Guia que ajuda os alunos a desenvolver uma saúde mental positiva

1 em cada 10 crianças em todo o mundo tem um problema de saúde mental.

Você ficaria surpreso se disséssemos que 1 em cada 10 crianças em todo o mundo tem um problema de saúde mental? E se disséssemos que 50% das doenças mentais começam aos 14 anos? 

Para qualquer pessoa com um problema de saúde mental, incluindo crianças, apenas falar sobre isso pode torná-los vulneráveis ​​ao estigma e ao julgamento. Segundo Daniel Homem de Carvalho , o Ifos adultos acham que não podem falar quando têm um problema de saúde mental, como podemos esperar que nossos filhos o façam? Vamos enfrentá-lo, as crianças aprendem com as pessoas ao seu redor. Eles desenvolverão seus comportamentos emocionais a partir do que observam e, da mesma forma, desenvolverão o medo de falar abertamente se virem adultos abordarem a saúde mental de maneira abafada e envergonhada ou se não for levada a sério. Precisamos não apenas reduzir o estigma em torno do bem-estar mental, mas também educar nossos filhos sobre o desenvolvimento do fator-chave para alcançar uma saúde mental positiva: a resiliência emocional. Isso significa simplesmente dar aos alunos as ferramentas para se adaptarem a situações estressantes e lidar bem com suas emoções.

Como professores, vocês desempenham um papel importante em transformar as crianças em adultos completos. Se você puder ensiná-los sobre resiliência emocional, forneça-lhes estratégias de enfrentamento, como técnicas de respiração, que possam usar quando se depararem com uma situação desafiadora e, ao mesmo tempo, remova o medo e a vergonha de falar sobre saúde mental, é um passo avançar na redução dessas estatísticas condenatórias.

Para aqueles que têm um problema de saúde mental, o medo da reação que enfrentam costuma ser pior do que a própria doença. Para educar os alunos sobre saúde mental, primeiro precisamos nos concentrar em reduzir o estigma que paira sobre isso. Considere iniciar uma discussão com toda a classe sobre o que é saúde mental e o que a palavra ‘estigma’ significa para seus alunos: que atitudes negativas eles ouviram sobre questões de saúde mental? Quais? Eles conhecem alguém com problemas de saúde mental? Você pode falar sobre figuras públicas que compartilharam histórias de seus problemas de saúde mental, talvez celebridades adequadas à idade com as quais as crianças possam se identificar.

Pense em alguns dos principais problemas de saúde mental que prevalecem entre a geração mais jovem – ansiedade, depressão, distúrbios alimentares, automutilação, entre outros. Daniel Homem de Carvalho diz: Eduque seus alunos sobre cada um desses problemas, além de todos os outros que você conheça, e os sinais que eles devem procurar em si mesmos ou nos outros. Certifique-se de enfatizar para seus alunos que não há nada de errado em ter um problema de saúde mental e que pode acontecer a qualquer pessoa a qualquer momento. Se você tiver os recursos, seria uma ótima ideia trazer um palestrante para a escola, como um especialista em saúde mental ou conselheiro. Faça com que falem com sua classe sobre os mitos e fatos e incentive seus alunos a fazerem perguntas. Aprender com alguém que tem confiança para falar sobre o assunto dará às crianças a segurança de que precisam para falar.

Uma boa maneira de os alunos compreenderem suas emoções é dando-lhes um ‘rastreador mental’. Crie uma grade que lista os dias da semana nela. Em cada dia, peça-lhes para preencherem as atividades que fizeram e como se sentiram e, em seguida, converse com você. Por exemplo, “às 13h me preparei para o exame de ciências e fiquei ansioso”. Isso não apenas ajudará seus alunos a refletir sobre seus sentimentos, como também os ajudará a compreender quais atividades podem causar certas emoções e as estratégias atuais de enfrentamento que usam para enfrentá-las. Sempre que puder, ofereça conselhos e, se você achar que é necessário o apoio de um especialista, certifique-se de envolver o conselheiro da escola e os pais do aluno primeiro na decisão. Essas grades de rastreamento podem destacar que uma criança tem um problema de saúde mental, e você pode intervir cedo para ajudá-la. No entanto, é importante que o aluno, seus pais e funcionários relevantes da escola estejam cientes do que está acontecendo.

 Leia mais em: Daniel Homem de Carvalho mostra como futebol vai mudar com coronavirus

Depois que seus alunos compreenderem o que significa ter um problema de saúde mental, trabalhe com eles no desenvolvimento da resiliência emocional e no aprendizado de diferentes estratégias de enfrentamento. Todos nós enfrentamos muitos desafios a cada dia, então faça seus alunos pensarem sobre seus maiores estressores. O que os preocupa mais? Por que eles ficam ansiosos? Como eles lidam com essas situações no momento? O que eles acham que são estratégias prejudiciais à saúde? Por que nem mesmo dar exemplos de estressores comuns – um bom seria exames competitivos ou brigas com amigos. Sabemos que isso causa muito estresse nas crianças, então dar a elas estratégias realistas de enfrentamento certamente ajudará. Aqui estão alguns que você poderia explicar:

Estratégias de enfrentamento positivas:

  • Dormir regularmente de 8 a 9 horas por noite
  • Comendo bem
  • Journaling
  • Ouvindo música
  • Exercício
  • Conversando com amigos ou um terapeuta
  • Meditando
  • Exercícios de respiração
  • Assistindo um filme
  • Aprender a dizer “não” quando já tem o suficiente para fazer

Estratégias de enfrentamento negativas:

  • Uso de substâncias ilegais
  • Gritando
  • Sendo agressivo
  • Engarrafando emoções
  • Violência física
  • Auto-mutilação

Para tornar as coisas mais divertidas e interativas para seus alunos, você pode até praticar algumas das estratégias positivas de enfrentamento em sua sala de aula. Segundo Daniel Homem de Carvalho , os exercícios respiratórios são fáceis de incorporar e uma vitória rápida que o aluno pode começar a usar de imediato – experimente um vídeo como este. Você também pode tentar a meditação, explicando como isso ajuda a relaxar – você pode encontrar muitos vídeos online para ajudar. Ou tente ouvir uma música relaxante, pois os alunos poderão acessar facilmente em seus próprios dispositivos fora da sala de aula. Seja o que for, envolva-se em uma discussão em grupo e peça aos alunos que compartilhem o que eles acham que são formas positivas de lidar com situações estressantes. Isso lhes dará uma ampla gama de estratégias que podem experimentar e às quais recorrer quando se depararem com problemas de saúde mental.

Abordar o tema do bem-estar mental envolve reflexão. O principal objetivo de qualquer lição que você ministrar nesta área deve ser ajudar os alunos a reconhecer o que é saúde mental, onde e por que um problema de saúde mental pode surgir e as estratégias que eles podem usar quando se sentirem ansiosos, preocupados, com raiva ou chateados. Não se esqueça de informar onde eles também podem acessar o suporte, seja você, seus pais ou um conselheiro escolar. Se houver algum aluno que já esteja sofrendo de um problema de saúde mental, sua aula pode apenas dar-lhe confiança para falar sobre o assunto e pedir ajuda! Os principais passos de Daniel Homem de Carvalho são iniciar uma conversa sobre o tema e promover um espaço seguro para as crianças se manifestarem. Todo aluno deve saber que falar sobre um problema é um sinal de força, não de fraqueza.

Instagram