Como os aplicativos de delivery de comida vêm mudando a forma como consumimos

Brasileiro tem mudado seus hábitos de consumo graças aos aplicativos de delivery, seja para comer ou fazer outros pedidos.

Nos últimos anos, o mercado de delivery no Brasil vem ganhando força e expandindo seus negócios. Segundo a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), os aplicativos de entrega no país fecharam o ano de 2018 com um faturamento de R$ 11 bilhões.

Esse é um dos indícios de que os brasileiros estão cada vez mais suscetíveis a utilizarem esse tipo de ferramenta. Seja pela correria do dia a dia, que resulta na falta de tempo para preparar a própria comida, ou pela comodidade de receber a refeição no conforto de casa, essa escolha está alterando o hábito de consumo de grande parte das pessoas.

Assim, aplicativos como o iFood, Rappi e o Uber Eats têm se tornado cada vez mais presente nos aparelhos celulares presentes no país. Neste texto, entenda como eles têm colaborado para alterar o hábito de consumo de milhares de pessoas.

Mudanças no estilo de vida

O crescimento do mercado de delivery no Brasil tem ocasionado uma mudança na forma de consumir de muita gente. A mudança mais evidente, claro, é onde as pessoas consomem sua refeição: é cada vez mais comum, na noite de sábado ou domingo, pedir uma entrega de sanduíche ou pizza em casa do que sair para comer.

Dessa forma, uma parte da população tem optado por fazer programas caseiros, com amigos ou cônjuges, do que sair para ir em um barzinho ou uma pizzaria, por exemplo. Alguns dos motivos que pesam para essa escolha é a comodidade de ficar em casa, um ambiente mais confortável e íntimo, além dos preços, que não se alteram muito se comparados com os estabelecimentos físicos.

Outra mudança da popularização dos aplicativos é o que as pessoas consomem. Antes, a predileção era pelos estabelecimentos já conhecidos; porém, agora, uma vez que os aplicativos mostram uma enorme variedade de refeições que podem ser entregues, os consumidores têm arriscado pedir pratos novos ou que tinham pouco hábito de comer. Assim, muita gente opta por trocar aquela pizza de catupiry que já conhece para experimentar a comida japonesa sugerida pelo aplicativo.

Novas experiências

Algo que deixa os clientes ainda mais satisfeitos na hora de escolher o que pedir são as diversas possibilidades oferecidas pelos mecanismos de procura dos aplicativos. O indivíduo pode, então, escolher seu pedido baseado nos restaurantes mais próximos, no tempo de entrega, preços ou nos tipos de pratos oferecidos pelos estabelecimentos cadastrados.

O fato dessa escolha ser personalizável, possível de ser feita no conforto de sua casa utilizando apenas o celular, é um dos grandes atrativos desses aplicativos. E eles têm conquistado cada vez mais clientes por expandirem suas opções de entrega para além de refeições.

Serviços como o Rappi também possibilitam que os usuários façam pedidos de outros produtos. Farmácia, mercado e até serviços podem ser feitas pelo aplicativo, de forma que os clientes tenham ainda mais comodidade, e o delivery possa ter uma margem de lucro maior com suas entregas.

As entregas também impactam na gestão de restaurantes, pizzarias e hamburguerias. Muitos desses estabelecimentos viram na adoção dos serviços de entrega a chance de consolidar sua marca no mercado e atingir uma clientela que eles não alcançariam se não fosse pelo uso dos serviços ofertados pelos aplicativos.

Mas é preciso estar atento aos possíveis desdobramentos desse novo hábito de consumo. Ao optar por comprar a comida pronta, que em muitos casos trata-se de um fast food, a pessoa pode estar desenvolvendo uma dieta que não é saudável e que traz prejuízos à saúde.

É necessário ponderar, sempre que possível, se há a real necessidade de pedir alguma refeição pelo aplicativo. Também é recomendado pesquisar, por meio das opções do aplicativo, lugares que ofereçam refeições mais saudáveis e que não irão proporcionar danos para a sua saúde.

Instagram