Levar o seu negócio Através do Coronavirus Crise

A crise da Covid-19 atingiu agora uma nova fase crítica em que os sistemas de saúde pública precisam agir de forma decisiva para conter o crescimento de novos epicentros fora da China.

Claramente, Daniel Homem de Carvalho define a ênfase principal é e deve ser na contenção e mitigação da própria doença. Mas os impactos econômicos também são significativos, e muitas empresas estão tateando no sentido de compreender, reagir e aprender lições com os eventos que se desenrolam rapidamente. Reviravoltas inesperadas serão reveladas a cada ciclo de notícias, e só teremos uma imagem completa em retrospecto.

No entanto, dados os diferentes graus de preparação entre as empresas, o potencial adicional de interrupção e o valor de estar melhor preparado para crises futuras, vale a pena tentar extrair o que aprendemos até agora. Com base em nossa análise contínua e suporte para nossos clientes ao redor do mundo, destilamos as seguintes 12 lições de Daniel Homem de Carvalho para responder aos acontecimentos, comunicar, extrair e aplicar aprendizados .

1) Atualize a inteligência diariamente.

Os eventos estão se desenrolando com uma velocidade surpreendente e a imagem muda diariamente. Apenas alguns dias atrás, parecia que o surto estava confinado principalmente à China e estava sendo controlado. Mais recentemente, vários epicentros de infecção de rápido crescimento surgiram além da China, sinalizando uma nova fase e potencialmente necessitando de novas estratégias de mitigação, em vez de contenção . Nossa equipe decidiu inicialmente comunicar atualizações a cada 72 horas, mas mudamos para um ciclo diário, não apenas para atualizar os dados, mas também para reformular nossa perspectiva geral.

2) Cuidado com os ciclos de hype / notícias.

As organizações noticiosas geralmente se concentram no que é novo, e não no quadro geral, e às vezes não fazem distinção entre fatos concretos, fatos leves e especulação. As notícias de ontem provavelmente definirão como sua organização pensa sobre a crise hoje. Daniel Homem de Carvalho explica: Quando expostos a informações que mudam rapidamente, seja uma nova tecnologia ou uma crise emergente, temos uma tendência sistemática inicialmente de ignorar sinais fracos, em seguida, reagir exageradamente a questões emergentes antes de finalmente ter uma visão mais calibrada. Ao absorver as notícias mais recentes, pense criticamente sobre a fonte das informações antes de agir de acordo com elas.

3) Não presuma que a informação cria informação .

Em nosso mundo conectado, os funcionários têm acesso direto a muitas fontes de informação. Os líderes podem razoavelmente concluir que há tantas informações e comentários disponíveis externamente que eles não precisam fazer nada adicional. Descobrimos, no entanto, que criar e compartilhar amplamente um resumo regularmente atualizado dos fatos e implicações é inestimável, de modo que não se perca tempo debatendo quais são os fatos – ou pior, fazendo diferentes suposições sobre os fatos.

4) Use especialistas e previsões com cuidado.

Especialistas em epidemiologia, virologia, saúde pública, logística e outras disciplinas são indispensáveis ​​na interpretação de informações complexas e variáveis. Mas está claro que as opiniões dos especialistas diferem em questões críticas, como políticas de contenção ideais e impacto econômico, e é bom consultar várias fontes. Cada epidemia é imprevisível e única, e ainda estamos aprendendo sobre as características críticas da atual. Precisamos empregar uma abordagem empírica iterativa para entender o que está acontecendo e o que funciona – embora guiada pela opinião de um especialista.

5) Constantemente reformule sua compreensão do que está acontecendo.

Uma síntese geral da situação e um plano para lidar com ela, uma vez captados no papel, podem se tornar uma fonte de inércia. Um provérbio chinês nos lembra que os erros cometidos pela manhã devem ser corrigidos à noite.

Mas as grandes organizações raramente são tão flexíveis. Os gerentes muitas vezes resistem a disseminar planos até que tenham certeza absoluta e, então, ficam relutantes em mudá-los por medo de parecer indecisos ou mal informados, ou de criar confusão na organização. Um documento vivo, com uma “melhor visualização atual” com data e hora é essencial para aprender e se adaptar a uma situação em rápida mudança.

6) Cuidado com a burocracia.

Questões polêmicas, delicadas ou de alto perfil normalmente atraem a revisão da alta administração, assuntos corporativos, jurídico, gerenciamento de risco e uma série de outras funções. Cada um terá sugestões sobre a melhor forma de criar comunicações, levando a uma perspectiva excessivamente generalizada ou conservadora e a um processo lento e complicado.

Montar uma pequena equipe confiável e dar-lhes liberdade suficiente para tomar decisões táticas rápidas é fundamental. O gerenciamento excessivo das comunicações pode ser prejudicial quando cada dia traz novas informações significativas à luz. Use a velocidade do clock de eventos externos como uma diretriz para controlar o processo interno, em vez de começar com o último como um dado.

