Como os streamings mudaram totalmente nossa forma de consumir mídia

Com o avanço rápido da tecnologia, não é nem um pouco surpreendente que diversos tipos de novas formas de consumir mídias e se comunicar venham surgindo. E os streamings adentraram nossas vidas com força total.

É quase que uma certeza que você conta com pelo menos uma assinatura de qualquer tipo de streaming. Seja de música ou filmes, os mais populares, provavelmente você tem acesso a algum.

E hoje em dia as opções são bem diversificadas e interessantes, com opções para todos os gostos – e bolsos também.

De repente, foi como se adentrássemos num mundo totalmente novo e sem nem sequer perceber. Ontem éramos adeptos das locadoras e lojas de CD’s e hoje não vivemos sem uma tela e um login numa conta num serviço de streaming.

Streaming no passado e hoje

Ao contrário do que muita gente pensa, o streaming não surgiu ontem e já conta com atuação desde os anos 90. Claro que não com a mesma desenvoltura e popularidade que hoje.

Como sabemos, a internet era bem precária nos anos 90 e não havia nada como o que temos hoje em dia.

Ficar em frente a um aparelho que demorava mais tempo para carregar do que para efetivamente rodar o filme que você queria podia ser uma experiência bem frustrante.

Sendo assim, a coisa só realmente deslanchou mais recentemente, quando a internet banda larga finalmente se popularizou e tornou-se uma realidade nas casas da maioria das pessoas.

Hoje em dia, é difícil achar alguém que não seja adepto de um desses serviços e que não gasta algumas boas horas desfrutando de músicas ou séries favoritas.

Enquanto que, há não muito tempo atrás, as TV’s por assinatura dominavam completamente o mercado nesse sentido de fornecer um serviço mais personalizado e até mesmo ‘gourmet’, hoje poucas pessoas ainda são adeptas desse meio de consumir mídia.

As TV’s por assinatura ainda são serviços caros e pode-se dizer até mesmo que são bastante engessados em relação a programação, quando levamos em consideração um streaming.

A conta é básica: mesmo que você assine mais de um serviço de streaming de filmes e pague o mesmo que numa assinatura de TV por assinatura, ainda assim terá mais vantagens, já que pode escolher a sua programação e ver tudo quando e onde quiser.

E isso, sabemos bem que a TV por assinatura não faz.

Ou seja, vivemos hoje num período em que a internet trouxe mobilidade para a comunicação, permitindo trocas de mensagens rápidas e em qualquer lugar, ligações por vídeo que aproximam as pessoas e claro, por que não, a possibilidade de usufruir de entretenimento onde quer que você esteja.

Basicamente a internet joga por terra paradigmas e quebra certos conceitos que tínhamos antes. E a tendencia é que a cada vez mais e mais essa liberdade alcance outros patamares.

Cinema e televisão estão ficando obsoletos?

Como estamos falando de tecnologias e modos de comunicação engessados, ao falar de televisão sabemos bem que ela, hoje, é uma dessas maneiras rígidas de consumir conteúdo de qualquer espécie.

A TV aberta em si não traz assim uma gama tão variada de programações e isso pode desinteressar a maioria das pessoas.

Vivemos num mundo de atualizações rápidas, comunicação veloz e queremos tudo para agora. Não para daqui há uma semana, quando o filme irá passar numa data pré-definida.

A TV aberta tem sim seus adeptos, mas é mais do que um fato de que ela precisa se reinventar para não sucumbir conforme o tempo for passando.

O cinema talvez tenha uma abordagem um tanto quanto diferente nesse aspecto. Enquanto que na TV aberta ou por assinatura não escolhemos o que assistir, no cinema é exatamente o que fazemos.

Está em nossas mãos ver aquele filme. E claro, sempre é uma emoção diferente entrar na sala escura e se deleitar com um filme aguardado em tela grande.

O cinema em si não se encontra nessa bolha engessada em que as TVs caíram, mas ainda assim tem que se fazer um esforço muito maior hoje em dia para trazer o público para lotar as salas.

Antigamente, um filme demorar muito tempo para sair em VHS e mais tempo ainda para ir para a TV aberta.

Hoje em dia, é tão rápido o lançamento e a exibição em streamings que fica difícil escolher entre pagar um ingresso, ou mesmo esperar os próximos meses para ver no conforto de casa, numa excelente resolução.

Tudo está diferente, e é mesmo. É inegável o quanto esse tipo de tecnologia se popularizou e acabou virando parte intrínseca de nossas vidas.

Mudanças no decorrer do tempo

E quando pensamos em mudanças, eu nem sei dizer bem quando foi a ultima vez que aluguei um filme numa locadora de vídeos. Me parece que não faz tanto tempo assim, e creio que realmente não faça. Talvez uns dez anos atrás?

Não dá para mensurar bem, mas, mesmo assim, ainda penso em como as locadoras foram sumindo repentinamente, uma a uma. Todas foram fechando e novos comércios abrindo.

E aposto que, assim como eu, você talvez nem tenha se dado conta. E só percebeu isso há poucas semanas atrás, quando se lembrou que naquela esquina ali havia uma locadora.

Pois é. A forma como nos comunicamos e trocamos informações e como interagimos com as mídias mudam a todo momento. E nem sequer percebemos isso.

Assim como as locadoras se foram, em breve outras coisas irão também. E não há muito o que fazer.

A verdade é que estamos dentro de um barco e muitas vezes nem sequer reparamos na mudança do balanço das ondas.

O que o futuro nos trará?

É difícil prever com exatidão o que haverá de diferente em relação a consumo de mídias, mas é fato que haverão mudanças. Quando os dvd’s e blu rays estavam em alta, eu achava que eram a mídia definitiva, que nada superaria aquilo.

Bem, hoje nem mesmo nos lembramos bem para que serviam.

Os streamings com certeza mudaram a nossa forma de lidar com conteúdo. Mas é importante saber que eles não são o fim da jornada. Ainda há muito mais coisas incríveis que veremos durante nosso tempo por aqui.

Imagem de yousafbhutta por Pixabay 

Instagram