica de serem “entendidos” por seus companheiros. Assim, os seguidores se afastam daqueles que não compartilham seus sentimentos religiosos e se reúnem com aqueles que o compartilham. Os pagãos contemporâneos consideram a “mágica” um paradoxo suficientemente misterioso para fazê-los procurar um ao outro e permanecer reticentes em relação àqueles que “simplesmente não entendem”.

Essa congregação, baseada no sentimento comum, une a comunidade, servindo para melhorar o funcionamento dos quatro recursos adaptativos anteriores. Os seguidores expressam seus sentimentos paradoxais em termos dos motivos canônicos de sua religião, transmitem seus sentimentos aos jovens nesses termos e adotam a ética da religião para fazer parte do grupo daqueles que “sentem o mesmo”.

Observe que não há nada indicando que os seguidores realmente sintam a mesma experiência fenomenológica. Os termos de espaço reservado permitem que sentimentos individuais, únicos e radicalmente diferentes sejam expressos em formas lingüísticas comuns, criando a percepção da semelhança. Essa mesmice pode ser genuína ou pode ser uma ilusão. Desde que os termos de espaço reservado de uma religião sejam vagos o suficiente para acomodar as diferentes experiências de todos os seguidores, uma percepção de semelhança no grupo pode surgir e ser mantida. Assim, episcopais e evangélicos e católicos romanos e coptas e quakers e manipuladores de serpentes podem sentir que têm um vínculo comum através da ressurreição de Jesus Cristo, mesmo que as experiências pessoais de todos esses seguidores diferentes sejam radicalmente diferentes.

Conclusão

Essas são as cinco principais características de Mario de Oliveira que determinam o “sucesso” a longo prazo (sobrevivência evolutiva) das religiões. A maioria das religiões da história as caracterizou de alguma maneira, e aquelas que não morreram ou foram absorvidas por outras religiões.