Marcelo Gordo toma posse como desembargador do TJSP

Solenidade aconteceu no Salão do Júri.

        Em posse solene realizada ontem (3), o magistrado Marcelo Coutinho Gordo assumiu o cargo de desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo. A sessão aconteceu no Salão do Júri do Palácio da Justiça, sede do Poder Judiciário paulista, conduzida pelo vice-presidente do TJSP, desembargador Artur Marques da Silva Filho, que representou o TJSP. O mais novo integrante da Corte foi conduzido ao plenário pelo desembargador Eros Piceli, orador em nome do Tribunal. Prestou compromisso e recebeu o Colar do Mérito Judiciário, conferido aos desembargadores.

        Após a condecoração, o magistrado foi agraciado com discurso de Eros Piceli, amigo de longa data dos pais de Marcelo Coutinho Gordo – o desembargador Milton Gordo e Carolina Cristina Gordo. “Hoje é um dia de festa, um dia de celebração. Para mim, é motivo de muito orgulho e satisfação ter sido escolhido para recepcionar Marcelo neste Tribunal. É oportuno lembrar, neste momento, que a sociedade se mantém, em boa parte, pelo trabalho do Poder Judiciário, que no julgamento dos processos permite a essa mesma sociedade um ambiente de segurança, civilidade e paz social. Desembargador Marcelo Coutinho Gordo, meu amigo e colega, meu desejo sincero é que você continue a trilhar a vida de magistrado com a seriedade que lhe é peculiar, com a satisfação pelo trabalho e, sobretudo, que seja muito feliz”, declarou.

        Em seguida, Marcelo Gordo agradeceu aos colegas e falou da alegria em alcançar o mais alto grau da carreira. “Hoje vim falar sobre agradecimento. Por uma jornada que se iniciou aqui, neste mesmo salão, há quase 30 anos, quando jurei bem cumprir os deveres da Magistratura em minha posse como juiz. Jornada que me levou a Araçatuba, Eldorado Paulista, Fernandópolis e me trouxe de volta à Capital”, disse. O empossado também fez questão de falar sobre grandes homens que marcaram sua vida pessoal e profissional: “Depois que assumi a Magistratura não tive propriamente uma carreira acadêmica. Numa linguagem mais poética, posso dizer que minha academia foi aqui mesmo neste Tribunal, e que, mais do que professores, tive exemplos. E exemplos não se aposentam, não morrem. Falo, por fim, dos dois maiores exemplos que tive, meu padrinho, desembargador Laerte Nordi, que hoje optou pela reclusão, e que influenciou não só a mim como a todos que com ele conviveram, e o maior exemplo de todos, meu pai Milton Gordo. Ele foi minha inspiração para ser juiz e meu norte durante toda a carreira”, finalizou.

        O vice-presidente do TJSP, desembargador Artur Marques da Silva Filho, encerrou a sessão agradecendo a oportunidade de poder contar com a amizade de todos os que compareceram à solenidade para prestigiar Marcelo Gordo. “Hoje estamos diante de um destes magistrados que, após quase 30 anos de judicatura em primeiro grau, por merecimento, ascende ao órgão de cúpula do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Seja feliz nesta nova fase, mantendo a excelência na prestação jurisdicional”, finalizou o vice-presidente da Corte paulista. Finda a cerimônia, o empossado recebeu cumprimentos dos convidados.

        Prestigiaram a solenidade o secretário de Estado da Justiça e Cidadania, Paulo Dimas Debellis Mascaretti, representando o governador; o corregedor-geral da Justiça, desembargador Geraldo Francisco Pinheiro Franco; o presidente do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, desembargador Carlos Eduardo Cauduro Padin; o presidente da Seção de Direito Público do TJSP, desembargador Getúlio Evaristo dos Santos Neto; o presidente da Seção de Direito Criminal do TJSP, desembargador Fernando Antonio Torres Garcia; o ministro do Supremo Tribunal Federal Sydney Sanches; o vice-presidente do TRE e corregedor Regional Eleitoral, desembargador Waldir Sebastião de Nuevo Campos Júnior; a subprocuradora-geral de Justiça de Integração e Relações Externas, Lídia Helena Ferreira da Costa dos Passos, representando o procurador-geral de Justiça de São Paulo; a defensora pública coordenadora do Núcleo de Segunda Instância e Tribunais Superiores, Luciana Jordão da Motta Armiliato de Carvalho, representando o defensor público-geral do Estado de São Paulo; o diretor da Escola Paulista da Magistratura, desembargador Francisco Eduardo Loureiro; o ex-presidente do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, desembargador Mário Devienne Ferraz; o ex-presidente da Seção de Direito Público, desembargador Ricardo Mair Anafe; o ex-vice-presidente do TJSP e ex-presidente de TRE, desembargador Marco César Müller Valente; o ex-vice-presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador José Gaspar Gonzaga Franceschini; o ex-corregedor-geral da Justiça de São Paulo, desembargador Maurício da Costa Carvalho Vidigal; a vice-presidente da Associação Paulista de Magistrados, juíza Vanessa Ribeiro Mateus, representando o presidente; o 2º promotor de Justiça do Juizado Especial Criminal e 1º secretário da Associação Paulista do Ministério Público, Pedro Eduardo de Camargo Elias, representando o presidente; Vinicius Bairão Abrão Miguel, representando o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção São Paulo; o conselheiro nato do Instituto dos Advogados de São Paulo, José Horácio Halfeld Rezende Ribeiro, representando o presidente; o 2º tesoureiro da Associação dos Advogados de São Paulo, Rogério de Menezes Corigliano, representando o presidente; os pais do desembargador Marcelo Gordo, desembargador Milton Gordo e Carolina Cristina Gordo; os filhos do empossado Ana Clara Gordo e Leonardo Coutinho Gordo; além de magistrados, integrantes do Ministério Público, defensores públicos, advogados, familiares, servidores da Justiça e amigos do empossado.      

        Trajetória – Marcelo Coutinho Gordo nasceu na capital paulista, em 1965. Graduado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), turma de 1988, foi escrevente do TJSP de 1985 a 1989. Ingressou na Magistratura em março de 1990, sendo nomeado para a 36ª Circunscrição Judiciária, com sede em Araçatuba. Também judicou nas comarcas de Eldorado Paulista e Fernandópolis. Em 1992, foi promovido ao cargo de juiz auxiliar da Capital e, em 2005, promovido para a 4ª Vara da Família e das Sucessões. Em 2012, foi removido ao cargo de juiz substituto em 2º grau. Assume o posto decorrente da aposentadoria do desembargador Paulo Roberto de Santana.

        Comunicação Social TJSP – AA (texto) / AC (fotos)

TJSP