Médicos-veterinários dão 9 dicas para cuidar dos pets na primavera

A estação das flores chegou e com ela dias ensolarados, vegetação exuberante e temperaturas ligeiramente elevadas. Beleza à parte, na primavera – época de poucas chuvas e do frequente incômodo da baixa umidade relativa do ar – a saúde merece atenção. Os passeios ao ar livre são uma ótima pedida e, certamente, seu pet pode ser a companhia ideal, mas nessas condições é preciso cuidado com o bem-estar de seu animalzinho.

“É tempo de reprodução e de farta alimentação à maioria das espécies animais, contudo, as interações humanas modernas têm determinado circunstâncias deteriorantes do equilíbrio nesta época – poluição do ar, concentração populacional, desmatamento, redução de áreas verdes, uso ampliado de inseticidas –, cujos efeitos são perceptíveis nas reações orgânicas e patológicas que se apresentam cada vez mais extensas”, enfatiza o médico-veterinário Professor Doutor Carlos Augusto Donini, presidente da Comissão Técnica de Políticas Públicas do CRMV-SP.

De acordo com Donini, nesse cenário surgem as alergias respiratórias, que, quando associadas à baixa umidade, favorecem as infecções oportunistas, sendo que os felinos são mais suscetíveis que os cães. Temperaturas médias elevadas sem chuvas permitem e determinam que micro-organismos patogênicos também se multipliquem nos alimentos e nos depósitos de água mal manipulados e higienizados.

“Cada indivíduo, segundo raça, idade, cor e manejo, demanda condições de conforto específicas e o médico-veterinário é o melhor consultor para levá-lo à condição saudável”, afirma, lembrando que o calor induz à maior frequência de banho e tosa de cães e gatos, que em excesso pode provocar lesões de pele, coceira intensa e manchas.

Outro agravante desta estação do ano é a alta incidência de pulgas, pernilongos e os temidos carrapatos, que são responsáveis pela transmissão de vários tipos de doenças graves e letais quando não diagnosticadas e tratadas a tempo. Além de serem zoonoses – transmissíveis ao ser humano –, cada uma delas tem tratamento diferente e são passadas apenas pelas picadas do carrapato e não entre os cães.  

Como destaca a médica-veterinária Carolina Saraiva Filippos, da Comissão Técnica de Clínicos de Pequenos Animais do CRMV-SP, durante a primavera, cães e gatos costumam sair mais e, consequentemente, podem sofrer de alergia ao pólen e com intoxicação por ingestão de adubo ou plantas tóxicas, comuns em parques e jardins, como azaleia, bico-de-papagaio, comigo-ninguém-pode, crisântemo, dama da noite, lírio, entre outras. É importante também ter todo cuidado com abelhas e formigas, cuja picada também pode ocasionar crises alérgicas. A estação aumenta ainda o risco de leptospirose.

Independente dos riscos que cada estação possa trazer aos animais, os cuidados com seu pet devem ser sempre individualizados. “As plantas da casa devem ser escolhidas com cautela e, se possível, com a ajuda de profissional. A prevenção de parasitas e a vacinação devem estar sempre em dia e a pelagem deve ser escovada com frequência e tosada para facilitar a troca. Caso haja sinal de alergia, levar imediatamente ao médico-veterinário de sua confiança que irá indicar o tratamento de acordo com a causa e a gravidade do caso”, ressalta Carolina.

Pet

Confira as dicas e recomendações para a estação:

1 – Mantenha o conforto térmico e respiratório dos animais em ambientes frescos, arejados, com redução de uso de desinfetantes concentrados e perfumados, redução de panos e tapetes (que devem ser expostos ao sol sistematicamente);

2 – Deixe a disposição do pet água fresca e renovada;

3 – Evite exposição de alimentos por mais de duas horas (recolha ou descarte-os);

4 – Não use perfumes nos animais, nem odorizantes ambientais;

5 – Mantenha rígido controle dos insetos e parasitas. Use produtos repelentes e parasiticidas sistêmicos (orais ou transdérmicos), com critério e sob supervisão médica-veterinária;

6 – Não deixe que seu pet frequente espaços com vegetação – grama ou mato –, com mais de 10 cm de altura e que não esteja exposta ao sol;

7 – Inspecione os animais – entre dedos, pescoço, virilha e cauda – ao retornar de passeios ou viagens;

8 – Não deixe plantas tóxicas (azaleia, bico-de-papagaio, comigo-ninguém-pode, crisântemo, dama da noite, lírio, samambaia, entre outras) ao alcance dos pets;

9 – Busque sempre orientação de manejo de seu animal com seu médico-veterinário e busque o profissional sempre que o pet apresentar alterações de saúde ou de comportamento.

CRMV-SP

O CRMV-SP tem como missão promover a Medicina Veterinária e a Zootecnia, por meio da orientação, normatização e fiscalização do exercício profissional em prol da saúde pública, animal e ambiental, zelando pela ética. É o órgão de fiscalização do exercício profissional dos médicos-veterinários e zootecnistas do estado de São Paulo, com mais de 38 mil profissionais ativos. Além disso, assessora os governos da União, estados e municípios nos assuntos relacionados com as profissões por ele representadas.

Imagem de Mylene2401 por Pixabay