Ocupação tem leve aumento no Estado de São Paulo

De acordo com estudo elaborado pela Fundação Seade, com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), no Estado de São Paulo em outubro houve criação de 11.727 empregos formais no Estado de São Paulo, com ampliação de 0,1%, similar à ocorrida no Brasil (0,2%).

No ano, o saldo no estado foi de mais 263.747 empregos, o que corresponde a 31,3% dos postos de trabalho gerados no país (841.589 empregos).

Por setor de atividade, em outubro, houve variação positiva no comércio (9,2 mil postos de trabalho), nos serviços (8,9 mil postos) e na construção (2,3 mil). Foram registrados decréscimos na agropecuária (-7,3 mil) e na indústria de transformação (-1,6 mil).

Na comparação com outubro de 2018, dos 170 mil novos empregos gerados no Estado de São Paulo, 76 mil foram na capital, 28 mil nos demais municípios da RMSP e 20 mil na Região Administrativa de Campinas.

Quanto às informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, do IBGE, para o Estado de São Paulo, no 3º trimestre, o nível de ocupação aumentou em relação ao trimestre anterior (228 mil, ou 1,0%) e em relação ao mesmo trimestre de 2018 (599 mil, ou 2,7%).

No total de 22,7 milhões de pessoas ocupadas, 29,3% representam ocupações sem contribuição à Previdência. Nessa situação houve aumento de 295 mil pessoas em relação ao trimestre anterior e 342 mil em relação a igual período de 2018.

O rendimento médio dos ocupados com carteira assinada do setor privado, em agosto, foi de R$ 2.717, enquanto para os sem carteira assinada registrou R$ 2.169. Para os trabalhadores por conta própria, os rendimentos atingiram R$ 2.307.

Foto:Marcello Casal/Agência Brasil

Fundação Seade