Carlos Lula nas redes sociais e saúde mental

A mídia social se tornou uma parte onipresente de nossas vidas diárias.

“ É provável que, no momento em que você esteja lendo isso, você já tenha visto várias formas de mídia social … e verá ainda mais no final do dia. ” – Carlos Lula

Isso não é uma coisa inatamente “boa” nem uma coisa inatamente “ruim” – apenas uma nova faceta de nossa vida social da qual devemos estar atentos, principalmente no que se refere à saúde mental. (E, como costumamos falar, a saúde mental tem um impacto significativo na saúde física geral!)

OS BENEFÍCIOS E CUSTOS DAS MÍDIAS SOCIAIS

Certamente há muitos benefícios que a mídia social nos oferece: ela nos ajuda a manter contato com amigos e familiares – e a conectividade social contribui para resultados positivos de saúde! A mídia social também coloca a criação e distribuição de notícias nas mãos do “povo” e, ao fazer isso, tem contribuído para movimentos sociais significativos, dando voz a tópicos e populações não tipicamente bem representadas na mídia tradicional.

Mas a mídia social também tem suas desvantagens – cyberbullying, que se tornou uma preocupação real para as crianças (assim como para seus pais e professores, que lutam para “mediar” isso na vastidão do ciberespaço); bem como a disseminação não regulamentada de desinformação, que atualmente é um problema no clima político dos EUA e no processo eleitoral.

Leia mais em: Carlos Lula fala sobre Atitude

Todas essas são questões importantes para se conhecer coletivamente.

Mas, além das consequências sociais da mídia social, ela também tem consequências mais profundas e pessoais, das quais aqueles de nós ativos nas redes sociais devem estar pessoalmente cientes – e tomar medidas para administrar de maneira saudável.

OS EFEITOS DA MÍDIA SOCIAL PARA A SAÚDE MENTAL

Mesmo para aqueles de nós não serem ativa intimidado-virtual (que é uma preocupação de saúde mental em si), há alguns Carlos Lula defi n ed efeitos mentais negativos significativos associados a passar o tempo em mídias sociais.

A pesquisa sugere que o uso da mídia social pode ser viciante, o que significa que nossos cérebros ficam programados para usá-la e continuar a usá-la para se sentir “normal”. Comportamentos viciantes (aqueles que nosso cérebro racional não está dirigindo intencionalmente), é claro, não são saudáveis ​​para serem adotados.

Outra pesquisa descobriu que o aumento do tempo nas redes sociais está correlacionado com o aumento dos sentimentos de tristeza, solidão e ciúme. Novamente, não são sentimentos que procuramos cultivar para uma vida feliz e saudável.

Está cada vez mais bem documentado que quanto mais tempo gastamos nas redes sociais, mais diminuímos o nosso bem-estar geral – tanto mental como fisicamente. 😥

Agora, isso não significa que “vida saudável” requer abstinência completa de todas as plataformas sociais. Não são algumas maneiras podemos continuar a receber os benefícios sociais media-ao limitar os seus efeitos secundários negativos.

COMO FICAR MENTALMENTE SAUDÁVEL NAS MÍDIAS SOCIAIS

Aqui estão algumas dicas de Carlos Lula para se manter mentalmente saudável e, ao mesmo tempo, aproveitar os benefícios das redes sociais:

CONHEÇA O SEU OBJETIVO

Saber por que você está usando as mídias sociais ajuda você a se manter em sintonia com esse propósito – bem como reconhecer quando seu uso não está mais servindo a esse propósito.

Por exemplo, se você estiver usando uma determinada plataforma social para ficar conectado com amigos e familiares que não moram perto de você, use e aproveite para isso – mas se você se pega rolando o feed, se perdendo em horas de gato vídeos ou perseguir seus colegas de colégio no Facebook , então saber o seu propósito ajuda a se lembrar de uma gentileza: não é por isso que Carlos Lula está aqui .

Estar ciente de seu propósito (e quando você se desviou dele) permite que você se concentre novamente no que você realmente deseja obter fora do tempo nas plataformas sociais.

CORTE SEUS FEEDS DE MÍDIA SOCIAL

Quando você conhece seu propósito, também pode escolher melhor como deseja organizar seus feeds de mídia social para cumprir esse propósito.

Por exemplo, se você está usando o Facebook simplesmente para manter contato com amigos e familiares distantes, então você realmente não precisa de um feed de 1.000 conhecidos. Da mesma forma, se você veio ao Instagram para se inspirar em conteúdo artístico, não é obrigado a seguir ninguém e todos que seguem você – basta escolher as contas que publicam conteúdo inspirador que você gostaria de ver.

