Como armazenar roupas e itens que não usamos com frequência

Lavar roupas, cobertores e pelúcias antes de guardá-las no armário, verificando se o tecido, como a camurça, necessita de higienização profissionais são dicas importantes

O armário é o móvel que mais diz sobre a organização de uma casa, pois é ele que armazena itens que não são usados regularmente e acabam ficando até esquecidos. Isso inclui desde armários da cozinha e os da lavanderia até aqueles que guardam roupas, sapatos e acessórios.

Os cuidados com os itens guardados nos armários se fazem necessários especialmente com roupas de inverno, edredons e cobertores, já que essas peças costumam ser mais pesadas, podem permanecer armazenadas por meses e acabar adquirindo mofos.

Essas cautelas são essenciais para quem tem alergias e problemas respiratórios. Por isso, confira algumas dicas sobre como armazenar itens que não usamos com regularidade, a fim de preservá-los e manter a saúde em dia.

Lave cada peça antes de guardá-la

É fundamental lavar as peças mais volumosas e pesadas, como casacos e cobertores, antes de guardá-las no armário. Isso ajuda a reduzir os micro-organismos, como ácaros, que ficam abrigados entre as fibras do tecido e produzem reações alérgicas.

O recomendado é lavar cobertores, travesseiros e colchões com água morna para eliminar micro-organismos que podem ficar armazenados nos tecidos, mesmo após a lavagem feita com água fria.

Após lavar cada peça, deixa-a secar ao Sol para evitar mofos. Guardá-las limpas também é essencial para garantir que elas não fiquem manchadas. Se puder, embale todas elas em um saco plástico antes de armazená-las.

É importante retirar o máximo de oxigênio de dentro da embalagem antes de guardá-la, já que isso ajuda a eliminar micro-organismos que podem se proliferar, causando odores e manchas.

Procure ajuda profissional

Alguns tecidos, como couro, lã e camurça, precisam de cuidados especiais e uma higienização profissional. Como eles são mais difíceis de serem conservados, é preciso recorrer à famosa lavagem a seco, realizada sem água e com produtos químicos, que retiram manchas e mofos. As fibras desses materiais costumam ficar inchadas e perder o formato original na secagem, quando são lavadas em máquinas convencionais.

Na lavagem a seco, primeiro, aplica-se manualmente um produto químico específico, por meio de pistolas de ar comprimido, que ajudam a eliminar sujeiras mais localizadas. Depois, a roupa é mergulhada em um solvente em uma máquina automática que irá lavar e centrifugar a peça. O produto evapora muito rápido e o aparelho automático tem um sistema de ar quente eficiente, o que torna desnecessária a secagem em um varal.

Antes de a roupa ser entregue, os profissionais checam se não restou nenhuma mancha. Caso haja a presença de alguma, a peça retornar para a primeira etapa. Livre de manchas, a roupa é passada com ferro quente a vapor e embalada em um saco plástico.

Preste atenção com pelúcias

Bichinhos de pelúcia, mesmo quando não são mais usados, precisam de cuidados regularmente, já que costumam acumular poeira e abrigar ácaros ou outros micro-organismos.

Mesmo que não existam manchas visíveis ou cheiros desagradáveis nas pelúcias, elas podem conter mofos e precisar de uma lavagem mais cuidadosa. Comece retirando roupas e acessórios das pelúcias. Em seguida, coloque-as em uma bacia com água e sabão em pó. Lave-as gentilmente, reparando se existem rasgos ou furos que precisam ser reparados.

Uma vez lavadas, enxague-as bem. Depois, coloque as pelúcias novamente em um pouco de água e amaciante, para deixar a peça macia e perfumada. Enxágue de novo e remova o excesso de água com uma toalha. Evite deixar as pelúcias de cores escuras no Sol, já que a radiação solar desbota o colorido.

Deixe as pelúcias secarem em um local com sombra e boa ventilação. Coloque aquelas de cores claras no varal e deixe-as secar ali por poucas horas. Ao verificar que a peça está bem seca, retire-a e guarde-a no armário, se possível, envolta de um saco plástico, sem oxigênio em seu interior.

Instagram