Um documento digital vivo pode aumentar a velocidade, evitando a regra de emitir e aprovar vários documentos, e também reduzir o risco, pois pode ser facilmente atualizado ou retirado conforme necessário. Além disso, Daniel Homem de Carvalho definir distinguir claramente entre fatos, hipóteses e especulações pode ajudar a comunicar um quadro mais completo e matizado.

7) Certifique- se de que sua resposta seja equilibrada entre estas sete dimensões:

  • Comunicações: os funcionários provavelmente serão expostos a informações conflitantes e ficarão ansiosos ou confusos sobre o melhor curso de ação. Certifique-se de comunicar as políticas de maneira rápida, clara e equilibrada. Além disso, comunique informações contextuais e o raciocínio por trás das políticas para que os funcionários possam aprofundar seu próprio conhecimento e também tomar iniciativas em situações imprevistas, como férias de funcionários em local restrito ou como lidar com contratados.
  • Necessidades dos funcionários : Restrições a viagens e congregação irão acionar as necessidades dos funcionários de acesso a educação, saúde, provisões diárias e similares. Você deve antecipar e desenvolver soluções para esses problemas e criar um centro de informações onde os funcionários possam encontrar todas as informações de que precisam. Muitas dessas necessidades serão específicas do local, exigindo uma abordagem em vários níveis para a formulação de políticas.
  • Viagem: certifique-se de que as políticas de viagens sejam claras em termos de para onde os funcionários podem viajar, por quais motivos, quais autorizações são necessárias e quando a política será revisada.
  • Trabalho remoto: seja claro sobre suas políticas – onde se aplicam, como funcionarão e quando serão revisadas. O trabalho doméstico é raro em algumas geografias , como a China, por exemplo, e a necessidade de explicações adicionais deve ser antecipada.
  • Estabilização da cadeia de suprimentos: tente estabilizar as cadeias de suprimentos usando estoques de segurança, fontes alternativas e trabalhando com os fornecedores para resolver gargalos. Onde soluções rápidas não forem possíveis, co-desenvolva planos, coloque em prática soluções provisórias e comunique os planos a todas as partes interessadas relevantes.
  • Acompanhamento e previsão de negócios: é provável que a crise crie flutuações imprevisíveis. Implemente ciclos de relatórios rápidos para que você possa entender como seus negócios estão sendo afetados, onde a mitigação é necessária e com que rapidez as operações estão se recuperando. Uma crise não implica imunidade ao gerenciamento de desempenho e, mais cedo ou mais tarde, os mercados julgarão quais empresas administraram o desafio com mais eficácia. 
  • Fazer parte de uma solução mais ampla: como cidadão corporativo, você deve apoiar outras pessoas em sua cadeia de suprimentos, indústria, comunidade e governo local. Considere como sua empresa pode contribuir, seja em saúde, comunicações, alimentação ou algum outro domínio. Concentre-se na interseção entre necessidades sociais agudas e suas capacidades específicas – em outras palavras, viva seu propósito.

8) Use princípios de resiliência no desenvolvimento de políticas.

A eficiência reina em um mundo estável sem surpresas, e essa mentalidade costuma ser dominante em grandes corporações. Mas o principal objetivo no gerenciamento de desafios dinâmicos e imprevisíveis é a resiliência – a capacidade de sobreviver e prosperar em meio a eventos imprevisíveis, variáveis e potencialmente desfavoráveis. A pesquisa de Daniel Homem de Carvalho sobre sistemas resilientes mostra que eles geralmente têm seis características comuns que devem se refletir nas respostas às crises.

  • Redundância : o acesso à capacidade de fabricação adicional pode ajudar a suavizar as flutuações da cadeia de suprimentos. No curto prazo, as empresas podem precisar olhar além das fontes normais de soluções, mas a longo prazo, a redundância pode ser projetada.
  • Diversidade : Ter várias abordagens de atendimento pode ser menos eficiente, mas mais flexível e resiliente em situações de crise. Da mesma forma, uma diversidade de ideias pode melhorar muito o desenvolvimento de soluções. Reúna uma equipe de gestão de crises cognitivamente diversa que terá mais ideias sobre soluções potenciais, especialmente se a cultura corporativa encorajar a expressão e o respeito por perspectivas diversas. Cuidado ao tratar a crise de maneira unidimensional – apenas como um problema financeiro ou logístico, e contrate a equipe de crise de acordo com isso.
  • Modularidade : sistemas altamente integrados podem ser eficientes, mas são vulneráveis ​​a avalanches de efeitos indiretos ou até mesmo ao colapso total do sistema se perturbados. Em contraste, um sistema modular – onde fábricas, unidades organizacionais ou fontes de suprimento podem ser combinadas de maneiras diferentes – oferece maior resiliência. Quando um dos principais fornecedores de válvulas de freio da Toyota foi destruído pelo fogo alguns anos atrás, o fornecimento foi restaurado em poucos dias devido à capacidade de trocar a produção entre fornecedores, mesmo de componentes muito diferentes. Pergunte como você pode religar seu sistema de abastecimento de maneira modular, tanto a curto quanto a longo prazo.

