Por que quedas de energia são frequentes no verão?

Os chamados apagões, quando há blecaute de grandes proporções no sistema elétrico, se acumulam em uma série de episódios ocorridos nas últimas décadas, marcando a história e a rotina dos brasileiros.

Mas um tipo de interrupção energética mais localizada e passageira também é comum, e muitas pessoas já devem ter se perguntado por que elas são mais frequentes durante o verão.

A estação é sinônimo de férias e calor, período em que o turismo se intensifica, e o uso de ar-condicionado, ventilador e outros equipamentos de refrigeração passa a ser inevitável diante das altas temperaturas registradas em todo o Brasil.

A consequência típica dessa alta temporada é o aumento desenfreado do consumo de energia elétrica, que fica bem acima da média, já que a população se multiplica com a chegada de turistas internacionais; e ainda se concentra em algumas cidades, especialmente as litorâneas, sobrecarregando o sistema de distribuição em pontos específicos do país.

O impacto também se amplia pelo fato de o calor exigir mais dos equipamentos, que acabam trabalhando fora dos padrões técnicos.

A consequência, então, são as frequentes quedas de energia que, mesmo por curtos períodos, podem ter desdobramentos variados: atrapalhar as férias de família por prejudicar o planejamento dos passeios; gerar transtornos à população e aos municípios com o desperdício de alimentos em casa, a queima de aparelhos domésticos, o descontrole de semáforos nas ruas, a descontinuidade de serviços públicos e a ocorrência de acidentes de todo o tipo; além de causar prejuízos ao comércio e à indústria.

Para complementar o cenário, também é no verão que predomina a ocorrência de fortes chuvas e tempestades que, acompanhadas de ventanias, estragam postes e derrubam galhos e árvores sobre os cabos e fiações aéreas, que representam a maioria da infraestrutura de distribuição e são altamente vulneráveis aos efeitos climáticos.

Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o Brasil é recordista mundial na incidência de raios, outro fator típico deste período e determinante nas falhas de fornecimento de energia. São vários os estragos gerados pelas descargas atmosféricas que podem, inclusive, queimar transformadores.

Uma solução mais segura e definitiva seria converter a rede aérea em subterrânea, o que demanda tempo e iniciativa dos governos. Por enquanto, a recomendação é se precaver para minimizar os danos, desligando equipamentos da tomada, se informando sobre os direitos do consumidor em caso de perdas materiais, buscando abrigo durante as tempestades para evitar acidentes e alternativas de energia temporária, entre outros.

Como evitar prejuízos nos negócios

Segundo a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), dois minutos de interrupção no fornecimento de energia custam, em média, R$ 135 mil para uma indústria no Nordeste do país. E esse valor pode chegar a R$ 750 mil em uma hora de parada elétrica.

Além dos prejuízos financeiros, falhas no fornecimento de energia também podem comprometer o nome das empresas, abalando a credibilidade da sua operação e da sua capacidade de atendimento e entrega junto aos consumidores, independentemente do tamanho e do ramo de atuação.

A locação de geradores, que ficam no modo stand by e entram em funcionamento imediatamente após qualquer interrupção elétrica, é uma alternativa para evitar esses prejuízos e se manter competitivo no mercado.

A preocupação com a segurança energética, ou seja, a ideia de que é preciso buscar opções que não deixem os negócios expostos aos riscos de dependerem exclusivamente das concessionárias, passa a ser de todas as empresas e não somente das que atuam em serviços essenciais ou em situações de emergência.

A contratação de soluções de energia temporária, que incluem não só equipamentos e acessórios, mas também assistência técnica especializada e pacotes customizados e funcionais adequados às particularidades de cada cliente, é um caminho para quem quer garantir operação ininterrupta e não considera investir alto na aquisição de geradores.