TEATRO FOLHA APRESENTA COMÉDIA ONLINE

“Novo e Normal” é uma parceria com elenco de peso do teatro e da televisão brasileira 

Elenco de peso e dramaturgia afinada com os novos tempos são os principais ingredientes de “Novo e Normal”, um espetáculo de teatro digital feito para agradar público diversificado. Os atores Elidio Sanna, Jair Oliveira, Juliana Alves, Paloma Bernardi, Samara Felippo, Sérgio Mamberti, Suely Franco e Tania Khalill formam o afiado time que promete sacudir a produção de lives cênicas. A estreia acontece dia 07 de novembro de 2020 na Sympla Streaming. As sessões serão aos sábados às 21h, e domingos às 15h. 

O espetáculo reúne histórias de quatro casais de idades e realidades diferentes, em situações inusitadas que enfrentam durante a pandemia, mostrando com muito humor o impacto em suas relações pessoais, como vivem e lidam com seus desafios nas circunstâncias atuais  que a humanidade está enfrentando. 

“Novo e Normal” é realizado ao vivo a partir da casa de cada ator e transmitido por streaming. Desenvolvido como uma nova linguagem de comunicação, com o cuidado de diferenciar-se do conceito de “teatro filmado”, o espetáculo aposta na dinamicidade, cenas curtas e interatividade para divertir o público de todos os cantos do Brasil e para brasileiros pelo mundo. 

SINOPSE 

Walter (Sérgio Mamberti) e Sonia (Suely Franco) foram casados e se separaram depois que os filhos cresceram. Para se cuidarem durante a pandemia decidem voltar a morar juntos. Walter tem segundas intenções: quer reatar o casamento. Mas Sonia, maníaca por higienização e com medo do vírus, impõe a ele uma quarentena dentro de um quarto no apartamento dela. Tudo vai mudar quando descobrem o sumiço de Lurdes,  irmã de Walter. 

Fernanda (Samara Felippo), filha da desaparecida Lurdes, é médica e está ocupadíssima trabalhando na linha de frente no combate à Covid19. Seu marido, André (Elídio Sanna), investiu toda sua economia em uma padaria gourmet que seria inaugurada uma semana depois de decretada a quarentena. Contrastando com o comportamento da mulher, André tem comportamento negacionista,  resistindo ao uso da máscara, o que abala a relação inconstante do casal. 

Bel (Tania Khalill), irmã de Fernanda, foi a Nova York antes da pandemia para fazer um curso de ciência da felicidade. Seu amante, o músico Gerson (Jair Oliveira), deixa mulher e filhos no Brasil e segue para Nova York para se encontrar com Bel, com a desculpa de assinar um contrato com uma gravadora e fazer uma live musical, quando a mãe de sua amante desaparece. 

A delegada Paula (Juliana Alves), amiga de infância de Gerson, é casada com a psicanalista holística Amanda (Paloma Bernardi), que atende a desaparecida Lurdes, e se torna uma peça chave para o desvendamento do mistério de seu sumiço.  

O texto foi criado pelos premiados dramaturgos Fabio Brandi Torres, Nanna de Castro e Sérgio Roveri, com a colaboração de Becky Sarfati Korich. A dramaturgia foi criada especialmente para os atores do elenco. A direção de Ian Soffredini e Isser Korik e a estrutura do texto seguem uma estética inspirada no filme Short Cuts (Robert Altman – 1993), no qual histórias aparentemente desconexas vão ganhando fios de interligação entre seus personagens de núcleos diferentes, formando um grande mosaico. 

A PRODUÇÃO 

“Novo e Normal” é a primeira realização do Teatro Folha Online, em parceria com os participantes do projeto. Teatro Folha Online é um novo ramo da Conteúdo Teatral, produtora com vasto currículo em espetáculos teatrais de qualidade artística e visão comercial no Teatro Folha, espaço conhecido do público paulistano há quase vinte anos com uma das melhores programações da cidade. Enquanto o público não pode ir ao Teatro Folha, o Teatro Folha Online vai à casa do público, no Brasil e no mundo, para levar entretenimento, humor e reflexão sobre o momento em que vivemos. 

