E-commerce cresce e registra acréscimo de 41% em faturamento no Brasil

Setor alcançou mais de 194 milhões de pedidos nas lojas online em 2020; é a maior alta percentual desde 2007

O faturamento do e-commerce cresceu 41% em 2020, segundo o relatório Webshoppers, da Ebit/Nielsen e do Bexs Banco. O período, marcado pelo isolamento social, por conta da pandemia de Covid-19, registrou mais de 194 milhões de pedidos realizados pelos consumidores nas lojas virtuais, que somaram cerca de R$ 87,4 bilhões no período. O resultado foi a maior alta desde 2007.

A nível de comparação, o setor apresentou alta de 16% em 2019 e 12% em 2018. “O crescimento do e-commerce foi forçado pela pandemia em partes, por conta do isolamento social e da restrição na abertura do comércio presencial”, diz Marcelo Osanai, diretor de e-commerce da Ebit/Nielsen. “O crescimento foi generalizado, por todas as categorias”, completa.

Apesar de a alta ser vista em todas as categorias, algumas registraram melhores desempenhos, como Casa e Decoração, que apresentou crescimento de 71% em número de pedidos e passou a representar 15% do total. Como neste setor estão inseridos produtos para a casa, como móveis, lençóis e demais itens de manutenção, há indícios de que a elevação tenha acontecido por conta do isolamento e da maior quantidade de horas em casa.

Comércio eletrônico em 2021

Ao que tudo indica, a tendência para 2021 é a continuidade dos aumentos registrados pelas lojas virtuais, já que não houve melhora no quadro da pandemia e, em alguns estados, o comércio físico e o home office seguem na mesma linha de 2020. Outro ponto positivo para o e-commerce é a entrada de novos consumidores na dinâmica das compras online, que possivelmente continuarão adquirindo produtos de forma virtual.

Assim, para os lojistas e varejistas que buscaram a reinvenção em 2020, por meio do mercado digital, para continuar em operação durante o fechamento dos postos físicos, observar as atualizações dos hábitos e ideias dos consumidores continua sendo importante para se atualizar e manter a constância nas vendas e no relacionamento com os clientes.

Nesta linha, os empreendedores podem apostar na melhora da comunicação entre a marca e os consumidores finais. Com a possibilidade de alcançar as pessoas, por meio de algumas simples mensagens, independentemente da distância entre os indivíduos, este costume também se reflete em como os clientes esperam ser tratados pelas empresas. 

Deste modo, ter vários canais de atendimento, seja por meio de SAC ou redes sociais – como o WhatsApp Business API, que possibilita o envio de notificações, a resolução de dúvidas do cliente antes, durante e após a venda, além da integração e automatização que podem facilitar e acelerar o processo –, é imprescindível para que a jornada de compra seja positiva para os consumidores.

Segundo a pesquisa, um dos pontos que incentiva a finalização dos pedidos é o frete grátis. Do total de transações, 43% não tiveram custo de envio para o consumidor. Sendo assim, a estratégia pode ser usada pelos donos das lojas virtuais em algumas oportunidades, como aniversário do cliente, datas comemorativas ou desconto por fidelidade para atrair os clientes que já compraram novamente e, consequentemente, conquistar novos. 

Foto:iStock

Instagram