REDUÇÃO HISTÓRICA DE 63% NO CHEQUE ESPECIAL PARA 4,99% a.m.

Lucro Líquido do 3T19 de R$ 8 bilhões

A CAIXA, o maior banco brasileiro em número de clientes, anuncia o seu resultado consolidado do terceiro trimestre de 2019 (3T19).

DESTAQUES DO RESULTADO DO 3T19:

  • Lucro líquido do 3T19de R$ 8 bilhões, com crescimento de 66,7% quando comparado ao 3T18.
  • Lucro líquido recorrente do 3T19 de R$ 4,2 bilhões.
  • Lucro líquido do 9M19de R$ 16,2 bilhões, com crescimento de 40,9% quando comparado ao 9M18.
  • Redução histórica de 63% na taxa de juros do cheque especial em 2019, alcançando um patamar de 4,99%a.m.¹
  • Redução de 22,9% na taxa de juros do financiamento habitacional TR em 2019, com novas taxas a partir de 6,75%a.a.²
  • Nova linha de crédito imobiliário indexado ao IPCA, com taxas a partir de 2,95%a.a. + IPCA, representando uma parcela 40% menor em relação ao financiamento indexado à TR.³
  • Mais de R$ 26 bilhões em vendas de ativosem 2019.
  • Revisão da parceria em seguros de vida, previdência e prestamista no valor de R$ 7,8 bilhões, com incremento de 70% em relação à negociação de Nov/18.
  • Mais 10 negociações de parcerias em andamento, sendo 8 no segmento de seguros e 2 no segmento de cartões.
  • Mais 1.000 novos pontos de atendimento serão abertos até mar/20, com presença em todos os 5.570 municípios do Brasil. Atualmente a Caixa está em 5.415. 
  • Contratação de 2.800 novos funcionários, principalmente PcDs.
  • Mais de 43 milhões de pessoas já receberam o saque imediato do FGTS, totalizando R$ 18,4 bilhões, o que representa o maior pagamento da história.

¹ Vigente a partir de 01/12/2019

  ² Vigente desde 06/11/2019       

     ³Iniciado em agosto de 2019

 CHEQUE ESPECIAL

A evolução na margem financeira (47,6%) foi o principal influenciador para os 66,7% de crescimento do lucro líquido em 12 meses. Esse crescimento no lucro também foi possível pelo controle das despesas da CAIXA, que permaneceram estáveis quando comparado ao 3T18.

CAIXA

1. Considera o resultado recorrente

RESULTADOS E INDICADORES DO 3T19

resultado bruto da intermediação financeira atingiu R$16,1 bilhões no 3T19, evolução de 58,1% em relação ao 3T18. A margem financeira apresentou evolução de 47,6% no 3T19, em virtude do crescimento de 109,7% no resultado com TVM e Derivativos, e redução das despesas de captação em 6,6%, quando comparadas ao 3T18.

Destaca-se que a evolução apresentada no resultado com TVM e derivativos nos 9M19, foi decorrente da venda de ações da Petrobras sob titularidade da CAIXA, e da venda de NTN-B, as quais foram reclassificadas da carteira de TVM Categoria III (Títulos Mantidos ao Vencimento) para a Categoria II (Títulos Disponíveis para Venda), que geraram ganhos de R$2,3 bilhões e R$6,9 bilhões antes dos tributos, respectivamente, e foram compensados pelo impairment de R$599 milhões realizados em ativos financeiros.

As receitas com prestação de serviços totalizaram R$6,9 bilhões no 3T19, leve redução em relação a igual trimestre em 2018. No acumulado dos nove primeiros meses de 2019, essas receitas foram de R$20,2 bilhões, estáveis frente ao apurado no 9M18, com destaque para o aumento de 13,7% nas receitas de serviços com fundos de investimento, 3,9% nas receitas de crédito e 3,7% nas receitas com convênios e cobrança bancária para o período.

As despesas administrativas totalizaram R$7,9 bilhões no 3T19, estáveis em relação ao 3T18. Nos primeiros nove meses de 2019, essas despesas foram de R$24,3 bilhões, evolução de 3,4% em relação ao 9M18, impactadas pelo aumento dos pagamentos referentes aos programas de desligamento voluntário.

resultado operacional cresceu 66,1% em comparação com o 3T18, totalizando R$10,9 bilhões no 3T19. No acumulado dos nove primeiros meses de 2019 alcançou R$19,9 bilhões, evolução de 28,2% em relação ao apurado no 9M18, proveniente do aumento do Resultado Bruto de Intermediação Financeira.

retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROE) registrou 14,2% em setembro de 2019, apresentando uma redução de 1,1 p.p. no trimestre, impactado pelo crescimento de 12%, em 12 meses, no saldo do patrimônio líquido médio.

