Jovem de 18 anos cria modelo de alfabetização a partir do uso da robótica

Filha de pescador e dona de casa,  a jovem Ivia Tainá, de apenas 18 anos, frequenta há quatro anos o curso de programação do Instituto de Pesquisas em Tecnologia e Inovação (IPTI) e há um ano e meio se envolveu com robótica. Esse envolvimento com a tecnologia já deu frutos.

Robô

Ela construiu, com uma equipe, um robô para ajudar na alfabetização das crianças. “Desenhamos o chassi e temos impressora que monta as peças dos robôs”, explicou. Os robôs ajudam os professores na alfabetização dos alunos, e o impacto é imediato. “É muito diferente chegar com um livro para fazer atividade e com o robô.”

Robótica

A robótica lhe deu um futuro que, até então, não havia imaginado. “Antes dos projetos do IPTI, eu não tinha expectativa. Minha vida mudou. O IPTI proporcionou várias oportunidades com cursos de programação”, contou Ivia, que mora em Santa Luzia do Itanhy, no Sul de Sergipe.

IPTI

O envolvimento com a tecnologia também pavimentou o caminho para o empreendedorismo. Com outras 12 pessoas,  e com o suporte do IPTI, Ivia abriu a empresa Citi², focada em programação e ensino da robótica. “Nós mostramos para a nossa comunidade, que tem o hábito de não acreditar no futuro das pessoas, que somos capazes de fazer qualquer coisa e que vale a pena. Usamos as críticas para nos fortalecer e chegar aonde chegamos”, diz.

Em entrevista ao especial Capital Humano, Ivia Tainá, assegura que a robótica tem de estar incluída no currículo escolar desde o ensino básico. “O que mais me traz alegria é ver as mães das crianças pedindo para ter vaga nas escolas”. Assistam a entrevista com Ivia Tainá.

Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

Fonte:Agência Telebrasil