O ELENCO 

Elidio Sanna 

Elidio Sanna é um dos criadores da Cia Barbixas de Humor, que surgiu em 2004, fruto da parceria entre Anderson Bizzochi e  Daniel Nascimento.

Com a Cia Barbixa de Humor já se apresentou em mais de 80 cidades na América Latina e Europa e está há mais de 11 anos em cartaz em São Paulo com o espetáculo “Improvável”, que já foi visto por mais de 1 milhão de pessoas.

Improvisa no palco, escreve textos cômicos, dirige vídeos originais e eventualmente produz programas de televisão, como, “Quinta Categoria” (MTV), “É Tudo Improviso” (Band) e “Tomara Que Caia” (Globo).

Jair Oliveira

O músico iniciou a carreira na infância e fez parte da turma do Balão Mágico na década de 1980,  sucesso entre o público infantil. 

Com uma vida dedicada à música, iniciou a sua nova fase na música popular brasileira realizando os álbuns “Dis’ritmia” e “Outro”. Seu terceiro trabalho solo, também pela gravadora Trama é dividido em duas partes, os CDs “3.1” e “3.2”, este último lançado para ser baixado pela Internet. 

Após parceria de sucesso e de grande crescimento e desenvolvimento profissional, Jair Oliveira lançou em 2006 seu CD “Simples”, independente, pelo selo S de Samba, onde é um dos sócios. Depois realizou CD/Livrinho – “Grandes Pequeninos” em 2009 e “O Samba me Cantou” em 2010. 

Está no elenco do filme “Os Desafinados”, de Walter Lima Jr.  

Juliana Alves                             

Presença marcante em novelas desde o ano de 2003, quando atuou em “Chocolate com Pimenta”. Depois disso atuou em “Mano a Mano”, “Prova de Amor”, “Amazônia”, “Duas Caras”, “Caminho das Índias”, “Ti Ti Ti”, “Cheias de Charme”, “Babilônia”, “Sol Nascente”, “O Tempo Não Para”, “Salve-se Quem Puder”, entre outros projetos televisivos. 

Também tem carreira no cinema. Atuou em “E Aí, Comeu?”, “Made in China”, “A Comédia Divina” e outros longas-metragens. 

Paloma Bernardi 

Iniciou a carreira na infância, participando de campanhas publicitárias. Estreou no teatro em 2002 no espetáculo “Hercules”. Desde sua estreia, atuou em mais de 20 espetáculos, entre eles, “A Bruxinha Que Era Boa”, “Romeu e Julieta”, “Paixão de Cristo Segundo o Diário de Maria”, “Dom Quixote”, “Fame – O Musical”, “Orfeu” e “Chacrinha – o Musical”. 

Na TV, atuou nas novelas “Os Mutantes – Caminhos do Coração”, “Viver a Vida”, “Insensato Coração”, “Salve Jorge”, entre outros projetos. 

No cinema, participou em diversos curtas-metragens e nos longas-metragens “Lascados”, de Vitor Mafra; “Apaixonados – O Filme”, por Paulo Fontenelle; “Mais Forte Que o Mundo”, de Afonso Poyarte; “Os Parças”, dirigido por Halder Gomes; e “Os Parças 2”, dirigido por Cris D’Amato. 

Samara Felippo 

Estreou na novela “Anjo Mau”, em 1997, na Rede Globo. Depois atuou em “Malhação”, “Meu Bem Querer”, “Suave Veneno”, “O Clone”, “A Casa das Sete Mulheres”, “Chocolate com Pimenta”, “Da Cor do Pecado”, “América”, “JK”, “Dercy de Verdade”, “José do Egito” e “Os Dez Mandamentos”, entre outros trabalhos televisivos. 

No teatro trabalhou em 2012 na montagem do espetáculo “Mulheres Alteradas”, de Andrea Maltaroli. No ano seguinte fez parte do elenco da peça “Orgulhosa Demais, Frágil Demais”, onde deu vida a Marilyn Monroe, com direção de Sandra Pera. Seu último trabalho  no teatro foi “Mulheres que nascem com os filhos”, em 2019. 

