Mercado: produtos de higiene pessoal e limpeza variam em até 355%

Em meio a atual instabilidade econômica do Brasil, vários produtos essenciais para a nossa vida estão subindo, o que exige dos consumidores muita pesquisa para encontrar os melhores preços.

Essa é uma realidade, por exemplo, dos produtos de higiene pessoal e limpeza em algumas grandes metrópoles do país. 

De acordo com a Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon-MS), tem diferença de até 355,90% em diferentes cidades. O estudo foi realizado em 19 estabelecimentos de Campo Grande no período de 4 a 16 de agosto. A pesquisa foi realizada com 262 itens.

Produtos que mais oscilam

Entre os itens com maior variação está a pedra sanitária 25g da marca “Pato”. Para se ter uma ideia, ele custa  R$1,95 no Comper e R$8,89 no supermercado São João. A diferença é de 355,90% entre os estabelecimentos.

Já o álcool está com valor de R$4,49 no Assaí Atacadista e R$9,79 no supermercado Legal. A diferença no preço é de 118,04%.

Outras marcas conhecidas como desinfetante Pinho Sol e creme dental “Oral B” também oscilam bastante.

Com relação ao primeiro, a pesquisa identificou o valor de R$7,25 no supermercado Pires e R$16,98 no supermercado Nunes, mostrando diferença de 134,21%. Já o produto de higiene bucal, pode ser encontrado por R$2,96 no Atacadão e R$6,49 no supermercado Pires. A variação é de 119,26%.

Já as opções de aparelho de barbear com duas unidades custam, em média, R$3,99 no Mercado Produtor e R$9,60 no Fort Atacadista, o que representa uma oscilação de  140,60%.

Também chama a atenção o desodorante aerosol da marca “Nivea”, que trabalha com valores de R$8,90 no Fort Atacadista e R$18,69 no Carrefour, acentuando uma diferença de 110%.

Outro produto com oscilação alta é a esponja de dupla face com quatro unidades da marca “Scooth Brite”, que custa R$3,99 no supermercado Mister Junior e R$8,79 no Bif Four, o que representa uma oscilação de 120,30%. A lista completa dos 262 produtos analisados em diferentes estabelecimentos de Campo Grande pode ser conferida aqui.

Cuidados

Em função desta contundente oscilação de preços, o superintendente do Procon-MS, Marcelo Salomão, informa que o consumidor precisa ficar bem atento quando for adquirir os insumos básicos ao seu dia a dia.O órgão alerta que a pesquisa é o melhor caminho para evitar prejuízos e adquirir produtos com preços mais adequados a sua realidade.

Denúncia

O chefe do Procon-MS avisa que, caso o cidadão se sinta lesado ou prejudicado, ele deve formalizar denúncias junto aos órgãos competentes. O órgão possui o aplicativo “MS Digital”, onde é possível formalizar reclamações para que sejam averiguadas a situação e, quando necessário, adotar as medidas cabíveis.

Instagram