Os 7 pecados capitais nos relacionamentos

“Quando nos relacionamos, existem certas atitudes que são extremamente tóxicas”, lembra Camilla Couto, orientadora emocional para mulheres com foco em relacionamentos. Ela explica: “muitas vezes, desejamos ter uma relação saudável, mas inconscientemente agimos de forma oposta. Conhecer como os 7 pecados capitais agem nos relacionamentos pode ajudar a ficar mais desperta e agir de forma mais autônoma e coerente com aquilo que você quer”. Veja quais são essas 7 atitudes que, segundo Camilla, precisam ser banidas para que suas relações sejam mais equilibradas e saudáveis:

PREGUIÇA

“Muitas vezes, temos preguiça de ouvir o outro, de prestar atenção no que ele deseja, de enxergar as necessidades reais dele. Relacionar-se, envolve amor e atenção, portanto, além de corações, pede ouvidos e olhos sempre bem abertos. Negligenciar o universo de quem nos relacionamos diariamente pode matar, pouco a pouco, a sinergia do casal. Da mesma forma, ter preguiça de propor coisas novas, de renovar o dia a dia, de buscar atividades diferentes e de quebrar a rotina pode ser mortal”.

GULA

“A gula é a arte de não deixar nada para o outro, querer tudo para si. Esse tipo de artista se acha o centro do universo e do relacionamento, só enxerga o seu lado, só prioriza suas próprias necessidades. Esquece que relacionamento é feito por dois e que o receber é consequência do dar. Outra forma de ser guloso no relacionamento é não querer dividir o parceiro com ninguém – nem com a família, nem com os amigos e nem com o trabalho. Essa situação sufoca o outro, saturando o dia a dia e quebrando a harmonia da relação”.

IRA

“Quem não sabe perdoar as mancadas do parceiro, não tem paciência com o tempo do outro e se irrita facilmente com o comportamento alheio, certamente está longe do amor. Quem ama se mostra aberto para o outro, compreende e acolhe as imperfeições, sente alegria na troca – e não se coloca sempre pronto a atacar. Quem age dessa forma precisa rever seus sentimentos. A Ira também se mostra nas pequenas vinganças, em quem encontra na atitude do parceiro uma justificativa para devolver na mesma moeda”.

LUXURIA

“Sexo é uma parte importante e saudável de um relacionamento amoroso, mas certamente não é tudo. Quem fica com alguém somente pelo sexo ou usa o sexo para ter poder sobre o outro peca. Peca por negligenciar uma parte da relação tão importante quanto o sexo: a conexão emocional. Da mesma forma, peca quem busca sexo fora do relacionamento, caso a fidelidade seja o código de conduta acordado pelos dois”.

SOBERBA

“Achar-se a dona (ou o dono) da verdade ou superior não ajuda ninguém nos relacionamentos. Pelo contrário, afasta as pessoas, que não conseguem encontrar lugar para suas próprias ideias e opiniões. Numa relação, quando uma das partes acredita que está sempre com a razão e que tudo tem que ser do jeito dela, a consequência pode ser bem desastrosa. Diminuir ou culpar o outro para ficar bem na fita também é um pecado dos grandes. Relacionamento é parceria entre dois iguais. Se um se acha melhor, tem algo errado”.

INVEJA

“É redundante dizer o quanto a inveja pode ser nociva em uma relação, já que vai totalmente contra o conceito de companheirismo. Amar é comemorar a vitória do outro e apoiá-lo nos momentos de derrota. Não é sobre quem se sai melhor, não é competição e, muito menos, sobre cobiçar aquilo que o parceiro conquistou de bom. Quando invejamos o sucesso ou a felicidade do outro, iniciamos um processo autodestrutivo que pode acabar rapidamente com o relacionamento”.

AVAREZA

“Ser avarento é ser mesquinho, é negar se doar. Quem é assim, escolhe guardar tudo para si ou dentro de si e, então, nega carinho, amor, elogios, tempo livre. Esse tipo de pessoa, fica muito atenta ao que recebe, mas não conseguir dar. E aí, vale relembrar: relacionamento é troca, parceria, equilíbrio – o que se torna extremamente difícil quando um segura os sentimentos e se nega a doar amor”.

E aí, se identificou com algum dos sete pecados capitais nos relacionamentos? Não se culpe! A boa notícia é que relacionamento saudável é sempre questão de autoconhecimento. Segundo Camilla, quando nos permitimos, sem julgamentos autodestrutivos, questionar nossos padrões de comportamento, tornamo-nos capazes de buscar atitudes mais equilibradas e condizentes com o verdadeiro amor – que tem em vista a felicidade e as necessidades de ambas as partes.

Saiba mais: www.amarildas.com.br

 

Sobre Camilla Couto

Camilla Couto é Orientadora Emocional para Mulheres, com foco em Relacionamentos. Criadora/ autora do Blog das Amarildas e fundadora do PAR – Programa Amarildas de Relacionamentos. Orientadora emocional, Terapeuta Floral (TF-153-17/SP) e Contoterapeuta, viveu durante 8 anos no exterior conhecendo diferentes culturas e comportamentos. No blog amarildas.com.br, compartilha seus estudos sobre amor, relacionamentos e dependência emocional – com o propósito de promover mais entendimento sobre esses temas e de incentivar as mulheres a se amarem e valorizarem cada vez mais.

 

Mais informações

Camilla Couto | www.amarildas.com.br | amarildasblog@gmail.com

 

Fonte: Blog das Amarildas

Divulgação
Gostou, Compartilhe!
Show Buttons
Hide Buttons