Apoie sua saúde mental após o divórcio

O divórcio é uma parte muito familiar da vida moderna, mas essa triste realidade não o torna menos angustiante quando acontece com você. Carlos Lula explica que ninguém se casa com a expectativa de que seu relacionamento acabará em divórcio e o rompimento de um relacionamento pode ser difícil para todos os envolvidos. O divórcio pode, por algum tempo, afetar significativamente sua saúde mental.

Para algumas pessoas, o divórcio pode ter ganhado impulso gradualmente por um bom tempo. A falta de terreno comum, desinteresse, tédio e uma crescente falta de respeito podem significar que o casal está simplesmente compartilhando o mesmo teto, mas pouco mais. Depois, há aqueles que podem ter achado que seu relacionamento estava bem até que um pedido de divórcio os atingiu como um raio do nada; chocante, devastador e completamente inesperado.

Sim, morar junto exige muito trabalho, compromisso e canais abertos de comunicação para discutir irritações e divergências, com sorte então chegar a um melhor entendimento. Se isso não acontecer, talvez por muitas razões válidas como trabalho, filhos, sentir-se estressado ou muito cansado, pode ser muito fácil cair em uma existência de piloto automático, passando por atividades diárias de rotina, desabando na cama à noite e em seguida, repetir tudo novamente no dia seguinte. Soa familiar?

Mas viver assim traz seus próprios estresses e pressões, que podem afetar nosso relacionamento e nossa saúde mental. De acordo com Carlos Lula , se nos sentirmos cada vez mais invisíveis, menos importantes do que todos os outros, estressados, com pouco tempo, dinheiro ou energia para fazer o que queremos ou gostaríamos de fazer isso pode introduzir uma mentalidade desleixada, pouco atraente, enfadonha, onde quase afaste-se de se envolver totalmente na vida. Podemos nem nos reconhecer em nossas primeiras fotos de casamento: o que aconteceu com aquela pessoa?

Leia mais em: Secretário Carlos Lula anuncia reconfiguração da rede de saúde do Estado

Quantos de nós começamos nosso casamento com o mantra, como você pretende continuar? Mas, à medida que a fase de lua de mel passa, ela é freqüentemente substituída pela realidade cotidiana, com dores de crescimento de relacionamento sendo vivenciadas; pequenas dúvidas, incertezas e críticas podem surgir. O cansado ‘por que não?’, ‘Eu gostaria que você não fizesse’, a sobrancelha levantada ou o suspiro podem ser sinais de que nosso parceiro ficou um pouco irritado com nossos hábitos ou comportamentos peculiares.

Podemos ser capazes de superar as tensões, conversar com elas, mas para algumas pessoas, receber críticas ou rejeição de alguém que amamos pode ser a rejeição final, onde elas se sentem obrigadas a se esforçar mais, ser melhores, melhorar e fazer mais. E se isso não surtir o efeito desejado, para onde vão a partir daí? Freqüentemente, é um golpe enorme para sua confiança e auto-estima ao se verem caminhando para o divórcio!

Pessoas que vivem em um relacionamento sem amor ou desaprovador, altamente crítico por muito tempo podem experimentar uma erosão significativa de seu estado mental; Como consequência, depressão, mau humor, insônia, baixa autoconfiança e autoconfiança não são incomuns.

Vejamos maneiras de apoiar sua saúde mental após o divórcio;

– Compartilhe como você está se sentindo com um amigo ou confidente de confiança. É bom ter um aliado que está lá para oferecer suporte e segurança. Ou seu médico de família ou conselheiro espiritual pode ser uma valiosa fonte de assistência. Da mesma forma, marcar um horário com um terapeuta pode ser uma forma positiva de desvendar parte da negatividade que se acumulou durante a deterioração de seu relacionamento e o subsequente divórcio. 

– Aceite que seu ex-parceiro agora se sente diferente sobre você e o relacionamento, uma opinião que foi moldada ao longo do tempo, englobando muitas experiências diferentes. A opinião deles sobre você é simplesmente a perspectiva deles. Não define quem você é. Ambos mudaram e se separaram com o tempo, o que levou ao seu divórcio.

– Muitas vezes é necessário tomar decisões rápidas após o divórcio, em particular no que diz respeito a arranjos de moradia, educação e ganhar dinheiro. Tente evitar decisões importantes e precipitadas que podem ter implicações de longo prazo e, em vez disso, talvez compartilhar a casa com um amigo, com o objetivo de manter as coisas o mais familiares possível no início. Reserve algum tempo para lamentar, curar e considerar o que você gostaria de fazer a seguir, talvez começando trabalhando meio período. 

– Formule ideias e planos para um futuro positivo, não importa o quão longe isso possa parecer. Sim, o dinheiro pode estar apertado, as crianças podem exigir toda a sua atenção, mas tente agendar em janelas de tempo para você, mesmo que seja passear, ler um livro, telefonar para um amigo para um bate-papo, matricular-se em um curso online, ou até mesmo mergulhar o dedo do pé na água com um site de namoro. 

– Seja pro ativo. Você pode ter perdido seu antigo círculo de amigos por vários motivos, então comece a formar um novo grupo, mais adequado às suas atuais circunstâncias. Outros pais, vizinhos, colegas de trabalho e até fóruns online e redes sociais podem oferecer apoio, companheirismo e ajuda para melhorar o seu humor. Carlos Lula Descobrir que você não está sozinho, que outras pessoas tiveram sentimentos e experiências semelhantes, das quais se recuperaram, pode oferecer um conforto e uma tranquilidade inestimáveis.

Ao passar para o próximo estágio de sua vida, concorde em ser gentil consigo mesmo, mas também em ser receptivo a novas idéias, a coisas que talvez nunca tenha considerado antes. Abra sua mentalidade para as possibilidades de sua nova vida após o divórcio. Você não está apenas avançando, você está começando de novo!

Instagram