Minas registra a 5ª maior geração de empregos formais no país em março

Minas Gerais registrou no mês de março a 5ª maior geração de postos de trabalho no país. No mês passado, foram criadas no estado 5.163 vagas de emprego formal, ficando atrás apenas de Alagoas (9.636), São Paulo (8.007), Rio de Janeiro (6.986) e Pernambuco (6.286). A pior geração de empregos ficou com o Amapá (48). O saldo negativo no país no mesmo período foi de 43.196 empregos com carteira assinada. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia.

Em Minas Gerais, o saldo de empregos formais em março ficou positivo em relação a janeiro deste ano, quando foram criadas 1.492 vagas de emprego, mas recuou na comparação com o mês passado (26.016 postos de trabalho) e com março de 2018 (14.149).

​Por setor de atividade econômica, a agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura garantiram a maior geração de postos de trabalho no estado no mês passado, com a criação de 4.633 vagas de emprego. Na sequência veio educação (1.735), indústria de transformação (1.682), transporte, armazenagem e correio (1.096), saúde humana e serviços sociais (894) e informação e comunicação (608).Em Minas Gerais, o saldo de empregos formais em março ficou positivo em relação a janeiro deste ano, quando foram criadas 1.492 vagas de emprego, mas recuou na comparação com o mês passado (26.016 postos de trabalho) e com março de 2018 (14.149).

Dentro do segmento de agricultura, que garantiu o bom desempenho na geração de empregos formais em março, a produção de sementes certificadas liderou as contratações (2.287 vagas), seguida por cultivo de plantas de lavoura temporária (1275), atividades de apoio à agricultura (1143) e montagem de instalações industriais e de estruturas metálicas (1076).

No mesmo período, no entanto, as piores retrações no emprego formal foram verificadas nos segmentos de comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (-4.927), atividades administrativas e serviços complementares (-898), água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação (-631) e alojamento e alimentação (-375).

Garantia da empregabilidade

Em Minas Gerais, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese) tem procurado ampliar a empregabilidade de trabalhadores nos 133 postos do Sistema Nacional de Emprego (Sine). Uma das iniciativas implementadas foi o programa Busca Ativa de vagas, que assegura a ampliação e captação de oportunidades de emprego e a intermediação de mão de obra.

O programa identifica setores da economia e empresas com probabilidade de oferta de vagas, por meio do movimento de trabalhadores admitidos e desligados do Caged e de dados cadastrais de pessoas jurídicas contribuintes do ICMS no Estado.

A partir do cruzamento desses dados, são produzidos boletins mensais com informações sobre o mercado de trabalho e uma lista de empresas que podem vir a contratar. Esse material é enviado aos postos do Sistema Nacional de Emprego (Sine) e Unidade de Atendimento Integrado (UAI). Com os relatórios em mãos, as equipes destas unidades vão em busca das oportunidades de trabalho identificadas, potencializando assim a geração de emprego nos municípios ou regiões.

Agência Minas Gerais

Carlos Alberto/Imprensa MG