Índice de Eficiência Recorrente alcançou 49,6% no 3T19, alta de 5,1 p.p. em relação ao 3T18, acompanhando a redução do resultado recorrente acumulado em 12 meses. O índice de cobertura das despesas administrativas evoluiu 0,4 p.p. do 3T18 para 3T19 e atingiu 82,5%. O índice de cobertura das despesas de pessoal totalizou 128,2%, redução de 2,7 p.p. em relação ao 3T18.

Índice de Basileia atingiu 20,1%, 9,1 p.p. superior ao mínimo exigido de 11,0%. Os índices de capital principal e de nível I totalizaram 13,7%, mantendo-se acima do mínimo regulatório de 8,0% para o de capital principal, e 9,5% para o índice de capital nível I.

EFICIÊNCIA E REDUÇÃO DE CUSTO DE CAPITAL

Em agosto o Conselho de Administração aprovou a devolução de mais R$ 7,35 bilhões de IHCD, totalizando assim o montante de R$ 10,35 bilhões pagos. A CAIXA está em trâmite de negociação com o regulador para conclusão do pagamento.

Estes pagamentos proporcionarão uma redução de custos de capital para a CAIXA, tendo em vista que parte dos IHCD possui cláusulas de atualização monetária não usuais, referenciadas no resultado da CAIXA.

CARTEIRA DE CRÉDITO AMPLA TOTALIZA SALDO DE R$683,2 BILHÕES

A carteira de crédito ampla da CAIXA fechou com saldo de R$683,2 bilhões em setembro de 2019. Essa carteira reverteu o movimento de queda e apresentou leve crescimento de 0,1% em relação ao 2T19, influenciado principalmente pelos aumentos de 0,9% em habitação, de 2,1% em crédito consignado e de 5,2% em CDC. Contudo, em comparação ao 3T18 a carteira ainda apresenta redução de 1,5%.

A CAIXA, em resposta ao cenário de queda de taxa de juros SELIC e das taxas de juros de longo prazo na economia, e, buscando alinhar-se a essa nova realidade, realizou estudos aprofundados em suas margens e a partir disso, promoveu redução das taxas de juros de seus principais produtos.

Como exemplo disso, a CAIXA reduziu as taxas do cheque especial em 63% em 2019, atingindo um patamar de 4,99%a.m. A nova taxa estará vigente para os clientes a partir de 01/12/19.

PARTICIPAÇÃO DA CAIXA NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO ATINGE 68,9%

A CAIXA manteve a liderança no mercado de crédito imobiliário, com o ganho de 0,2 p.p em 12 meses, totalizando 68,9% de participação. O saldo da carteira de crédito habitacional cresceu 3,6% em 12 meses e chegou a R$456,3 bilhões em setembro de 2019, dos quais R$281,1 bilhões foram concedidos com recursos FGTS e R$175,2 bilhões com recursos CAIXA/SBPE.

Nos nove primeiros meses de 2019, foram contratados na CAIXA R$22,7 bilhões no Programa Minha Casa Minha Vida, o equivalente a 207,3 mil unidades habitacionais. Somente no terceiro trimestre de 2019 foram contratados pela CAIXA R$6,5 bilhões, o equivalente a 58 mil novas unidades habitacionais.

No crédito imobiliário (TR), a CAIXA promoveu a terceira redução de taxa de juros no ano, levando a taxa mínima praticada para 6,75% a.a. e a máxima para 8,50% a.a., queda de 22,9% em 2019 nos juros cobrados nos financiamentos atualizados pela taxa referencial (TR).

A CAIXA disponibilizou, em agosto, uma nova linha de crédito imobiliário com atualização do saldo devedor pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA. Este produto possui taxas de juros reduzidas em relação às médias atualmente praticadas, e permite que mais famílias tenham acesso ao financiamento habitacional, contribuindo para reduzir o déficit de moradias.

A taxa mínima para imóveis residenciais enquadrados nos Sistema Financeiro de Habitação – SFH e Sistema Financeiro Imobiliário – SFI será de IPCA+2,95% a.a. e taxa máxima será de IPCA+4,95% a.a. As taxas já estão vigentes e disponíveis para novos contratos.

O cliente pode optar por esta nova modalidade, que tem a prestação inicial 40% menor que o financiamento corrigido pela Taxa Referencial (TR).

Esse resultado demonstra o direcionamento da CAIXA em relação ao foco negocial com o segmento de habitação, o que reforça sua atuação no setor de crédito imobiliário por meio de recursos da poupança, SBPE e moradia popular.