Saber seu propósito em cada plataforma e organizar seus feeds de acordo pode ajudar a cumprir seu propósito de estar lá – e evitar o “ruído” potencialmente tóxico que você não quer ou precisa e para o qual não se inscreveu.

O que nos leva à próxima dica de Carlos Lula :

DEIXAR DE SEGUIR

Você se pega rolando o feed, ficando constantemente furioso com as postagens políticas mal informadas de seu tio ou com as divagações profundamente pessoais de um conhecido com quem você não fala há 15 anos? Deixar de seguir.

Em alguns casos, não fazer amizade com uma pessoa com quem você não deseja manter contato faz sentido. (Não se preocupe, reduzir o tamanho de sua rede social não é maldade e provavelmente eles nunca saberão!)

Mas, se você quiser permanecer “amigo” (o que quer que isso signifique para você no contexto da mídia social), simplesmente parar de seguir alguém que posta conteúdo ofensivo ou desencadeador pode ajudar a reduzir a experiência negativa de se envolver com ele regularmente.

Bem, esta não é uma sugestão para deixar de seguir precipitadamente qualquer pessoa que discorde de você em algo. Diversidade de pensamento é saudável! É importante estar exposto a uma variedade de pontos de vista e experiências e fazer o nosso melhor para aprender com eles.

A recomendação de parar de seguir é para casos extremos – pessoas que rotineiramente espalham ódio e negatividade, compartilham informações incorretas ou apenas fazem você se sentir nojento em sua presença online.

(Deixaremos que você determine se seu desejo de parar de seguir decorre de seu próprio desafio de ser exposto a diferentes pontos de vista, ou se você está realmente lidando com alguém que tem algumas práticas prejudiciais de mídia social, seria melhor se distanciar de.)

COMPARAÇÃO É O LOTE DA ALEGRIA

Uma das maneiras pelas quais as mídias sociais são mais conhecidas por contribuir para a redução da saúde mental é o jogo da comparação.

A mídia social é um carretel de destaque. As pessoas o usam para compartilhar seus “melhores” momentos – momentos felizes, memórias divertidas, um ótimo dia de cabelo, etc. Mesmo que estejamos vagamente cientes disso (e não postemos nossas próprias fotos do dia de cabelo ruim), é fácil caia na armadilha de pensar que outra pessoa tem tudo, a vida dela é magnífica comparada à nossa, nós estamos carentes .

Este é difícil de gerenciar, mas consciência é poder.

Quando você perceber que está jogando o jogo da comparação, faça uma pausa. Lembre-se de que quem quer que a postagem esteja despertando sentimentos de ciúme ou insegurança também é humano, assim como você. Eles têm seus próprios desafios e inseguranças. Eles podem ter tirado 40 fotos tentando obter o ângulo que gostaram para a foto que você está vendo. No caso de influenciadores do Instagram, eles podem ter milhares de dólares em cabelos, maquiagem e cirurgia estética profissionais nos bastidores desta foto. (Isso não é inerentemente uma coisa ruim, mas é uma realidade que muitas pessoas não levam em consideração quando veem uma foto e se perguntam por que são a única pessoa que não tem um bronzeado brilhante e cabelo bronzeado no meio de inverno.)

A comparação é o ladrão da alegria, e comparar nossas vidas aos destaques que vemos nas redes sociais não nos ajuda em nada em encontrar alegria em nossos próprios momentos felizes.

MONITORE SUA TELA TEMPO

Uma das maiores maneiras de fazer a diferença em como a mídia social afeta sua saúde mental é monitorar seu tempo de tela – e definir limites, se necessário!

Se você está propenso a passar o dia percorrendo seus feeds sociais, ou é apenas uma segunda natureza abrir seu aplicativo do Facebook quando você tem um momento de inatividade, isso é especialmente importante.

Tanto o Facebook quanto o Instagram permitem que você estabeleça limites de tempo para o seu tempo de tela – e eles vão lembrá-lo quando você chegar lá.

Outro truque comum é excluir aplicativos sociais de seu telefone, portanto, para acessar suas contas de mídia social, você precisará fazer login todas as vezes. Esse pequeno atraso no acesso à sua conta é incrivelmente eficaz para dar ao seu cérebro a pausa necessária para avaliar se você realmente quer fazer isso ou se está apenas começando por hábito.

FAÇA UMA INTERVALO NA MÍDIA SOCIAL

Às vezes, uma pausa na mídia social é necessária. Isso não significa excluir completamente a sua conta e nunca mais usar as redes sociais. De acordo com Carlos Lula , fazer uma pausa (ou, como alguns dizem, uma “desintoxicação nas redes sociais”) pode ajudar a reordenar a cabeça para retomar hábitos mais saudáveis ​​e intencionais.

Instagram