Dia Internacional de Combate às Drogas: saiba mais

A Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o dia 26 de junho como o Dia Internacional de Combate às Drogas, o grande objetivo da data, é conscientizar as pessoas sobre os problemas que o consumo de substâncias químicas traz. 

No Brasil, o Levantamento Nacional de Família dos Dependentes Químicos (Lenad Família), realizado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), estima que 5,7% da população brasileira seja dependente química, o que representa mais de 8 milhões de brasileiros.

Entenda o que é dependência química, quais as consequências do vício em substâncias químicas e qual a melhor forma de tratar isso em uma clínica de recuperação:

O que é dependência química?

Todas as pessoas podem ser afetadas pela dependência química, e apesar de ser um problema extremamente grave e comum na sociedade, nem sempre as pessoas sabem o que é a dependência química e como as pessoas se tornam viciadas em drogas.

Antes de mais nada, é importante salientar que dependência química nada tem a ver com princípios éticos, morais e com caráter, o vício em drogas, é considerado como uma doença crônica, que como qualquer outra doença, necessita de tratamento em clínica para dependentes químicos.

A utilização de substâncias químicas, causam impacto direto no cérebro, tornando comum atitudes impulsivas e pouca resistência ao consumo de drogas.

Quais as consequências da dependência química?

As pessoas que utilizam tipos de substâncias químicas, podem ter inúmeros prejuízos e impactos causados pela ingestão das drogas.

Isso porque as substâncias químicas afetam diretamente a saúde mental, física e social do dependente químico, além de causarem grandes impactos na vida de todos os envolvidos.

O crack e a cocaína, por exemplo, além dos prejuízos na vida profissional e pessoal, causam grandes danos à saúde física e mental, como a perda de peso, o aparecimento de problemas respiratórios e cardiovasculares, causando até mesmo a morte.

O tratamento para dependência química

A dependência química é uma doença crônica, sem cura, mas que possui tratamento, com o objetivo de diminuir os impactos físicos e mentais causados pelas substâncias químicas.

Cada paciente necessita de um tipo de tratamento específico, tudo dependente do grau de dependência, do tipo de droga e de outros fatores.

O dependente químico pode optar pela internação voluntária, em que o próprio indivíduo resolve solicitar a sua internação em uma clínica de reabilitação para que o tratamento seja realizado.

Já no caso da internação involuntária, ela pode ser solicitada pelo médico ou pela família, quando o dependente químico representa risco para si mesmo ou para as pessoas a sua volta.

Imagem de Gerd Altmann por Pixabay 

Instagram