Publicação inédita aborda a representatividade das mulheres no setor tecnológico da América Latina

A Laboratória, organização que busca inserir mais mulheres no mercado de tecnologia, como parte de sua parceria com o BID Lab, acaba de publicar um estudo inédito que demonstra as barreiras e obstáculos que enfrentam as mulheres para trabalhar com tecnologia na América Latina, um setor que conta com pouca diversidade (menos de 30% são mulheres).

– A Laboratória, organização que busca inserir mais mulheres no mercado de tecnologia, como parte de sua parceria com o BID Lab, acaba de publicar um estudo inédito que demonstra as barreiras e obstáculos que enfrentam as mulheres para trabalhar com tecnologia na América Latina, um setor que conta com pouca diversidade (menos de 30% são mulheres).

A publicação “O futuro da tecnologia: inclusão feminina” faz parte dos esforços conjuntos do BID Lab, o laboratório de inovação do Banco Interamericano de Desenvolvimento, e da Laboratória para gerar diálogo e promover ações concretas a favor da diversidade de gênero nas equipes de tecnologia, assim como a inclusão das mulheres latinoamericanas em todos os espaços produtivos.

Parceiras desde 2015, ambas as instituições realizaram iniciativas para formar mais de 1.000 mulheres como desenvolvedoras de software, conseguindo inserir no setor de tecnologia mais de 80% delas, o que permitiu com que muitas melhorassem suas rendas após a conclusão do bootcamp de programação da Laboratória. Em 2020 renovaram a parceria com o objetivo de promover e acompanhar as empresas, em particular as pequenas e médias, em seu processo de transformação digital com uma visão de inclusão, promovendo que as mulheres façam parte do crescimento da economia digital da região. 

O estudo demonstra que na América Latina existe um contexto generalizado de menor participação feminina na força laboral, e que apenas 52% das mulheres adultas são parte do mercado, sendo 24% a menos do que os homens. Entre as causas desta lacuna social e econômica são citados os impactos  dos papéis de gênero, estereótipos e a desigualdade na carga de responsabilidades domésticas. 

No setor de tecnologia, particularmente, a inclusão é ainda mais difícil por limitação dos sistemas educativos tradicionais, a adoção de viéses inconscientes, as expressões de discriminação em ambientes de trabalho e a ausência de referências mulheres para serem seguidas. Todas estas barreiras limitam as oportunidades das mulheres para acessar e desenvolver-se em tecnologia.

Para superar estes desafios, a publicação propõe recomendações concretas para as organizações e empresas da região e aponta que, na economia digital, o setor de tecnologia é um espaço de oportunidades de trabalho bem remunerado para todas as pessoas. O desenvolvimento de software, na verdade, é uma profissão do futuro relevante que, segundo previsões, vai precisar de mais de um milhão de novos programadores em três anos somente na América Latina. Diante deste panorama, propõe-se que as empresas desenvolvam iniciativas que, de forma paralela às políticas públicas dos países, fomentem a participação das mulheres nas áreas STEM (sigla em inglês para Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática).

“As lacunas de gênero deixam muitas meninas, adolescentes e mulheres sem possibilidades de adquirir habilidades críticas para se desenvolver em um mundo com cada vez mais mudanças tecnológicas”, aponta Irene Arias  Hofman, CEO do BID Lab.

“A Laboratória, junto com centenas de organizações aliadas, como o BID Lab, continua trabalhando para construir um cenário de tecnologia competitivo, diverso e inclusivo, que abra oportunidades para que cada mulher alcance seu potencial e para que, assim, juntos, possamos transformar o futuro da América Latina. Esperamos que esta publicação possa ser o início de uma colaboração com muitas empresas e organizações que queiram somar a esta mudança. Todos e todas podem contribuir para alcançarmos esse objetivo.” finaliza Mariana Costa Checa, CEO da Laboratória.

Para baixar o estudo completo, clique aqui

Laboratória

Trabalhamos para alcançar uma economia digital mais diversa, inclusiva e competitiva, que abra oportunidades para que cada mulher possa desenvolver seu potencial. Fazemos isso por meio de um  bootcamp intensivo de seis meses que trabalham as habilidades técnicas e para a vida, focado em mulheres que ainda não puderam começar uma carreira profissional. Desta forma, conectamos nossas estudantes a empregos de qualidade em desenvolvimento de softwares e UX, onde podem começar suas carreiras. As graduadas na Laboratória estão construindo carreiras transformadoras para si mesmas no setor de tecnologia e assim, reduzindo a grande desigualdade de talento e gênero que ainda existe no setor.

Desde nosso lançamento em Lima, Peru, em 2014, a Laboratória já expandiu para o Chile, México, Brasil e Colômbia. Já formamos mais de 1.800 mulheres, colocando 79% delas em trabalhos de tecnologia na América Latina e também em outros países. Somos uma fonte de talentos para mais de 600 empresas líderes em diversos setores e indústrias, desde comércio e bancos até logística e fintechs. Com nosso trabalho estamos ajudando a todo tipo de organização – desde grandes corporações até startups de tecnologia – a encontrar o talento técnico que necessitam para crescer suas equipes e trazer a diversidade que ajuda a construir melhores culturas de trabalho e produto. www.laboratoria.la/br 

BID Lab

O BID Lab é o Laboratório de inovação do Grupo BID, principal fonte de financiamento e conhecimento para o desenvolvimento focado em melhorar vidas na América Latina e Caribe. O propósito do BID Lab é incentivar a inovação para a inclusão na região, mobilizando financiamento, conhecimento e conexões para encontrar soluções em estágio inicial com potencial de transformar a vida de populações vulneráveis devido a condições econômicas, sociais e/ou ambientais. Desde 1993 o BID Lab forneceu mais de U$ 2 bilhões em projetos diversos em 26 paises. www.bidlab.org 

Instagram