Sérgio Mamberti 

Sérgio Mamberti dispensa apresentações aos considerarmos sua longa e bem sucedida carreira como ator. Atuou em mais de 30 projetos na televisão desde o ano de 1968. Entre as novelas, destaque para “As Pupilas do Senhor Reitor”, “Brilhante”, “Transas e Caretas”, “Dona Beija”, “Vale Tudo”, “Pantanal”, “Anjo Mau”, “O Clone”, “Flor do Caribe”, entre muitos outros sucessos. 

Estreou no teatro em 1964 em “O Inoportuno”, de Harold Pinter, com direção de Antônio Abujamra. Atuou nas peças “Navalha na Carne”, de Plínio Marcos; “O Balcão”, de Jean Genet; “Pérola”, de Mauro Rasi; “Visitando o Sr Green”, de Jeff Baron. 

Atuou em mais de 40 filmes, realizando consistente carreira no cinema desde o ano de 1966. Trabalhou nos filmes “O Bandido da Luz Vermelha”, “Toda Nudez Será Castigada”, “A Menina do Lado”, “O Mentiroso”, “Castelo Rá-Tim-Bum, o filme”, entre outros. 

Suely Franco  

Desde que fez seu primeiro trabalho em televisão, a adaptação de “Gabriela, Cravo e Canela”, em 1960, até a última novela “A Dona do Pedaço” em 2019, Suely Franco acumulou em seu currículo o impressionante número de 62 projetos, com muitos sucessos.   

Entre as novelas, atuou em “O Espigão” (1974), “Estúpido Cupido” (1976), “Chega Mais” (1980), “Mulheres de Areia” (1993), “Torre de Babel” (1999), “A Favorita” (2008), entre outras. 

Estreou no cinema em “Dois na Lona”, em 1968. Também atuou em  “Quatro Contra o Mundo” (1974), “Minha Vida em Suas Mãos” (2001), “Uma Professora Muito Maluquinha” (2011), “Minha Mãe É Uma Peça – O Filme” (2013), “Minha Mãe É Uma Peça 2” (2016) e em outros filmes. 

No teatro trabalhou em parceria com grandes nomes das artes cênicas brasileiras. Atuou nas peças “Com a Pulga Atrás da Orelha”, de Georges Feydeau, direção de Gianni Ratto; “O Beijo no Asfalto”, de Nelson Rodrigues, direção de Fernando Torres; “Somos Irmãs”, direção de Cininha de Paula e Ney Matogrosso; “Ai, Ai, Brasil”, de Clovis Levi, direção de Sérgio Britto; “Luta Secreta de Maria da Encarnação”, de Gianfrancesco Guarnieri, direção de Marcus Faustini; “A Mandrágora”, de Maquiavel, direção de Eduardo Tolentino de Araújo; “Quarta-Feira, Sem Falta, Lá em Casa”, de Mário Brasini, direção de Alexandre Reinecke.  

Tania Khalill  

Atriz com trabalhos em cinema, TV e teatro. Formada também  em psicologia e em balé clássico. Em 1995 estreou na peça “No Natal A Gente Vem te Buscar”, com texto de Naum Alves de Souza; depois fez “Curta Comédia” (2003), de Luís Fernando Veríssimo e direção de Wolf Maya, “O Mala” (2008), de Larry Shue e direção de Isser Korik, “Grandes Pequeninos – O Show” (2010), de Fábio Torres com direção de Isser Korik, “Vamos?” (2010), de Mário Viana com direção de Otávio Martins, “Dez Encontros”, de David Hare e direção de Isser Korik; e “Mary Poppins – O Musical” (2017). 

Sua primeira novela foi “Sabor da Paixão” (2002), da TV Globo. Na TV atuou em seriados e novelas, como “Galera” (2004), da TV Cultura, “Cobras e Lagartos” (2006), da TV Globo, “Pé na Jaca” (2006), da TV Globo, “Guerra e Paz” (2008), série da TV Globo, “Casos e Acasos” (2007), série da TV Globo, e “Acampamento de Férias 2” (2011), minissérie da TV Globo. Ainda na TV Globo atuou nas novelas “Senhora do Destino” (2004), ao lado de Suzana Vieira, em “Caminho das Índias” (2009), em “Fina Estampa” (2011), e também em  “Salve Jorge”, contracenando com Domingos Montagner. Foi também apresentadora de Grandes Pequeninos Chefs, em 2016. 

