Pesquisa de aluna da Nutrição relaciona prevenção de doenças cardiovasculares ao aleitamento materno

A aluna Juliana Souza, do quarto ano de Nutrição da Universidade de Taubaté (UNITAU), realizou uma pesquisa sobre a importância do aleitamento materno exclusivo, que tem relação direta com a prevenção de doenças cardiovasculares.

O estudo, que foi orientado pela Profa Dra. Jaqueline Girnos Sonati, teve como objetivo inicial verificar a prevalência de obesidade em crianças de cinco a nove anos e 11 meses. Foram avaliados 217 prontuários do Centro de Educação Alimentar e Terapia Nutricional (Ceatenut), da Universidade, entre os anos de 2007 e 2017. “Para realizar a pesquisa, foram coletados os dados dos prontuários de pacientes do Ceatenut, arquivados e ativos. Esses arquivos foram computados e tratados por meio de estatística descritiva, distribuição de frequências e análise de correlações”, explica a estudante.

Entre os resultados encontrados, das 217 crianças avaliadas, 66,82% do total da amostra apresentavam obesidade e obesidade grave. Um dado positivo é que, dessa amostragem, 31,80% das crianças recebeu aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida, tempo recomendado pelo Ministério da Saúde e Organização Mundial da Saúde. “O número de crianças que receberam aleitamento materno foi satisfatório quando comparadas aos dados nacionais e mundiais. Mesmo sendo uma porcentagem boa, ainda está muito abaixo do esperado”, ressalta.

A pesquisa realizada por Juliana foi fomentada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e teve como uma das descobertas mais interessantes a correlação entre o aleitamento materno e a defesa contra problemas no coração e nos vasos sanguíneos, como o colesterol alto. “Conseguimos observar uma associação entre a oferta exclusiva de leite materno por menos de seis meses e o desenvolvimento de dislipidemia na infância. Isso indica que amamentar as crianças durante os seis primeiros meses de vida pode ser considerado um fator protetor contra doenças cardiovasculares”, destaca Juliana.

Juliana ressalta que, a partir de agora, a continuidade de pesquisas na área é de grande importância para consolidar o que foi levantado por ela. “É importante mostrar às mães que o leite materno é o líquido mais precioso e o único alimento necessário para a criança até seus seis primeiros meses de vida, além de continuar sendo fundamental para seu desenvolvimento até os dois anos de vida ou mais, assim como recomendado pela Organização Mundial da Saúde e Ministério da Saúde”, frisa Juliana.

O contato com a pesquisa na graduação foi o ponto de partida para dar continuidade nos estudos sobre o tema. “A Iniciação Científica despertou em mim um interesse ainda maior por pesquisas. Os resultados encontrados e meu amor pelo assunto me incentivam a dar andamento a essa pesquisa e a continuar realizando outros estudos”, finaliza.

Felipe Rodrigues

ACOM/UNITAU

Foto: Felipe Rodrigues/ACOM