A indústria automotiva do Brasil: entenda os números

A pandemia do coronavírus vem afetando a humanidade de várias formas, tanto se tratando das perdas tristes de várias pessoas, quanto a baixa na economia do Brasil e do mundo. Prova disso, são as mais de 29 fábricas que estão paradas desde o início do ano e os milhares de automóveis que deixaram de ser produzidos.

A Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) fez um levantamento este ano que comprovou que fábricas de veículos como de carros Renault, Toyota, Mercedes, Scania, BMW, Honda e Volkswagen estavam com suas atividades paradas.

Além disso, alguns especialistas no assunto, garantiram que mais de 300 mil veículos deixaram de ser produzidos este ano por conta da pandemia do novo coronavírus que está atingindo a economia da indústria automotiva.

Então, podemos observar que essa pandemia de COVID 19 afeta tanto a vida pessoal das pessoas, quanto a vida profissional, pois com toda essa queda de serviços e paralisações, fica cada vez mais difícil empregadores conseguirem manter seus funcionários.

Além do mais, mesmo que ocorra uma melhora significativa, o setor automobilístico e toda a economia mundial demorarão um bom tempo para se recuperarem da crise econômica que enfrentam nesse momento.

Explicando a paralisação

Algumas marcas como Renault, Toyota, Mercedes, Scania, BMW, Honda e Volkswagen explicaram que a paralisação de suas produções se deu tanto por conta da falta de peças quanto pelo avanço da pandemia do COVID 19.

Essa falta de peças não se dá somente em indústrias de veículos automotores, mas também em todas as indústrias do país. Além disso, a desvalorização do real é um grande agravante de toda essa situação.

Ano passado, em 2020, o dólar teve uma alta de praticamente 30%, e por enquanto, neste ano de 2021 já subiu mais 9,31%. Isso significa que a economia de outros países está subindo, enquanto a do Brasil apenas diminui ou fica estagnada.

Pois o valor do real mais baixo, torna a exportação mais vantajosa para os países estrangeiros, porém os insumos da indústria brasileira continuam a cair gravemente, o que afeta muito grande e diretamente a grande maioria das indústrias automobilísticas do nosso país.

A Toyota por exemplo, que possui cerca de 5.600 funcionários no Brasil, foi obrigada a paralisar a fabricação dos veículos automotores em todas as fábricas presentes no estado de São Paulo.

Na fábrica da Renault em São José dos Pinhais, no Paraná, desde a paralisação da fabricação dos veículos automotores, foram mantidos trabalhando em home office apenas os funcionários de funções administrativas, os demais foram dispensados e os dias serão compensados.

Pouca demanda

Outro fator que é crucial para a crise econômica que o país está passando, assim como as indústrias automotivas, é a grande queda de demanda, pois fica praticamente impossível comprar um carro novo em um país com uma crise econômica tão forte.

Afinal, como uma pessoa consegue trocar de carro ou comprar um carro novo se não tiver um emprego ou um salário que seja significativamente bom? Pois convenhamos que, apesar do auxílio dado pelo governo e os demais benefícios sociais, nada disso é o suficiente para as pessoas serem capazes de comprar um bem de valor tão alto.

Para ter uma ideia do quanto essa demanda diminuiu desde o começo da pandemia do coronavírus, em 2020, a produção de veículos no país, incluindo carros, motos, ônibus e caminhões, caiu cerca de 31,6%.

E não será possível que haja uma melhora nesse número, se a demanda não melhorar, mas para que isso aconteça, a pandemia precisa melhorar para que as pessoas possam voltar a trabalhar e ter uma perspectiva salarial consideravelmente melhor e mais alta.

Pois com a volta da demanda, também será possível que as indústrias e fábricas automobilísticas tenham a necessidade de aumentar o quadro de funcionários, o que será benéfico para muitas pessoas e, consequentemente, para a economia do país.

A esperança que essa melhora ocorra se dá pelas vacinas que estão sendo aplicadas este ano na população mundial, e após serem aplicadas a segunda dose das vacinas, poderemos ter uma ideia melhor sobre como ficará a economia brasileira.

A relação com o PIB

O PIB é o que representa o Produto Interno Bruto de um país, e aqui no Brasil, a fabricação de automóveis é a responsável por cerca de 0,9% do PIB do país e 6,7% do PIB da indústria da transformação.

Bem como 0,4% do PIB dos empregos totais do Brasil e 4,1% do emprego das indústrias, além de 1,4% do PIB de todos os salários da economia e 8,8% dos salários das indústrias no Brasil.

Essas informações foram reunidas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), ou seja, são informações confiáveis e verídicas que tendem a piorar, caso essa pandemia global não seja controlada.

Instagram