OPERAÇÕES DE SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA CRESCERAM 1,2% EM 12 MESES

As operações de infraestrutura obtiveram um saldo de R$81,7 bilhões em setembro, redução de 1,7% se comparadas a setembro de 2018. Pela grande relevância e protagonismo que possui, e por estar intrinsecamente ligado ao desenvolvimento econômico nacional, esse segmento está inserido no escopo de atuação estratégica da CAIXA.

CAIXA CRESCE 6,9% NO SALDO DE POUPANÇA E MANTÉM SUA LIDERANÇA NO MERCADO

As captações totais apresentaram saldo de R$976,8 bilhões em setembro de 2019. A poupança apresentou saldo de R$311,5 bilhões, alta de 6,9% em 12 meses, mantendo-se na liderança do mercado, com 38,1% de participação.

Em setembro de 2019, o Banco possuía 81,1 milhões de contas de poupança, incremento de 3,1 milhões de contas em relação ao registrado em setembro de 2018.

As letras imobiliárias, hipotecárias, financeiras e agrícolas totalizaram R$54,1 bilhões, redução de 34,1% em 12 meses e 4,8% no trimestre, em linha com a estratégia da CAIXA em optar por captações menos onerosas.

PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATINGE R$87,1 BILHÕES, 4,9% MAIOR QUE O ANO ANTERIOR

A empresa encerrou o primeiro semestre de 2019 com um patrimônio líquido de R$87,1 bilhões, um incremento de 4,9% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

A variação de R$4,1 bilhões no patrimônio líquido em 12 meses foi decorrente, principalmente, da evolução de 73,2% nos lucros acumulados.

FOCO EM TECNOLOGIA – LANÇAMENTO DO APLICATIVO CAIXA TEM

A CAIXA lançou em outubro o aplicativo financeiro “Caixa Tem”, voltado para mais de 35 milhões de clientes de baixa renda e beneficiários de programas sociais. Em um só aplicativo é possível realizar pagamentos de contas, transferências e consultas aos benefícios sociais relacionados ao FGTS, PIS, Abono Salarial, Bolsa Família e Seguro Desemprego, dentre outros serviços.

Com arquitetura simples e baixo consumo de armazenamento, processamento e de pacote de dados, o App “Caixa Tem” foi desenvolvido para inclusão financeira e ampliação ao acesso dos serviços da CAIXA para as pessoas de baixa renda.

O “Caixa Tem” possui interface intuitiva e acessível, similar a aplicativos de troca de mensagens, facilitando a utilização para todos os clientes. Ele também permite a transferência de recursos com a leitura de QR Code e oferece navegação por comando de voz e leitura das conversas em voz alta.

PAGAMENTO FGTS e PIS

Os pagamentos do saque imediato do FGTS podem resultar em uma liberação de aproximadamente R$40 bilhões para a economia. Mais de 96 milhões de trabalhadores têm direito ao saque dos recursos e até outubro de 2019, cerca de 43,1 milhões de brasileiros já receberam os valores, totalizando R$18,4 bilhões.

No âmbito do PIS, cerca de 10,4 milhões de trabalhadores podem realizar o saque das cotas. Somente no terceiro trimestre foram realizados 540.292 pagamentos, injetando R$423 milhões na economia.

MELHORA DA QUALIDADE DE ATENDIMENTO

No 3T19, a CAIXA melhorou três posições no ranking de reclamações elaborado pelo BACEN, alcançando a inédita 7ª posição no ranking, refletindo a melhoria do atendimento, de produtos e serviços.

NOVO ACORDO CNP – VIDA, PREVIDÊNCIA E PRESTAMISTA

Em setembro, a Caixa Seguridade e a CNP Assurances, revisaram o acordo firmado em novembro de 2018, que define as estratégias de distribuição dos produtos de seguridade (Vida, Previdência e Prestamista) na rede da CAIXA.

Pelo acordo firmado anteriormente, a CNP pagaria o valor de R$4,6 bilhões, sem qualquer cláusula de desempenho (earn-out). Após a revisão, o valor foi ajustado para R$7,0 bilhões e foi incluído mecanismo de incentivo atrelado ao desempenho e lucratividade (earn-out), limitado a R$800 milhões, a serem pagos em duas parcelas, em 2024 e 2026. Com isso, o montante do acordo ficou aproximadamente 70% maior que anterior, de novembro de 2018.

LOTERIAS ARRECADAM R$12,1 BILHÕES COM 21,9% DE AUMENTO SOBRE OS 9M18

As Loterias CAIXA arrecadaram R$12,1 bilhões no 9M19, 21,9% maior que o apurado nos 9M18.

Dentre os valores arrecadados no semestre, cerca de R$4,5 bilhões foram transferidos no período aos programas sociais do Governo Federal nas áreas de seguridade social, esporte, cultura, segurança pública, educação e saúde, o que corresponde a 37,3% do total arrecadado.

Imagem de 5317367 por Pixabay