No cinema fez “Área Q” (2011), filme brasileiro-estadunidense que mistura ficção científica com o gênero paranormal, dirigido por Gerson Sanginitto; “Meu Amigo Hindu” (2016) e “Eu Fico Loko” (2017). 

DRAMATURGIA  

Becky Sarfati Korich 

Advogada, mediadora e escritora. Estreou na dramaturgia ao escrever o texto da cena “Consolação”, um dos encenados no projeto “Te Amo São Paulo”, que esteve em cartaz no Teatro Folha em 2010. “Consolação” teve direção de Alexandre Reinecke. 

Atualmente escreve para o blog Quarentenando –  Cérebro&Coração, que surgiu no período da quarentena, refletindo sobre comportamento, cultura, cotidiano.  

Fábio Brandi Torres 

Fabio Brandi Torres é diretor teatral, dramaturgo e roteirista. Foi vencedor por duas vezes do prêmio de Melhor Autor do Festival de Teatro Curta/SESI (2000 e 2002) e três vezes indicado como Melhor Autor ao Prêmio Coca-Cola FEMSA de Teatro Jovem (A Matéria dos Sonhos, 2004, Ciranda das Flores, 2009 e Pandolfo Bereba, 2013). 

Também foi indicado ao Prêmio Shell 2005, como Melhor Autor, por O Mata-Burro. 

Como roteirista, foi colaborador das novelas Seus Olhos (SBT) e Paixões Proibidas (BAND/RTP), e da sitcom #PartiuShopping (Multishow). Em 2017, assinou o roteiro do documentário Inezita, para a TV Cultura. 

Teve a peça Um Conto do Rei Arthur editada ao vencer o Concurso de Dramaturgia Vladimir Maiakovski e o livro infanto-juvenil O Tesouro de Fabergè publicado em duas edições. 

Seus textos já foram apresentados em Portugal, Espanha, Estados Unidos e Cabo Verde, e encenados por Isser Korik (Revistando, Grandes Pequeninos e A Pequena Sereia), Iacov Hillel (Prepare seu Coração e Tutto Nel Mondo è Burla), Val Pires (Medida por Medida), Caco Ciocler (Vão Livre), André Garolli (Trama da Paixão e O Mata-Burro), William Gavião (Respeitável Público? e Macbeth) e Rosi Campos (Se Casamento Fosse Bom…). 

Nanna de Castro 

É publicitária, roteirista, escritora e autora teatral premiada em suas diversas áreas de trabalho. Desde 1990 atua criando campanhas, eventos e vídeos para grandes empresas e marcas. Formou- se em Psicologia e Artes Cênicas na UFMG no Palácio das Artes, em Belo Horizonte.  

Escreveu mais de 10 obras e continua criando uma média de duas obras por ano, trafegando do drama à comédia e entre linguagens artísticas diferentes, com destaque no cinema para: “Eu Te Darei o Céu” ganhadora do Kikito de melhor roteiro em Gramado. Com o filme “A História Real”, recebeu o prêmio de melhor roteiro na Jornada Internacional de Cinema da Bahia(1999) e também no Festival de Curtas de Santos.  

Na TV é roteirista em projetos para a TV Globo, TV Cultura, TVs Educativas e RTP de Portugal.  

No teatro é autora dos textos “Vô Doidim e os Velhos Batutas” (indicado em nove categorias do prêmio Coca-Cola, entre elas, melhor texto), “O Menino que virou História” (Prêmio Usiminas de Melhor texto e indicado ao prêmio Coca-Cola de melhor texto), além de peças adultas que foram sucesso de crítica em São Paulo como “Mundus Immundus”, “O Jardim das Delícias”, “Eu Te Darei o Céu”, “Novelo” e “A Bala Na Agulha”.  

