Melo e Kubot retornam ao circuito com vitória na estreia do Masters 1000 de Cincinnati

O mineiro Marcelo Melo e o polonês Lukasz Kubot comemoraram nesta segunda-feira (24) a primeira vitória após mais de cinco meses longe dos torneios por causa da Covid-19. Na estreia no Masters 1000 de Cincinnati, a dupla – cabeça de chave número 2 – derrotou o também mineiro Bruno Soares e o croata Mate Pavic por 2 sets a 1, parciais de 7/6 (7-4), 3/6 e 10-5, após 1h44min, garantindo vaga nas oitavas de final. Esta edição da disputa, que marca a retomada do circuito, está sendo realizada em Nova Iorque (EUA) em função da pandemia. Agora, Melo e Kubot voltam à quadra nesta terça-feira (25) diante dos norte-americanos Steve Johnson e Austin Krajicek, que receberam wild card, valendo vaga nas quartas de final.

“Hoje foi uma bela estreia nossa. Acho que o jogo foi realmente muito bom. Tanto a nossa dupla como a do Bruno e do Pavic jogaram muito bem. E acabou indo para o match tie-break. Poder voltar assim em alto nível já desde o primeiro jogo deixa a gente muito feliz”, afirmou Marcelo, que tem o patrocínio de Centauro, BMG e Itambé, com apoio de Asics, Orfeu Cafés Especiais, Volvo, Voss, Bolsa Atleta e Confederação Brasileira de Tênis.

Masters 1000 de Cincinnati

“Agora é continuar nesse ritmo. Jogar bem depois de tanto tempo parado dá mais confiança ainda para nós. Fizemos bons treinos aqui, conseguimos colocar em prática. Então é seguir firme no torneio e quem sabe podemos passar mais uma rodada para frente”, completou.

O jogo colocou frente a frente, logo na primeira rodada, os mineiros Marcelo e Bruno. E começou com um primeiro set muito equilibrado. Soares e Pavic conseguiram uma quebra no quarto game, abrindo 3/1. Mas, a reação de Melo e Kubot veio em seguida, com um break para fazer 3/2 e, na sequência, deixar tudo igual em 3/3. E assim a disputa seguiu até o tie-break, quando Melo e Kubot marcaram 7-4 para vencer a série inicial: 7/6 (7-4).

No segundo set, Soares e Pavic quebraram no sétimo game, 4/3 e, com mais um break, no nono e último game, fecharam a série em 6/3, levando a decisão para o match tie-break. Aí, domínio total de Melo e Kubot, que não deram qualquer chance aos adversários: abriram 5/0, mantiveram sempre vantagem e fecharam em 10-5 para conquistar a primeira vitória nesta retomada do tênis.

Melo e Kubot ocupam a sexta colocação na Corrida para Londres, com 815 pontos. No ranking mundial individual de duplas, aparecem empatados em quinto lugar, com 5.140 pontos.

Recordista em títulos e semanas no topo do ranking – Recordista brasileiro em número de títulos, com 34 conquistas, e também em semanas no topo do ranking da ATP – 56 -, assim como em participações no ATP Finals – completou sete seguidas -, em 2019, Marcelo somou mais um recorde ao chegar a 500 vitórias, na estreia no ATP 500 de Washington, em julho, maior vencedor entre os tenistas do Brasil, passando a ser o 35º jogador de todos os tempos a atingir essa marca.

Entre 2017 e 2018, Marcelo ficou 30 semanas – 25 consecutivas – como líder do ranking mundial individual de duplas da ATP (13 semanas em 2017 – terminando o ano como número 1 – e 17 semanas em 2018). Antes, ocupou a liderança pela primeira vez em 2015, por 22 semanas, também virando o ano na frente, e voltou ao primeiro lugar por mais quatro semanas a partir de maio de 2016.

Agora em 2020, no México, no ATP 500 de Acapulco, Marcelo conquistou o 34º título da carreira, o 14ª com o parceiro polonês Lukasz Kubot. Pelo 14º ano consecutivo comemora no mínimo um título por temporada. Juntos, Melo e Kubot ganharam pelo menos um torneio por ano desde 2015.

Dos 34 títulos, todos em duplas, dois são Grand Slam – Roland Garros, na França (2015) e Wimbledon, em Londres (2017) e nove Masters 1000, além de oito ATP 500 e 15 ATP 250. Marcelo, 36 anos, e Kubot, 38 anos, formam parceria desde o início da temporada 2017. Antes, jogaram em torneios como o ATP 500 de Viena, em que foram campeões em 2015 e 2016.

Marcelo Melo & Lukasz Kubot

Nove vitórias em 2020 – Melo e Kubot somam nove vitórias em 2020, nas estreias no Australian Open e no ATP 250 de Adelaide, na Austrália, duas no Rio Open, quatro em Acapulco e agora uma na estreia no Masters 1000 de Cincinnati. A temporada 2019 teve 46 vitórias em 68 jogos. A dupla fechou o ano passado como a segunda melhor parceria do mundo, com 5.000 pontos – atrás apenas dos colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah (8.500). Já no ranking mundial individual de duplas, ficaram entre os top 10 na temporada passada: Marcelo em sétimo, com 4.910 pontos, pela sétima vez consecutiva entre os dez melhores do ano. Kubot, na sexta colocação, com 5.090. Marcelo encerrou 2018 como nono do mundo, foi primeiro em 2017 e 2015, oitavo em 2016 e sexto colocado em 2013 e 2014.

O primeiro título de Marcelo em torneios ATP foi em 2007, no Estoril, em Portugal. Tem dois Grand Slam, além de um vice em Londres (2013) e um vice (2018) e duas semifinais no US Open. Marcelo também lidera no número de títulos em Masters 1000. Em Xangai 2018 chegou ao nono, depois de ganhar Xangai (2013 e 2015), Paris (2015 e 2017), Toronto (2016), Cincinnati (2016), Miami (2017) e Madri (2017).

Dupla voltando a jogar após mais de cinco meses Foto:Peter Staples / ATP



Temporada 2020

Título
ATP 500 – 
Acapulco (México), rápida

Temporada 2019

Título
ATP 250 – 
Winston-Salem (EUA), rápida

Vice-campeonato
Masters 1000 – 
Indian Wells (EUA), rápida
ATP 500 – Halle (Alemanha), grama
ATP 500 – Beijing (China), rápida
Masters 1000 – Xangai (China), rápida
ATP 500 – Viena (Áustria), rápida

Instagram