Você pode não estar pronto para o metaverso, mas o Facebook está

No metaverso você poderá visitar museus do mundo todo, por exemplo, mesmo que você viva numa cidade do interior.

O Facebook está trabalhando, já há algum tempo, em um novo modelo fone de ouvido de realidade virtual de última geração, com o codinome Projeto Cambria. A empresa, agora Meta, diz que o equipamento vai permitir que as pessoas possam interagir melhor com o metaverso, um tipo de ambiente digital onde se pode fazer coisas que não são possíveis no mundo físico. O metaverso é um sonho há muito idealizado, mas especialistas em tecnologia dizem que o Facebook finalmente está conseguindo realizá-lo.

“As pessoas vão poder, de forma virtual, ir à escola ou mesmo trabalhar e realmente sentirão que estão sentadas em uma sala de aula ou no escritório, quando na verdade estão usando um fone de ouvido em suas casas. Será 100 vezes melhor do que olhar para uma tela de zoom.”  Disse a especialista em realidade virtual Ashley Crowder , CEO da VNTANA.

Metaverso, misturando a realidade

O Facebook aposta no futuro da RV (realidade virtual) e do metaverso. A empresa mudou seu nome para Meta Platforms Inc. para sinalizar seu foco total no metaverso, que afirma ser o sucessor da internet. A empresa também está investindo muito dinheiro no desenvolvimento do software que poderá impulsionar o crescimento do metaverso.

O metaverso é um termo usado para descrever ambientes de mundo virtual compartilhados que as pessoas poderão acessar através da Internet. O Facebook diz que o metaverso se tornará mais realista usando a realidade virtual (VR) ou realidade aumentada (AR) com seu fone de ouvido Project Cambria. O fone de ouvido ainda é apenas um protótipo, mas o Facebook já disse que o novo gadget se concentra no rastreamento facial e visual.

Enquanto muitas empresas estão trabalhando para tornar o metaverso uma realidade, o Facebook é a empresa que está na melhor posição para começar a impulsionar a tecnologia, uma vez que já possui plataformas sociais, de software e hardware, juntamente com seu enorme alcance e poder financeiro, disse o especialista em RV Aaron Franko, da empresa de software Saritasa.

“Mas, para que o metaverso se torne uma realidade de fato, ele deve ser projetado desde o início como uma plataforma aberta com total segurança e proteção em seu núcleo”, acrescentou. “Ainda exigirá uma grande quantidade de desenvolvimento de conteúdo, e isso significa que os criadores devem estar motivados a criar por meio de opções de monetização ou reconhecimento social.”

Mas o metaverso ainda está apenas no início  

Os usuários ainda enfrentam muitos obstáculos como preço dos equipamentos, conforto, capacidade e complexidade, disse Franko. 

Para se ter uma ideia, um Oculus Rift, custa hoje em torno de R$ 3.000.

“Mas como acontece com a maioria das novas tecnologias, os primeiros a adotar estão dispostos a ignorar tudo isso, incluindo o preço, ou ‘lidar com’ esses problemas, mas o usuário médio vai aguardar até que o metaverso supere esses fatores”, acrescentou Franko. “Da mesma forma, como o uso da internet explodiu com a adoção em massa dos celulares, alguma interface igualmente onipresente precisará ser desenvolvida para que o metaverso se torne parte da vida de todos.”

Se os obstáculos tecnológicos puderem ser superados, especialistas dizem que o metaverso poderá mudar a forma como as pessoas interagem na internet. O poder da Internet está em  organizar enormes quantidades de informação e nos conectar facilmente a esta informação, disse Franko.

“A desvantagem de tudo isso é que, neste momento, é entregue num formato bidimensional, enquanto o mundo real está em três dimensões”, acrescentou Franko. “Não podemos realmente experimentar todos os aspectos (ou dimensões) das pessoas, lugares e objetos a que temos acesso no mundo real, através da internet.”

A promessa do metaverso é que ele nos permita experimentar pessoas, lugares e coisas como elas existem no mundo real de qualquer lugar e a qualquer momento, disse Franko. 

“O metaverso fornece um lugar onde podemos personalizar todos os aspectos do nosso ambiente, incluindo a nós mesmos”, acrescentou. “No metaverso, idade, raça, tamanho e gênero (e até mesmo espécie) são completamente personalizáveis, para que possamos ser quem (e onde) escolhermos ser.”

A visão do Facebook sobre o metaverso poderia conectar melhor os usuários , disse Daren Tsui , CEO da IMVU, uma rede social 3D baseada em avatares.

“Digamos, por exemplo, que você seja apaixonado pela arte de Picasso, mas more numa pequena cidade onde ninguém que você conheça aprecia arte moderna e você não tem acesso a um museu.  Você pode ir ao metaverso e encontrar pessoas com o mesmo gosto, visitar museus virtuais com seus novos amigos e, usando a IA, até mesmo interagir com o próprio artistar”, acrescentou.

Instagram