No inverno, transplantados ficam mais suscetíveis a infecções graves

Com as temperaturas mais baixas nos meses de inverno, os pacientes transplantados precisam ficar mais atentos à saúde. Por causa do uso de medicamentos para evitar a rejeição dos órgãos, as defesas do sistema imunológico diminuem e aumenta o risco de infecções como gripes, resfriados e pneumonias.

De acordo com o hepatologista Carlos Baía, com o clima mais frio ocorre um aumento da circulação de doenças infecciosas, principalmente respiratórias.

“É essencial lavar as mãos e manter a casa e o local de trabalho sempre limpos. Nesta época, orientamos para que evitem locais fechados, com grandes aglomerações, para impedir o surgimento de infecções graves”, enfatiza o especialista.

Os transplantados também devem atualizar sua carteira de vacinação para que sejam imunizados principalmente contra o vírus da gripe A H1N1 e outros vírus Influenza como o A (H3N2).

“É necessário que o paciente procure seu médico e solicite informações sobre quais vacinas devem ser atualizadas, pois as aplicações variam conforme cada caso”, reforça o nefrologista responsável pelo transplante renal, Diogo Medeiros.

Veja os cuidados para os transplantados no inverno

– Evite contato com pessoas que estejam com sintomas de gripe;

– Lave as mãos com água e sabão ao entrar em sair de locais públicos como metrô, ônibus e restaurantes. Repita o gesto em todos os ambientes, no trabalho ou em casa, diversas vezes ao dia;

– Alimente-se bem, adotando uma dieta rica em frutas, verduras e legumes;

– Ao sentir-se resfriado, procure um médico com urgência. Evite que a doença fique mais forte ao longo dos dias;

– Procure evitar lugares com grande concentração de pessoas em lugares fechados, como ônibus, metrô, cinemas etc;

– Evite ambientes climatizados. Tanto no trabalho como em casa, evite o uso de aquecedores ou aparelhos de ar-condicionado;

– Procure hidratar-se bem, ingerindo água e sucos de frutas.

Imagem de Free-Photos por Pixabay