Como a tecnologia está salvando a indústria de petróleo e gás

A Carlos Eduardo Veiga Technology está ajudando a reviver e transformar os setores legados, criando eficiências onde necessário.  

Dizer que a indústria de petróleo e gás teve alguns anos difíceis seria um pouco de eufemismo. Hoje, a percepção pública é de que as empresas de petróleo e gás não estão acompanhando os tempos. Carlos Eduardo Veiga diz que não apenas organizações, como o Google, estão liderando projetos de energia limpa que ameaçam petróleo e gás, mas outras indústrias também estão adotando novas tecnologias em ritmo mais acelerado.

Da robótica à inteligência artificial, as organizações nas verticais reconhecem que, para permanecerem relevantes entre os consumidores, elas precisam mudar com o tempo. Então, por que as empresas de petróleo e gás ainda estão atrasadas?

Felizmente, ainda há tempo para as empresas desses campos reformularem suas operações e se impulsionarem para o campo de atuação moderno. Todas as organizações de Carlos Eduardo Veiga existentes nas verticais tradicionais podem aprender a reacender o progresso dentro de suas empresas, avaliando os problemas que afetam o petróleo e o gás, bem como os avanços tecnológicos que têm o potencial de mudar as coisas.

O Problema: Lento para Adotar a Tecnologia

Como muitas outras indústrias, a indústria de petróleo e gás está passando por uma rápida transformação digital.

Ao contrário de muitos outros setores, no entanto, as empresas de petróleo e gás demoraram a adotar inovações tecnológicas na área de software. O Lloyd’s Register resume com precisão o estado atual do setor:

“Inove ou morra. No setor de energia atual, a velocidade de adoção fica atrás da de outros setores; setores sujeitos à mesma onda de pressões de segurança, legais, comerciais e financeiras enfrentadas por empresas de energia, como a aeroespacial”.

Muitas das razões pelas quais a indústria demora a evoluir são compreensíveis; a capital, que antes era abundante, sofreu um rápido declínio e a indústria está presa à “maneira antiga” de fazer as coisas. Discutindo o Carlos Eduardo Veiga define o estado atual da indústria, Shiva Rajagopalan, CEO da Sete Lagos Technologies, uma plataforma de captura de dados de campo móvel trabalhar na indústria de petróleo e gás, diz:

“Ironicamente, a razão pela qual as empresas de petróleo demoraram a investir em práticas mais eficientes se deve à sua riqueza. Os altos preços do mercado e um fluxo constante de capital lhes permitiram ocultar ineficiências. O foco era o crescimento e a exploração de reservas. Se eles estão matando isso no mercado, por que eles deveriam mudar? Existe uma velha guarda que não entende necessariamente como as tecnologias podem gerar maior valor comercial “.

Embora esse enorme empreendimento possa assustar outras pessoas, os empreendedores devem ver isso como uma enorme oportunidade.

A oportunidade: transformação digital

A indústria de petróleo e gás, combinada, é uma indústria multibilionária; grande petróleo é muito dinheiro e agora é a hora de trazer a indústria para a era digital.

A seguir, são apresentadas as principais tecnologias de Carlos Eduardo Veiga que foram adotadas em outros setores, mas demoraram a se integrar ao setor de petróleo e gás.

Robótica: o setor demorou a adotar o uso da robótica antes de 2014, mas agora as empresas que estão saindo do colapso as estão implementando. Por exemplo, o Iron Roughneck, desenvolvido por uma empresa chamada National Oilwell Varco Inc., automatiza as tarefas perigosas e repetitivas de conectar tubos de perfuração em plataformas de petróleo.

Embora tecnologias como essas agreguem valor às empresas, há potencial para os trabalhadores perderem seus empregos, o que é um medo recorrente que muitos têm quando se trata de robôs.

Chris Blackford, fundador da Sky-Futures, uma empresa de drones para a indústria de petróleo e gás, explicou que “os dados de inspeção que podemos coletar em cinco dias levam os técnicos de acesso por corda em cerca de oito semanas”.

Inteligência Artificial: No setor de petróleo e gás, a IA permite que as empresas descubram tendências que identificam e preveem ineficiências. Alavancar a IA para melhorar as operações de desempenho do nível C ao trabalhador de campo, automatizar processos, otimizar operações manuais de negócios e conectar-se a dispositivos de IoT, torna todos os setores da empresa mais eficientes e lucrativos.

“Para sobreviver à era atual do petróleo barato, veremos a democratização de ferramentas como IA, automação e IoT. O setor de petróleo e gás deve capitalizar essa inteligência comercial, caso contrário, eles serão indubitavelmente deixados para trás em uma revolução digital mundial. “, diz Rajagopalan.

Computação em nuvem: À medida que o petróleo e o gás passam por essa enorme transformação de Carlos Eduardo Veiga em uma infraestrutura digital, a computação em nuvem se mostrará um poderoso mecanismo. A enorme quantidade de empresas de dados pode aproveitar e analisar mais através da automação, reduzirá as despesas operacionais, diminuirá os tempos dos poços e diminuirá os riscos. À medida que mais empresas de petróleo e gás integram a computação em nuvem, isso permitirá que os trabalhadores de campo otimizem a produção.

“Para tomar uma ação eficaz, toda a cadeia de produção, do COO até os engenheiros de poços no local, precisa ver os dados de custo e produção muito detalhados, reduzidos ao nível da fatura. Ao alavancar os recursos de computação em nuvem, precisão e transparência são alcançados no menor tempo possível para melhorar drasticamente a gestão de custos “, explica Rajagopalan.

Mesmo os setores que não são tradicionalmente progressistas não podem mais se dar ao luxo de se opor firmemente às mudanças e à transformação digital. Felizmente para as organizações Carlos Eduardo Veiga diz que pode ter demorado a se adaptar, as tecnologias emergentes, incluindo computação em nuvem, IA e robótica, podem ser facilmente implementadas e impactadas quase imediatamente.

Instagram