Na literatura, tem dois livros de poemas publicados: “Perverso” e ”Curto-Circuito”, e o livro de crônicas “Só as Magras e Jovens São Felizes”. Em 2016 publicou o livro “O Céu Não é Um Lugar” pela editora Chiado. 

Sérgio Roveri 

Jornalista, dramaturgo, estreou como autor teatral em 2003 com a peça “Vozes Urbanas”, selecionada para o projeto Agora Metrópoles do Século 21. Com mais de 25 textos teatrais escritos, dos quais 22 já foram encenados.  

A terceira peça “O Encontro das Águas” fez  longa carreira de sucesso, tendo recebido diversos prêmios em Festivais de Teatro, além de ter sido adaptada para a televisão. Em seguida vieram a comédia “O Eclipse”, apresentada em temporada de sucesso no Espaço dos Satyros 2; e “Abre as Asas Sobre Nós”, livremente inspirada no conto “Bárbara”, de Dráuzio Varela.  

Recebeu três Indicações ao Prêmio Shell de Melhor Autor, vencendo em 2006 com o texto “Abre as Asas Sobre Nós”. Também ganhou o 1º lugar no Prêmio Funarte de Dramaturgia 2005 com a peça “Andaime” e o  5º Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade com a peça “O Horário de Visita”.  

Integrou a equipe de roteiristas que escreveu os seriados “Norma”, da Rede Globo de Televisão, e “Três Teresas”, do canal GNT.  

Foi um dos três dramaturgos brasileiros convidados para representar o Brasil na Feira do Livro de Paris, realizada em março de 2015.  

Sérgio Roveri é também autor do livro “Gianfrancesco Guarnieri: um Grito Solto no Ar”  da editora Imprensa Oficial SP. Participa também do livro “Os Cem Menores Contos Brasileiros do Século” publicado pela editora Ateliê.  

Possui textos traduzidos para o espanhol, inglês, francês, chinês, alemão e italiano.  

DIREÇÃO 

Ian Soffredini 

Credenciado pela City University London pelos estudos concluídos na Arts Educational Schools London. Também cursou na Academy of Creative Training, de Brighton, e na Academy of Live and Recorded Arts. Trabalha como ator e diretor ininterruptamente nas companhias Cia. Do Pátio e Núcleo EsTeP desde 2006. 

Dirigiu e idealizou pesquisa de arte espontânea, com apresentações de espetáculos inéditos e improvisados, por meio de propostas da plateia, tendo origem a peça “Espontânea”, que estreou em 2012. Também foi curador do “Improvisorama”, festival de improvisação que reuniu os principais grupos do gênero no Brasil e no exterior. 

Em parceria com o Grupo XPTO, adaptou e interpretou em “Romeu e Julieta”, apresentado no Festival Internacional de Teatro de Objetos, promovido pelo SESI. 

Atuou nos espetáculos “A Minha Primeira Vez” e “Cinderela”, com direção de Isser Korik; “A Bela Adormecida”, com direção de Paulo Henrique Jordão; “Cyrano de Bergerac”, com direção de João Fonseca; “Further then the furtherest thing” e “Gut girls”, interpretados em Londres; “Pequena reflexão cômica”, com texto, direção e atuação próprias; “Minha Nossa!”, de Carlos Alberto Soffredini; “Nunca Se Sábado”, de Mário Viana, Fábio Torres, Luiz Henrique Romagnolli, Laert Sarrumor e Isser Korik; e “Revistando 2006”, de Mário Viana e Fábio Torres, entre outras montagens. 

Recentemente atuou em “Vem buscar-me que ainda sou teu”, de Carlos Alberto Soffredini e direção de Renata Soffredini; adaptou e dirigiu a montagem “O Pequeno Príncipe”, conquistando a atenção do público e da crítica especializada. 

