ONU pede que países incorporem ações climáticas em planos de recuperação da pandemia

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu aos governos que incorporem ações climáticas significativas em todos os aspectos da recuperação da pandemia de COVID-19.

Guterres delineou seis ações positivas para o clima para uma recuperação sustentável, incluindo o investimento em empregos verdes; não resgatar indústrias poluentes; acabar com os subsídios aos combustíveis fósseis; contabilizar o risco climático em todas as decisões financeiras e políticas; trabalharmos juntos; e – o mais importante – não deixar ninguém para trás.Sistema de energia solar na Eritreia alimenta duas cidades rurais e aldeias vizinhas. Foto: PNUD Eritrea/Elizabeth Mwaniki

Sistema de energia solar na Eritreia alimenta duas cidades rurais e aldeias vizinhas. Foto: PNUD Eritrea/Elizabeth Mwaniki

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu aos governos que incorporem ações climáticas significativas em todos os aspectos da recuperação da pandemia de COVID-19.

Dirigindo-se aos ministros em uma reunião virtual sobre recuperação sustentável da pandemia nesta quinta-feira (3), o chefe da ONU disse que o mundo está enfrentando duas crises urgentes: COVID-19 e mudanças climáticas.

“Vamos enfrentar as duas e deixar as gerações futuras com a esperança de que este momento seja uma verdadeira virada para as pessoas e para o planeta”, disse ele, em uma mensagem de vídeo.

A reunião ministerial, convocada pelo governo do Japão, contou com a participação de altos funcionários de vários países, bem como representantes de grupos de jovens, organizações da sociedade civil, empresas e governos locais.

Paralelamente, foi lançado um portal online que mostra as políticas de clima e meio ambiente e as ações de recuperação da COVID-19.

A Plataforma para Redesenho 2020 ajudará a criar impulso para a COP26, a conferência da ONU que avalia o progresso no tratamento das mudanças climáticas, a ser realizada em 2021.

Energias renováveis são mais baratas e eficientes

O secretário-geral delineou seis ações positivas para o clima para uma recuperação sustentável, incluindo o investimento em empregos verdes; não resgatar indústrias poluentes; acabar com os subsídios aos combustíveis fósseis; contabilizar o risco climático em todas as decisões financeiras e políticas; trabalharmos juntos; e – o mais importante – não deixar ninguém para trás.

Guterres falou da mudança promovida por governos e empresas, percebendo que a energia limpa traz mais empregos, ar mais limpo, melhor saúde e crescimento econômico mais forte.

“Os maiores investidores mundiais – incluindo alguns no Japão – estão abandonando os combustíveis fósseis porque as energias renováveis ​​são mais baratas e mais eficientes”, continuou ele.

“Eles entendem que não faz sentido econômico queimar dinheiro em usinas de carvão que logo se tornarão ativos perdidos.”

O chefe da ONU também exortou todos os países, especialmente os membros do G20 – o grupo das principais nações industrializadas – a se comprometerem com a neutralidade de carbono antes de 2050.

Ele os exortou a apresentar contribuições nacionalmente determinadas (NDCs) “mais ambiciosas” e de longo prazo estratégias antes da COP26, alinhadas com o objetivo de limitar o aumento da temperatura a 1,5 grau Celsius.

Japão pode liderar

Reconhecendo o desenvolvimento tecnológico do Japão em muitos campos, o secretário-geral disse que o país pode se tornar um líder mundial na recuperação sustentável e resiliente.

Ele pediu ao Japão que pare de investir em usinas de carvão e aumente sua participação nas energias renováveis.

“Espero sinceramente que o Japão acabe com o financiamento externo de usinas a carvão, se comprometa com a neutralidade de carbono antes de 2050, estabeleça uma transição para o uso doméstico de carvão e aumente significativamente a parcela de energia renovável”, disse Guterres.

Janela de oportunidade

Também falando na reunião, Patricia Espinosa, secretária-executiva da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), disse que a convergência da COVID-19 com a crise climática proporcionaram uma janela de oportunidade, não apenas para se recuperar da pandemia, mas também para construir um futuro melhor.

Ela pediu aos governos que abandonem infraestruturas intensivas em carbono. Isso ajudaria a reduzir as emissões nas próximas décadas.

“Prevenir a propagação do coronavírus tem sido a abordagem mais eficaz para a pandemia, portanto, prevenir as emissões futuras é a abordagem mais eficaz para lidar com a mudança climática”, disse ela.

Destacando a importância de um esforço global coordenado, ela exortou todos a “abraçar a força do multilateralismo” para se recuperar da COVID-19, fazer progressos na agenda de mudança climática e construir um futuro mais sustentável.

Agenda de cinco pontos para o G20

Falando em uma reunião de emergência dos ministros das Relações Exteriores do G20 sobre a crise da COVID-19, Guterres observou que a pandemia forçou “bloqueios sem precedentes, suspensões de viagens e movimento limitado através das fronteiras”, acrescentando que “crescem as preocupações de que algumas das restrições de movimento atuais possam durar a crise imediata.”

Ele sinalizou “cinco áreas de foco” para a discussão, instando primeiro que busquem um acordo sobre critérios objetivos comuns em relação à remoção das restrições de viagem, com base em evidências científicas.

Em segundo lugar, o chefe da ONU pediu “investimentos em sistemas e práticas que apoiem viagens seguras – em estreita coordenação com o setor privado”.

Em terceiro lugar, ele pediu uma melhor coordenação em medidas preventivas – “em particular, o uso mais sistemático de testes e rastreamento e outras ações comprovadas para evitar a propagação do vírus e permitir o controle efetivo dos impactos potenciais do aumento da mobilidade”.

Em seguida, ele destacou a importância do respeito total pelos direitos humanos internacionais e pela lei dos refugiados, e também pediu um acordo para que as vacinas futuras sejam consideradas um bem público global para estar “disponível e acessível em todos os lugares, apoiando a saúde global, a mobilidade global e a recuperação econômica global.”

“Todas as ações devem reconhecer a defesa da dignidade humana como princípio orientador das políticas transfronteiriças.”

Juntos na mesma direção

Ele disse que há “um longo caminho a percorrer” em duas frentes principais: “primeiro, em nossa capacidade de lutarmos juntos contra a pandemia. Vimos os resultados quando cada país segue sua própria estratégia, com o conselho da Organização Mundial da Saúde (OMS) sendo amplamente desconsiderado.”

“Quando os países vão em direções diferentes, o vírus vai em todas as direções”, acrescentou.

“Em segundo lugar, ainda falta solidariedade internacional efetiva para responder aos impactos econômicos e sociais e às fragilidades subjacentes expostas pela pandemia.”

Ele disse que, mais do que nunca, a solidariedade internacional efetiva é a chave – “e uma ação do G20 combinada – para fazer avançar essas áreas prioritárias e construir um mundo mais inclusivo, resiliente e sustentável para todos”.

ONU

Instagram