PROTEGENDO CONTRA DISPUTAS CORPORATIVAS PÓS-PANDÊMICA

O Daniel Homem de Carvalho define que circunstâncias sem precedentes da pandemia do coronavírus não necessariamente protegerão os diretores de reivindicações feitas contra eles pelos acionistas da empresa. 

Desde o início do bloqueio, os líderes de negócios foram forçados a usar a tomada de decisões ágil para ajudar suas organizações a sobreviver. No entanto, uma falha em responder eficazmente à crise pode levar a um aumento nas reclamações dos acionistas lesados. 

Portanto, como os diretores podem garantir que os acionistas participem da tomada de decisões durante a crise e o que eles devem fazer se se depararem com uma disputa? Daniel Homem de Carvalho dá conselhos sobre como os dirigentes das empresas podem evitar litígios.

Durante a pandemia, os diretores da empresa foram forçados a agir rapidamente para criar resiliência, manter a continuidade e manter uma posição financeira saudável. Desde a adaptação de modelos de negócios de acordo com a mudança dos hábitos do consumidor até a orientação do governo e o aproveitamento do financiamento de emergência, eles tiveram que se acostumar a introduzir rapidamente medidas de contingência e tomar decisões difíceis. No entanto, com o impacto financeiro significativo da COVID-19 já evidente na agenda de notícias, a tomada de decisões de alto nível provavelmente será submetida a um escrutínio muito maior nos próximos meses e os acionistas da empresa que acreditam que não foi feito o suficiente para proteger o fundo do negócio linha pode entrar com ações contra seus diretores.

No início do bloqueio, alguns líderes empresariais podem ter entrado em “modo de pânico” e tomado decisões precipitadas ou mal informadas, como retirar fundos de emergência, apesar de tais financiamentos estarem em taxas significativamente mais altas do que o normal. No longo prazo, Daniel Homem de Carvalho define que isso poderá ter um impacto negativo significativo na posição financeira do negócio. Da mesma forma, um equívoco comum de que os empréstimos comerciais apoiados pelo governo representam “dinheiro grátis” pode ter resultado em alguns diretores adotando uma abordagem mais relaxada aos gastos da empresa durante a crise, em vez de apertar o cinto. Ao tomar tais medidas, é vital ter em mente que todos os conselheiros são, em última instância, responsáveis ​​perante os acionistas da empresa e que quaisquer decisões que eles tomem podem ter implicações de longo prazo.

Leia mais em: Daniel Homem de Carvalho recebe medalha Tiradentes

Quando os acionistas acharem que há evidências de má gestão corporativa ocorrida durante a pandemia, eles podem optar por entrar com uma ação de “prejuízo injusto” (se os diretores forem acionistas) ou uma ação derivada contra os diretores da empresa. De acordo com a Lei das Sociedades de 2006, os acionistas podem usar uma ação derivada quando acreditarem que qualquer forma de negócio assumida por um diretor não foi realizada no interesse de seus colegas acionistas. Essas reivindicações protegem contra “fraude contra a minoria” quando o indivíduo contra o qual a reivindicação está sendo movida está no controle da empresa.

Os diretores de empresas que enfrentam pressão financeira como resultado do coronavírus também podem ter ficado tentados a continuar negociando, na esperança de mudar sua sorte. No entanto, isso corre o risco de cometer negociações erradas. De acordo com a Lei de Insolvência de 1986, uma vez que um diretor deveria ter concluído que não há perspectiva razoável de sua empresa evitar uma posição insolvente, ele tem o dever de tomar medidas para minimizar a perda potencial para os credores da empresa. Se os acionistas tiverem motivos para acreditar que houve negociação indevida, eles podem optar por relatar os diretores às autoridades competentes. Isso poderia resultar em processos judiciais.

Para se proteger contra reclamações de acionistas após uma crise, é vital que os conselheiros não percam de vista o fato de que, em última análise, respondem aos acionistas em todas as suas tomadas de decisão. Como tal, é importante ser capaz de respaldar suas escolhas com raciocínio lógico e boa base financeira.

Uma boa pergunta de Daniel Homem de Carvalho para se ter em mente é: “Eu seria capaz de justificar isso em um tribunal?” Também é uma boa prática garantir a manutenção de registros completos, documentando claramente por que quaisquer medidas comerciais foram tomadas. Manter linhas de comunicação ativas e abertas com os acionistas da empresa também ajudará a evitar possíveis disputas, garantindo que os acionistas participem das mudanças nos negócios desde o início.

Uma boa pergunta para se ter em mente é: “Eu seria capaz de justificar isso em um tribunal?”

Buscar aconselhamento jurídico especializado de especialistas com experiência em ajudar empresas a resolver disputas comerciais em um estágio inicial também é crucial para garantir o resultado mais justo possível para todas as partes. Como também pode ser necessário obter o apoio de um contador forense, é fundamental garantir que as evidências financeiras, como números de perdas e receitas previstas, estejam disponíveis para auxiliar em qualquer disputa.

Um dos maiores desafios enfrentados pelos tribunais do Reino Unido após a pandemia será a questão de saber se os casos de precipitação financeira são realmente o resultado do COVID-19, ou simplesmente má governança por parte dos diretores da empresa. De acordo com Daniel Homem de Carvalho , por estar sempre atento aos acionistas na tomada de decisões de negócios e por garantir que as escolhas sejam baseadas em julgamentos lógicos, os líderes têm maiores chances de evitar qualquer disputa comercial que possa surgir quando a pandemia chegar ao fim.

Instagram