Interrupções devido à problemas da Boeing: o que fazer?

Os passageiros que planejam viagens aéreas na Europa podem esperar um caos agora que as autoridades européias decidiram que todos os aviões modelo Boeing 737-8 MAX devem ficar em solo.

Já estamos percebendo que o setor aéreo está quase no limite de capacidade devido ao excesso de turistas, e esperamos que esse número continue aumentando a cada ano. Com isso em mente, muitas companhias aéreas podem não ter a capacidade de usar outros aviões para transportar passageiros extras; até porque elas normalmente não têm uma aeronave extra para cada voo. Se as companhias aéreas agissem rápido e olhassem adiante, poderiam evitar problemas rearranjando voos. No entanto, sem uma ação proativa, essa situação poderia levar a vôos cancelados ou com overbooking e, em última instância, a não permissão de embarque.

As companhias aéreas precisam cuidar de seus passageiros, no entanto, como a UE decidiu agora fechar temporariamente seu espaço aéreo para todos os Boeing 737 MAX os cancelamentos de vôo são considerados fora do controle das companhias aéreas e, portanto, não dão direito a compensação financeira dos passageiros. Lamentamos muito as perdas que as famílias sofreram devido ao trágico acidente com a Ethiopian Air, e entendemos a decisão da EASA com relação às aeronaves MAX, uma vez que a segurança deve ser sempre a principal prioridade da indústria da aviação.

Se o voo de um consumidor é cancelado como resultado disso, que recurso eles têm? Algo assim seria coberto pelo seguro de viagem?
Os direitos do consumidor e o recurso para obter compensação dependem das circunstâncias – que podem incluir os aeroportos de onde os voos estão saindo ou de voar – e do país de origem da empresa aérea reagiu aos problemas mecânicos da Boeing. As interrupções no voo que são consideradas como falha da companhia aérea geralmente dão aos viajantes a possibilidade de indenização da companhia aérea, independentemente dele ter uma viagem segura. No entanto, como as autoridades em diversos países do mundo – especificamente na China, Indonésia, Cingapura, Austrália, Malásia, Omã, Índia, Irlanda e UE – decidiram pelo impedimento de todos os aviões Boeing 737 MAX voarem por razões de segurança, isso é considerado uma circunstância extraordinária na maioria nas regulações, como a lei europeia de passageiros EC 261 e a Convenção de Montreal, e são situações em que os viajantes não são elegíveis para compensação.

Os consumidores devem proativamente remarcar viagens futuras se estiverem configuradas para ocorrer com um Boeing 737 MAX?
Sim, os consumidores devem proativamente remarcar futuras viagens internacionais se a sua viagem fosse em um Boeing 737 MAX 8. Os consumidores devem considerar a redefinir em vez de cancelar seus planos de viagem em uma aeronave diferente, já que os viajantes que cancelarem seus voos não poderão solicitar compensação se decidirem fazê-lo. Como a empresa líder mundial em direitos de passageiros aéreos, na AirHelp acreditamos que a segurança dos viajantes, membros da tripulação de companhias aéreas e suas famílias deve ser sempre a principal prioridade.

Sobre a AirHelp
A AirHelp é a maior organização do mundo especializada em direitos de passageiros aéreos, ajudando os viajantes a obter compensação por atrasos ou cancelamentos de voos e em casos de recusa de embarque. A empresa também toma medidas legais e políticas para apoiar o crescimento e a aplicação dos direitos dos passageiros aéreos em todo o mundo. A AirHelp já ajudou mais de 10 milhões de pessoas, está disponível em 30 países e conta com mais de 600 funcionários

Boeing 737 Max
Boeing/Divulgação