Como a testosterona influencia na saúde

Hormônio é essencial para o bem-estar de homens e mulheres, e sua deficiência pode impactar no equilíbrio do corpo; saiba como aumentar sua concentração de testosterona 

Conhecida como “hormônio sexual”, a testosterona também é responsável pela saúde dos ossos e dos músculos, e, ao contrário do que geralmente é pensado, mulheres, em quantidades menores, também produzem o hormônio.

A testosterona é produzida nos testículos ou nos ovários, e, apesar de ser essencial para o desenvolvimento na adolescência, também é importante manter os níveis do hormônio bem regulados ao longo da vida. Na velhice, a testosterona é essencial para reduzir o risco de determinadas doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e obesidade. 

A quantidade do hormônio no corpo pode diminuir à medida em que envelhecemos ou em razão de alguma doença crônica. O hipogonadismo, também conhecido como baixo T, é tratado clinicamente para evitar problemas futuros na saúde. 

Um equilíbrio geral em todos os hormônios do organismo é o que precisamos para viver bem. Sendo assim, saiba como estimular a produção de testosterona no seu corpo. 

Exercícios físicos

Estudos ao longo dos anos comprovam que o exercício regular tem uma relação positiva com o aumento da testosterona no organismo e também com a perda significativa de peso, porém é importante salientar que nem todos os exercícios chegam neste resultado. Os treinamentos de resistência como musculação, por exemplo, cientificamente, aumentam a produção de testosterona a curto e médio prazo. 

Conhecido como HIIT, ou treinamento de alta intensidade com intervalo, correr na esteira em alta velocidade por 90 segundos e depois parar por 90 segundos também é ótimo para quem deseja aumentar os níveis do hormônio no corpo. 

Alguns suplementos somados a treinamentos de ciclismo também ajudam na produção de testosterona em homens mais jovens e mais velhos. O ZMA, suplemento que combina os minerais zinco e magnésio (que dão origem ao nome da composição), também é rico em vitamina B6, e possui uma fórmula que atua na síntese de testosterona e auxilia no crescimento da massa muscular, além de acelerar o metabolismo por conta da concentração de vitamina B6.

Alimentação 

Nutrientes que imitam hormônios, como os fitoestrogênios, são ótimos para ajudar a alcançar os níveis indicados de testosterona. De acordo com as recomendações do seu médico, é possível montar uma dieta rica em alimentos que possuem este e outros nutrientes no tratamento para quem tem baixo T. 

Dois nutrientes são especialmente importantes para quem possui essa deficiência: a vitamina D e o zinco. Atum, cereais fortificados, gemas de ovos, marisco, ostras e feijão são alguns dos alimentos que devem fazer parte da sua dieta para a manutenção dos níveis desses nutrientes, além de uma caminhada leve ao ar livre para auxiliar a produção de vitamina D e contribuir para o equilíbrio do seu organismo. 

Foto: Divulgação

Instagram