Tradução consecutiva ou remota: Qual é a melhor opção?

Por mais que o ser humano tenha muito onde melhorar, a verdade é que já possuímos uma louvável característica: a arte de se adaptar. Esse é um fato que ninguém pode questionar, haja vista que sempre procuramos estar um passo à frente de um problema.

A exemplo, podemos citar a pandemia. Devido às restrições e o consequente isolamento, muitos tiveram que pensar em novas formas de aplacar um pouco a crise que se instaurou. Diante disso, muitos tentaram se posicionar de uma forma diferente mediante ao mercado de trabalho.

E um grande exemplo disso diz respeito a tradução remota. Como os intérpretes não podiam estar fisicamente presentes no evento, houve a necessidade de criar uma nova fórmula que suprisse essa exigência.

No entanto, passado todo esse tempo e com as devidas flexibilizações, fica a dúvida: devo optar pela tradução consecutiva ou remota? Essa é uma questão que merece um pouco da sua atenção, haja vista que há necessidade de explicar algumas situações. Então, não deixe de conferir os próximos parágrafos!

O que é tradução consecutiva?

Antes mesmo de falarmos se vale mais a pena tradução consecutiva ou remota, é essencial que você saiba o que cada uma delas quer dizer. Em suma, é uma forma de sintetizar a fala entre uma pessoa e outra, intermediando-as.

Ou seja, refere-se à fala de interlocutores que falam diferentes idiomas. Nesse caso, ela acontece entre as pausas de uma conversa. Um exemplo é quando há alguma entrevista para algum veículo de comunicação, onde duas pessoas falam línguas diferentes.

Vamos supor que o entrevistador é um jornalista brasileiro, enquanto o entrevistado é algum cantor norte-americano, por exemplo. Nesse caso, o entrevistador faz a pergunta e o intérprete traduz e devolve o questionamento ao entrevistado.

Feito isso, o entrevistado responde o questionamento e, em seguida, o tradutor deve devolver a resposta já traduzida para o entrevistador. Ou seja, nesse caso, o intérprete serve como um importante mediador, haja vista que pode acontecer de ambas as pessoas não entenderem o idioma uma da outra.

A grande vantagem desse tipo é que não há quebra de raciocínio. Ou seja, a pessoa formula toda a sua pergunta, de uma só vez para só depois ocorrer a tradução. Sendo assim, como não há pausas, tende a ser algo mais linear e dinâmico .

O que é tradução remota?

Essa é uma das mudanças que a pandemia exigiu. Como o profissional não podia estar no local do evento, haja vista que o número de pessoas deveria ser reduzido, surgiu a necessidade de criar uma nova forma de oferecer esse trabalho. Nesse contexto, a tradução remota se tornou mais conhecida.

Nesse sentido, o tradutor continua fazendo o seu trabalho, mas com a grande diferença de fazer da sua própria casa, estúdio ou hub dedicado a esse trabalho. Assim, acaba criando um dinamismo um pouco maior, haja vista que as pessoas que estão assistindo o evento possam acompanhar e entender.

A grande vantagem desse tipo de tradução está no fato de ser mais cômodo, confiável e econômico. Além do mais, os usuários podem ouvir a palestra e ainda visualizar as apresentações na tela, por exemplo.

Certo, mas qual tipo de tradução essa modalidade oferece? Pode ser a consecutiva, como explicamos acima, ou a simultânea. Nesse último caso, é quando o intérprete faz a tradução de maneira instantânea, quando não há pausas.

Devo optar pela tradução consecutiva ou remota?

Na verdade, tudo vai depender de você e daquilo que quer transmitir com o seu projeto. Afinal de contas, ambos os moldes são capazes de suprir a sua necessidade, que é fazer ser entendido e entender. A grande diferença, na verdade, está na forma como o profissional trabalha.

Foto de Olya Kobruseva: https://www.pexels.com/pt-br/foto/texto-5408919/

Instagram