Rota Bioceânica poderá criar corredor turístico entre Brasil e Chile

Com o avanço do acordo para a construção do Corredor Rodoviário Bioceânico de carga, que ligará o Brasil ao Chile passando pelo Paraguai e Argentina, representantes dos quatro países estão estudando a possibilidade de implantar uma rota turística que acompanhe o percurso.

A criação de infraestrutura e atrativos turísticos foi o tema de uma reunião do Grupo de Trabalho do Corredor Rodoviário Bioceânico (GT), que aconteceu recentemente em Campo Grande, Mato Grosso do Sul.

Neste 8º. encontro ficou decidido que os países participantes farão um mapeamento dos atrativos turísticos existentes ao longo dos 2,4 mil quilômetros do corredor. Será criada, inclusive, uma marca da Rota Bioceânica que será utilizada pelos quatro países para promoção turística.

Ficou a cargo da FundTur (Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul) a elaboração da ficha de coleta de informações e as estratégias para promover o turismo, inclusive com expedições pela rota. Entre as sugestões indicadas estão a “Expedição Rota 67″ e o “1º Tour da Harley Davison”.

Outros assuntos relevantes levantados se referem à documentação de veículos e motoristas, vacinas obrigatórias, existência de postos de combustíveis, hotéis, restaurantes e melhoria da infraestrutura. Os quatro países, individualmente, deverão apresentar relatórios sobre estas demandas na próxima Reunião do Gupo de Trabalho (GT), que acontecerá em Antofagasta, no Chile, ainda em 2019.

O traçado da Rota Bioceânica parte de Porto Murtinho, no Estado do Mato Grosso do Sul, passando pelo Chaco paraguaio e norte da Argentina, até chegar ao Chile. O Deserto do Atacama, no Chile, a região montanhosa de Salta, aos pés da Cordilheira dos Andres, na Argentina e as paisagens do Chaco, no Paraguai, são áreas com grande potencial para atrair turistas.

Imagem Pixabay