SÃO PAULO TEM EM JULHO MAIOR VOLUME DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEIS DO ANO

A alta foi de 17,3% no mês, segundo os Indicadores do Registro de Imóveis do Brasil.  No acumulado dos 12 meses, o crescimento foi de 10,9%

Em julho, a cidade de São Paulo contabilizou o maior volume de registros de compra e venda, o que representa uma alta de 17,3% em julho ante ao mês anterior. No acumulado dos 12 meses (até julho), a alta foi de 10,9%. Os Indicadores do Registro de Imóveis do Brasil apontam ainda que em comparação com julho de 2018, a alta foi de 2,8%.

São Paulo

Segundo a coordenadora do departamento de Estatísticas, Pesquisa e Desburocratização da ARISP, Patrícia Ferraz, os dados indicam que há um reaquecimento do setor, que vem melhorando continuamente desde 2016, quando as negociações chegaram ao nível mais baixo em virtude da crise econômica do País.

Outro dado importante divulgado pelos Indicadores do Registro de Imóveis do Brasil refere-se às alienações fiduciárias (quando imóvel é dado ao credor como garantia de um empréstimo) da capital paulista. Nos últimos 12 meses, foram contabilizados 60.748 registros de alienação fiduciária, incremento de 16,5% em relação ao total registrado nos 12 meses precedentes. Neste mesmo intervalo de tempo, observa-se uma queda de 30,4% de execuções extrajudiciais (intimações de devedores), o que representa 21.770 imóveis. Já as consolidações da propriedade (quando o devedor perde o imóvel) somaram queda de 19,2%, ou seja, 1.750 imóveis.

O pesquisador da FIPE, Eduardo Zylberstjan, ressalta que os números reforçam a eficácia do sistema de alienação fiduciária para a saúde do financiamento imobiliário.

Rio de Janeiro (RJ): A capital fluminense contabilizou em julho uma diminuição no volume dos registros de compra e venda de imóveis – queda de 1,2% ante a junho deste ano. Em relação ao mesmo mês de 2018, o resultado foi positivo: 7,3%. Já no acumulado do ano (dados até julho de 2019) houve um aumento de 9,8% na comparação com os 12 meses precedentes. Já nos últimos 12 meses, a variação foi de 1,0%.

Maringá (PR): Na terceira maior cidade do Paraná, o número de registro de compra e venda de imóveis teve alta de 3,7% em julho na comparação com mês anterior, e queda de 1,2% ante a julho de 2018. No acumulado do ano (dados até julho de 2019), houve praticamente uma estabilidade: variação de 0,4 %. Nos últimos 12 meses, Maringá registrou aumento de 7,3% nas transações de compra e venda ante a comparação com os 12 meses anteriores.

Joinville (SC): No município catarinense com a maior participação no PIB do Brasil, houve um aumento de 73,7% nos registros de compra e venda, em relação a junho. Já quando comparado a julho de 2018, teve uma queda de 14,2%. No acumulado do ano (dados até julho de 2019), os Registros de Imóveis de Joinville apontaram uma queda de 15,8% nas transações de compra e venda. Já nos últimos 12 meses, houve queda de 10,6%, ante aos 12 meses anteriores.

Indicadores do Registro de Imóveis do Brasil

Os Indicadores do Registro de Imóveis do Brasil foram desenvolvidos pela Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo (ARISP), Associação dos Registradores de Imóveis do Rio de Janeiro (ARIRJ), Associação dos Registradores de Imóveis do Paraná (ARIPAR) Colégio Registral Imobiliário de Santa Catarina (CRISC), com a consultoria técnica e metodológica da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) a partir dos registros efetuados pelos Registros de Imóveis nos respectivos Estados.

Ao longo do ano de 2019, novos indicadores serão divulgados e disponibilizados ao público, com a inclusão de dados reunidos por associações de registradores de imóveis de outras Unidades da Federação.

Com divulgação mensal, os Indicadores do Registro de Imóveis do Brasil estão disponíveis para entidades, governo e público em geral no portal https://www.registrodeimoveis.org.br.

Imagem de Ismael Braz de Oliveira Isma por Pixabay