Terceira idade: cuidados na arquitetura e decoração para uma casa segura e funcional

Do quarto à cozinha, todos os cômodos podem esconder perigos para idosos

O isolamento social aumentou a preocupação com a estrutura das casas que abrigam idosos, já que uma das orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde) é que as visitas a eles, que são grupo de risco para a Covid-19, diminuam, o que os faz passar mais tempo sem acompanhamento.  

No Brasil, a população acima de 60 anos já passa dos 13% – são cerca de 28 milhões de idosos, de acordo com o censo de 2018 do IBGE –, e a expectativa é de que esse percentual dobre nas próximas décadas. Por conta disso, os profissionais formados na faculdade de Design de Interiores e Arquitetura se dedicam cada vez mais a encontrar soluções que deixem a moradia de idosos funcional e segura.

Confira algumas adaptações simples para melhorar a acessibilidade em todos os cômodos, baseadas no compilado de dicas de Rosana Silveira, especialista em design de interiores, no Simples Decoração.

Quarto

O quarto deve receber atenção especial, já que há uma movimentação noturna neste cômodo, momento no qual o idoso está sonolento e no escuro. A iluminação pode solucionar uma boa parte do perigo. O ideal é que haja um interruptor perto da cama ou um controle que permita acionar a luz antes mesmo de se levantar.

Saindo da cama, há dois outros cuidados principais: a cama não deve ser muito alta – cerca de 45 a 50 cm, incluindo colchão –, para que os pés se encostem com firmeza no chão, e deve-se evitar tapetes, já que eles podem se enrolar e causar quedas.

Banheiro

Neste ambiente, muito propício a escorregões, as barras são a melhor opção para oferecer mais segurança. Elas podem ser instaladas ao lado do vaso, para auxiliar na hora de se sentar e se levantar, na área do chuveiro e na parede posterior, do lado de fora do box. Dessa maneira, os idosos poderão ter apoio em toda sua locomoção.

Se há possibilidade de maiores reformas, o ideal é optar por pisos antiderrapantes e expansão do box, para que nele caibam duas pessoas, facilitando o auxílio do cuidador na hora do banho.

Cozinha

As dificuldades de mobilidade na terceira idade são facilmente percebidas na cozinha. Para que o trabalho nesta parte da casa seja mais simples, as prateleiras devem ter acesso fácil, sem a necessidade de levantar muito os braços, e os itens mais pesados devem estar em armários baixos.

Também há adaptações importantes que giram em torno do fogão. Na hora de escolher esse eletrodoméstico, opte pelos que contêm botões na parte da frente e sistema que feche o gás automaticamente se a chama se apagar. Aquecedor ou bujão de gás devem permanecer do lado de fora de casa.

Corredores

A locomoção entre as partes da casa é tão importante quanto a funcionalidade dos cômodos em si. Por isso, os corredores devem conter interruptores em ambas as pontas, para que a luz possa ser acesa imediatamente ao sair de qualquer cômodo. Este é um espaço de muita circulação, portanto, deve ser livre, sem tapetes soltos ou móveis.

No caso das escadas, é preferível que elas sejam retas, e o corrimão deve estar na altura média de 80 cm. Os degraus devem ter cerca de 15 cm e estar equipados com fita antiderrapante.

Se a casa tiver rampas, opção ainda melhor para idosos, a inclinação deve ser de, no máximo, 8,33%, de acordo com a norma NBR 9050.

Foto: Divulgação

Instagram