Países latino-americanos destacam importância da cooperação na acolhida de venezuelanos

A terceira reunião técnica internacional sobre mobilidade humana de venezuelanos nas Américas (Quito III) foi concluída na quinta-feira (11) com uma declaração que destaca a importância da cooperação internacional e da coordenação, comunicação e articulação entre os governos dos países receptores de refugiados e migrantes na região.

“Os esforços de apoio no nível regional devem ser redobrados em vários aspectos, mas especialmente no contexto da assistência humanitária e na cooperação internacional”, disse Eduardo Stein, representante especial conjunto da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e da Organização Internacional para as Migrações (OIM) para refugiados e migrantes da Venezuela.

Organizações de cooperação internacional e organismos financeiros como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco Mundial participam do processo de Quito. Um tema prioritário identificado foi a necessidade de uma maior cooperação internacional e participação de mecanismos de cooperação financeira.

A terceira reunião técnica internacional sobre mobilidade humana de venezuelanos nas Américas (Quito III) foi concluída na quinta-feira (11). Foto: OIM

A terceira reunião técnica internacional sobre mobilidade humana de venezuelanos nas Américas (Quito III) foi concluída na quinta-feira (11). Foto: OIM

A terceira reunião técnica internacional sobre mobilidade humana de venezuelanos nas Américas (Quito III) foi concluída na quinta-feira (11) com uma declaração que destaca a importância da cooperação internacional e da coordenação, comunicação e articulação entre os governos dos países receptores de refugiados e migrantes na região.

A reunião reconheceu os avanços na atenção a pessoas em situação de vulnerabilidade. Os países participantes reafirmaram seu compromisso com a continuidade do Processo de Quito, e concordaram que a Argentina assumirá o próximo capítulo do processo em Buenos Aires, em julho.

A terceira reunião do Processo de Quito reuniu 14 países latino-americanos, agências das Nações Unidas, organismos de cooperação internacional e bancos de desenvolvimento.

Durante a reunião, foram apresentados resultados do plano de ação adotado anteriormente e se concordou em estabelecer mecanismos de acompanhamento do processo. Além disso, foram analisadas as necessidades de financiamento aos países da região.

A reunião de Quito III permitiu fazer um balanço positivo dos mecanismos de permanência regular, e os países concordaram em continuar trabalhando na troca de boas práticas com o objetivo de fortalecer a proteção da população venezuelana no nível regional.

“Os esforços de apoio no nível regional devem ser redobrados em vários aspectos, mas especialmente no contexto da assistência humanitária e na cooperação internacional”, disse Eduardo Stein, representante especial conjunto da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e da Organização Internacional para as Migrações (OIM) para refugiados e migrantes da Venezuela.

“É fundamental proporcionar a inclusão social-laboral dos refugiados e migrantes venezuelanos para que acessem o trabalho formal sem exploração laboral de venezuelanos e sem uma queda de salários para os cidadãos nacionais das comunidades receptoras”, disse Diego Beltrand, diretor regional da OIM para a América do Sul.

Organizações de cooperação internacional e organismos financeiros como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco Mundial participam do processo de Quito. Um tema prioritário identificado foi a necessidade de uma maior cooperação internacional e participação de mecanismos de cooperação financeira.

“A cooperação internacional é chave para poder responder ao deslocamento massivo de pessoas venezuelanas”, disse José Samaniego, coordenador regional do ACNUR para a situação da Venezuela. Além disso, completou: “agradecemos todos os doadores e parceiros estratégicos que estão nos acompanhando neste processo”.

Entre os representantes da cooperação internacional, esteve presente Nancy Izzo Jackson, secretária de Estado Adjunta para o Escritório de População, Refugiados e Migração dos Estados Unidos.

A reunião faz parte de um processo iniciado com o primeiro encontro de Quito em setembro de 2018, no qual se analisou a situação humanitária das pessoas venezuelanas em movimento na região. Na segunda reunião de Quito (novembro do ano passado), foi aprovado um plano de ação com o apoio das organizações do Sistema ONU. O passo seguinte do processo ocorrerá em Buenos Aires, em 4 e 5 de julho.

Gostou, Compartilhe!
Show Buttons
Hide Buttons