Isser Korik 

Diretor, ator, produtor, tradutor e dramaturgo, Isser Korik coleciona trabalhos marcantes como comediante em mais de 35 de carreira, como “Vacalhau & Binho”, de Zé Fidélis, que permaneceu oito anos em cartaz; “O Dia que Raptaram o Papa”, de João Bethencourt; e, recentemente, “E o Vento não Levou”, de Ron Hutchinson, e “Toda Donzela Tem um Pai que é uma Fera”, de Gláucio Gill. Como diretor se destaca na comédia. 

Concebeu “Nunca se Sábado…”, apresentado por quatro temporadas sob sua direção-geral, que marcou a cena paulistana. 

Dirigiu o sucesso “A Minha Primeira Vez”, de Ken Davenport; a trilogia cômica de Alan Ayckbourn “Enquanto Isso…”; “O Mala”, de Larry Shue; o projeto “Te Amo, São Paulo”, que reuniu grandes nomes da dramaturgia paulista; além dos infantis “A Pequena Sereia”, de Fábio Brandi Torres; “Grandes Pequeninos”, de Jair Oliveira; “Cinderela”, “O Grande Inimigo” e “Ele é Fogo!”, de sua autoria, tendo recebido por esse último o Prêmio APCA. Recentemente dirigiu os sucessos “Jogo Aberto”, de Jeff Gould; “O Empréstimo”, de Jordi Galceran. “Que Tal Nós Dois?” de Otávio Martins e Juliana Araripe; “As Guerreiras do Amor”, de Domingos Oliveira e “Quando Tudo Estiver Pronto” de Donald Margulies. 

É diretor artístico da produtora Conteúdo Teatral e do Teatro Folha. 

SOBRE A CONTEÚDO TEATRAL 

O grupo empresarial paulista Conteúdo Teatral atua em duas vertentes: gestão de salas de espaços e produção de espetáculos. Como gestora é responsável pela operação do Teatro Folha, no Shopping Pátio Higienópolis, com direção artística e comercial de Isser Korik, programando espetáculos para temporada em regime de coprodução. No período de atuação a empresa soma mais de 2 milhões de espectadores.  

Como produtora de espetáculos, viabilizou dezenas de peças, como “Gata Borralheira”, “O Grande Inimigo”, “Os Saltimbancos”, “A Pequena Sereia”, “Grandes Pequeninos”, “Branca de Neve e os Sete Anões”, “A Cigarra e a Formiga”, “Cinderela” e “Chapeuzinho Vermelho” para as crianças. Para os adultos foram realizadas, entre outras montagens, “A Minha Primeira Vez”, “Os Sete Gatinhos”, “O Estrangeiro”, “Senhoras e Senhores”, “O Dia que Raptaram o Papa”, “E o Vento Não Levou”, “Equus” a trilogia “Enquanto Isso…”, além de projetos de humor – como “Nunca Se Sábado…” e “IMPROVISORAMA” – Festival Nacional de Improvisação Teatral. Em parceria com Moeller e Botelho produziu os Musicais “Um Violinista no Telhado”, “Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 Minutos”, “Nine – Um Musical Felliniano” e “Beatles num Céu de Diamantes”. 

“Novo e Normal”

FICHA TÉCNICA 

Elenco – Elídio Sanna, Jair Oliveira, Juliana Alves, Paloma Bernardi, Samara Felippo, Sérgio Mamberti, Suely Franco e Tania Khalill. 

Dramaturgia – Becky Sarfati Korich, Fábio Brandi Torres, Nanna de Castro e Sérgio Roveri 

Direção de arte – Fábio Namatame 

Fotos – Eduardo Leão 

Assessoria de Imprensa –  Claudio Marinho 

Coordenação de marketing: Emanoela Abrantes 

Criação gráfica e mídias sociais – Renata Castanho 

Colaboração em criação gráfica e mídias sociais – Marjorie Costa e Pedro Tavares 

Transmissão por streaming – Jardim Cabine 

Produção executiva – Will Siqueira 

Direção – Ian Soffredini e Isser Korik 

Teatro Folha

Realização – Teatro Folha Online 

Teatro Folha
Elídio Sanna, Jair Oliveira, Juliana Alves,Paloma Bernardi, Samara Felippo, Sérgio Mamberti, Suely Franco e Tania Khalill. 
Instagram