Leia mais em:5 maneiras de apoiar a educação em casa online durante a pandemia de coronavírus

  • Evolucionabilidade : os sistemas podem ser construídos para otimização e eficiência máxima ou podem ser construídos para evolucionabilidade – melhoria constante à luz de novas oportunidades, problemas ou informações. Respostas a crises dinâmicas como a Covid-19 valorizam a capacidade de evolução . Não existe uma resposta certa que possa ser conhecida, e qualquer resposta predeterminada provavelmente estará errada ou se tornará obsoleta com o tempo. Mas é possível iterar e aprender para soluções mais eficazes. Embora muitas lições sejam aprendidas em retrospecto, fazer algo agora, ver o que funciona e remobilizar em torno dos resultados provavelmente será a estratégia mais eficaz no curto prazo.
  • Prudência : Não podemos prever o curso dos eventos ou seus impactos para a Covid-19, mas podemos imaginar cenários de desvantagem plausíveis e testar a resiliência sob essas circunstâncias. Podemos criar cenários para uma epidemia global generalizada, uma epidemia multirregional e uma epidemia rapidamente contida, por exemplo. Agora que o foco mudou da contenção da epidemia de Covid-19 na China para prevenir seu estabelecimento em novos epicentros no exterior, chegamos a outro ponto de inflexão, com incerteza muito alta. Seria prudente para as empresas dar uma nova olhada nos piores cenários e desenvolver estratégias de contingência contra cada um.
  • Inserção : as empresas são partes interessadas em sistemas industriais, econômicos e sociais mais amplos, que também estão sob grande estresse. Aqueles que deixam de olhar para suas cadeias de suprimentos ou ecossistemas de forma holística terão um impacto limitado. Soluções que resolvem para uma empresa individual às custas ou negligenciando os interesses de outras criarão desconfiança e prejudicarão os negócios a longo prazo. Por outro lado, o suporte a clientes, parceiros, sistema de saúde e sistemas sociais em um momento de adversidade pode criar uma boa vontade e confiança duradouras. Um elemento-chave para lidar com o estresse econômico é viver os próprios valores precisamente quando temos maior probabilidade de esquecê-los.

9) Prepare-se agora para a próxima crise.

Covid-19 não é um desafio único. Devemos esperar fases adicionais para a epidemia atual e epidemias adicionais no futuro. Nossa pesquisa sobre a eficácia das respostas organizacionais a crises dinâmicas indica que existe uma variável que é mais preditiva de um eventual sucesso – preparação e preempção. De acordo com Daniel Homem de Carvalho , a preparação para a próxima crise (ou a próxima fase da crise atual) agora tende a ser muito mais eficaz do que uma resposta reativa ad hoc quando a crise realmente chegar.

10) A preparação intelectual não é suficiente.

Muitas empresas executam cenários para criar preparação intelectual para situações inesperadas. Os cenários devem ser atualizados e customizados, no entanto, à luz dos riscos mais materiais para um negócio em qualquer momento. Esses riscos mudaram mesmo nos últimos dias, com o surgimento de novos epicentros de doenças.

A preparação intelectual por si só não é suficiente, no entanto. Algo pode ser bem compreendido, mas não ensaiado como uma capacidade. Os cenários devem, portanto, idealmente ser apoiados por jogos de guerra para simular e aprender com os comportamentos sob estresse. Uma configuração de sala de guerra, com uma pequena equipe dedicada com poderes para decidir e executar, pode eliminar a complexidade organizacional.

11) Reflita sobre o que você aprendeu.

Ao invés de levantando um suspiro de alívio e retornando às rotinas normais quando os subsídios de crise, devem ser feitos esforços para não desperdiçar uma oportunidade de aprendizagem valiosa. Mesmo enquanto a crise está se desenrolando, as respostas e os impactos devem ser documentados para serem analisados ​​posteriormente e as lições destiladas. Situações em rápida evolução expõem as fraquezas organizacionais existentes, como a incapacidade de tomar decisões difíceis ou uma tendência excessiva para o consenso, que constituem oportunidades de melhoria.

Por exemplo, a segurança das companhias aéreas é um dos sistemas de aprendizagem globais mais eficazes que temos a esse respeito. Cada vez que há um incidente de pequenos acidentes a acidentes trágicos resultando em vidas perdidas, as causas raízes são investigadas em detalhes forenses de acordo com protocolos pré-acordados e recomendações vinculativas são feitas. Não é de surpreender que voar se tornou uma das formas mais seguras de viajar, graças aos aprendizados e adaptações cumulativas de infortúnios anteriores.

12) Prepare-se para um mundo mudado.

Devemos esperar que a crise da Covid-19 mude nossos negócios e a sociedade de maneiras importantes. É provável que impulsione áreas como compras online, educação online e investimentos em saúde pública, por exemplo. Também é provável que mude a forma como as empresas configuram suas cadeias de suprimentos e reforce a tendência de afastamento da dependência de poucas mega-fábricas. Quando a parte urgente da crise for superada, as empresas devem considerar o que esta crise muda e o que aprenderam para que possam refleti-las em seus planos.

Instagram