PUC Minas passa a fazer parte da Cátedra Sérgio Vieira de Mello

A Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) assinou no fim de julho (29) convênio com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), oficializando sua adesão à Cátedra Sérgio Vieira de Mello (CSVM).

Com esta inclusão, já são 22 instituições de ensino superior no Brasil a integrar a cátedra, comprometendo-se a desenvolver ensino, pesquisa e extensão acadêmica voltados à população refugiada e ao tema do deslocamento forçado.

Representantes de ACNUR, PUC Minas e entidades governamentais e da sociedade civil participaram de oficina temática em Belo Horizonte (MG), na qual se formalizou o ingresso da instituição na Cátedra Sérgio Vieira de Mello. Foto: Divulgação

Representantes de ACNUR, PUC Minas e entidades governamentais e da sociedade civil participaram de oficina temática em Belo Horizonte (MG), na qual se formalizou o ingresso da instituição na Cátedra Sérgio Vieira de Mello. Foto: Divulgação

A Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) assinou no fim de julho (29) convênio com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), oficializando sua adesão à Cátedra Sérgio Vieira de Mello (CSVM). Com esta inclusão, já são 22 instituições de ensino superior no Brasil que integram a cátedra, comprometendo-se a desenvolver iniciativas para promover ensino, pesquisa e extensão acadêmica voltados à população refugiada e aos tema do deslocamento forçado.

No campo de ensino e pesquisa da PUC Minas, a temática de proteção dos refugiados está presente no curso de Relações Internacionais, que conta com a disciplina “Migrações e Direito Internacional dos Direitos Humanos”, e no curso de Direito, que oferece a disciplina virtual “Direito Internacional dos Direitos Humanos, nacionalidade, migração e refugiados”.

Já o “Projeto Ler” da universidade é composto por oficinas de leitura e escrita, com jovens refugiados e migrantes, que contribuem para o processo de aprendizado do idioma português e para a melhor inserção social e cultural dessas pessoas na localidade em que vivem.

Ao assinar o acordo, o reitor da universidade, Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães, reafirmou o caráter social da instituição em acolher pessoas refugiadas e solicitantes de refúgio em situação de vulnerabilidade. Essa posição é reforçada pelo diretor do Instituto de Ciências Sociais da PUC Minas, professor Danny Zahreddine, responsável pela coordenação da cátedra na universidade.

“A implantação da cátedra tem contribuído para a ampliação de parcerias dentro da instituição e vai permitir incorporar no processo de atendimento e acompanhamento dos refugiados diversos atores da vida acadêmica, em especial os alunos. Esses terão na cátedra a oportunidade de conhecer e atuar em tema humanitário transversal em diversas áreas da universidade”, afirmou o coordenador.

A importância do ingresso da PUC Minas na CSVM foi enfatizada pelo representante adjunto do ACNUR no Brasil, Federico Martinez, assegurando a relevância da atuação no âmbito acadêmico e de pesquisa da PUC Minas.

“A inclusão da temática da proteção de refugiados e de apátridas por esta instituição em suas atuações agrega ainda mais conhecimentos à Cátedra Sérgio Vieira de Mello e consolida a presença de uma importante instituição de ensino superior no estado de Minas Gerais no atendimento às demandas existentes por parte da população sob o mandato de proteção do ACNUR”, ressaltou Martinez.

O ACNUR implementa a Cátedra Sérgio Vieira de Mello em cooperação com instituições de ensino superior nacionais e com o Comitê Nacional para Refugiados (CONARE) desde 2003. A PUC Minas é a 22ª instituição a aderir à iniciativa e a primeira no estado de Minas Gerais.

A comunidade acadêmica da PUC Minas é formada por 1.700 docentes, 2.900 funcionários e 41.768 alunos vinculados. A graduação oferece 115 cursos ativos e a pós-graduação, 29 cursos, sendo 17 de mestrado e 12 de doutorado.

No que se refere à extensão, a universidade desenvolveu, em 2018, 111 ações, entre programas, projetos, cursos e eventos. Na área de pesquisa, até final do mesmo ano, contava com 278 grupos de pesquisa certificados junto ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) com parcerias nacionais e internacionais que desencadeiam inúmeros estudos e intercâmbios.

ONU