Justiça paulista participa de homenagens ao 86º aniversário da Revolução de 1932

Magistrados receberam medalha da Sociedade Veteranos de 32.

O presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, prestigiou hoje (9) a solenidade de comemoração do 86º aniversário do Movimento Constitucionalista de 1932. O evento, realizado em frente ao Monumento-Mausoléu ao Soldado Constitucionalista de 1932, contou com desfile militar, deposição das cinzas de combatentes e outorga da Medalha Constitucionalista, que teve entre os agraciados o vice-presidente da Corte, desembargador Artur Marques da Silva Filho, e o juiz assessor da Vice-Presidência Ronnie Herbert Barros Soares.

Foi no dia 9 de julho de 1932 que teve início a Revolução Constitucionalista, movimento armado ocorrido em São Paulo entre julho e outubro daquele ano que objetivava a derrubada do governo provisório de Getúlio Vargas e a instituição de um regime constitucional após a supressão da Constituição de 1891.  No total, foram 85 dias de combates, (de 9 de julho a 2 de outubro de 1932), com um saldo oficial de 934 mortos, embora estimativas não-oficiais reportem até 2,2 mil vítimas.

As comemorações se iniciaram com a cerimônia de transmissão do comando do Exército Constitucionalista, de Maria Cecília Caltabiano Prado de Almeida para José Francisco Ferraz Luz, ritual que teve a presidência do comandante-geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo, coronel PM Marcelo Vieira Salles. Em seguida, Ferraz Luz efetuou a leitura de sua Ordem do Dia, em que ressaltou a simbologia da bandeira do Estado de São Paulo – “São Paulo é o único dentre os Estados a exibir o mapa do Brasil em sua bandeira”, destacou -, bem como recordou o sacrifício dos jovens Mário Martins de Almeida, Euclides Bueno Miragaia, Dráusio Marcondes de Sousa e Antônio Américo Camargo de Andrade, mortos em 23 de maio de 1932 e cujo acrônimo “MMDC” é a sigla adotada pelo levante paulista. “Deram suas vidas em prol da democracia ao lutar contra a ditadura de Vargas”, afirmou o novo comandante.

Depois foi dado início à cerimônia de sepultamento de seis combatentes que a partir de hoje descansarão ao lado de seus colegas de armas no Monumento-Mausoléu. Um carro de bombeiros trouxe os restos mortais e alunos oficiais da Polícia Militar conduziram as urnas, em passo marcado e ao som da marcha fúnebre. Trata-se de uma solenidade que se repete todo ano, em que veteranos do combate de 32 que foram sepultados em outros locais do País têm seus despojos transladados para o Mausoléu. Foram depositadas as cinzas de Remédios Domingues Calandriello, Bárbara Maria Barbosa, Nilo Porto, Guiomar Correa Pacheco Pires de Campos, Rubens Pires de Campos, Edmundo Correa Pacheco, Antonio da Paixão Branco Filho e José Grant.

Instituída pelo decreto nº 29.896, de 10 de maio de 1989, e outorgada pela Sociedade Veteranos de 32 – MMDC, a Medalha Constitucionalista se destina a galardoar pessoas físicas ou jurídicas, nacionais ou estrangeiras, que tenham se tornado dignas de especial distinção por seus méritos e relevantes serviços prestados ao culto da Revolução Constitucionalista. O vice-presidente do TJSP recebeu a honraria pelas mãos do governador de São Paulo, Márcio França, e o juiz Ronnie Herbert Barros Soares teve a comenda entregue pelo secretário de Estado da Segurança Pública em exercício, Sérgio Turra Sobrane. Ao final o público foi brindado com desfile militar de diversos braços das Forças Armadas, da Polícia Militar e instituições cívicas.

Regimento de Cavalaria 9 de Julho – Após a solenidade, diversas autoridades, entre elas o governador Márcio França, o presidente Pereira Calças e o vice-presidente Artur Marques da Silva Filho, se dirigiram à sede do Regimento de Cavalaria 9 de Julho para participar de uma homenagem ao Movimento Constitucionalista. A unidade de cavalaria teve atuação destacada na Revolução, por isso seus integrantes fazem questão de preservar a memória dos ideais defendidos no conflito. Ao falar em nome da Corte, o presidente reafirmou que “o Tribunal de Justiça, o Poder Judiciário, sempre está ao lado dos paulistas, com a missão de guardar a Constituição Federal e a Constituição Estadual – e ‘missão dada é missão cumprida’”. Em seguida, os desembargadores e o governador percorreram as instalações do regimento, onde conversaram com oficiais e conheceram com mais profundidade o serviço dos integrantes e a história da Cavalaria 9 de Julho.

Também participaram da solenidade o governador de São Paulo, Márcio França; o deputado federal Arnaldo Faria de Sá; o comandante militar do Sudeste, general-de-Exército Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira; o comandante do 8º Distrito Naval, vice-almirante Antonio Carlos Soares Guerreiro; o presidente do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, desembargador Carlos Eduardo Cauduro Padin; o presidente do Tribunal de Justiça Militar de São Paulo, juiz Paulo Prazak; deputado estadual Coronel Camilo; o comandante-geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo,  coronel PM Marcelo Vieira Salles; o presidente da Sociedade de Veteranos de 32, coronel PM Mário Fonseca Ventura; o delegado-geral de Polícia, Paulo Afonso Bicudo; o presidente da OAB SP, Marcos da Costa; o chefe do Estado-Maior do Comando Militar do Sudeste, general de brigada Paulo Alípio Branco Valença; o subcomandante da PMESP, coronel PM Fernando Alencar Medeiros; o chefe da Assessoria Policial Militar do TJSP, coronel PM Sérgio Ricardo Moretti; o juiz militar e membro da Comissão de Segurança Pessoal e de Defesa das Prerrogativas dos Magistrados, coronel PM Antonio Augusto Neves; a presidente do Fundo de Solidariedade do Estado de São Paulo e primeira-dama do Estado, professora Lúcia França; magistrados, militares e público em geral.

Comunicação Social TJSP – GA (texto) / KS (fotos)

Gostou, Compartilhe!
Show Buttons
Hide Buttons