Esclareça suas dúvidas sobre a heterocromia em cães

A princípio, pode parecer um pouco estranho, no entanto, ver um cachorrinho com um olho azul e o outro de cor diferente é bem normal! Essa característica bem peculiar nos pets é chamada de heterocromia.

Ela também pode afetar humanos, mas geralmente, ocorre apenas em cães e gatos. E, ao contrário do que muitos pensam, a heterocromia não é uma doença e não afeta a visão do animal de estimação.

Se você tem uma pet com esse charme todo especial em sua casa ou deseja esclarecer todas as dúvidas sobre esse assunto, confira este artigo!

O que causa a heterocromia?

Cientificamente falando, a heterocromia é uma anomalia genética que pode ser, ou não, hereditária. Ela é causada por uma alteração no gene EYCL3, no cromossomo 15, responsável pela quantidade de melanina presente nos olhos do pet.

Neste sentido, não é preciso se preocupar com o seu cão caso ele tenha nascido assim. Ele continuará enxergando normalmente e, ao contrário dos mitos que dizem por aí, ele não possui poderes especiais e nem terá uma predisposição maior à cegueira.

Tipos de heterocromia

Além da heterocromia congênita, que citamos acima, o pet também pode desenvolver esse problema ao longo da vida. Caso ele sofra com algum glaucoma, com a uveíte, ou algum traumatismo, a cor da íris também poderá ser alterada, o que chamamos de heterocromia adquirida.

Nos casos genéticos, heterocromia pode ser de dois tipos. Quando um pet tem na mesma íris várias cores diferentes, dá-se o nome de heterocromia iridis[1] , ou, então, parcial.

A anomalia que deixa o pet com um olho de cada de cor – geralmente, um pardo ou marrom e o outro azul ou branco – é chamada heterocromia iridum ou completa. Como dissemos, ela não só afeta os cães, como também os gatos.

Nós, humanos, também podemos nascer com essa característica. No entanto, estudos afirmar que apenas 6 entre 1 mil pessoas, podem ter a anomalia.

Raças com predisposição à heterocromia

Algumas raças são famosas justamente por terem essa característica tão peculiar. O Pastor Australiano e o Border Collie –  cães bem parecidos, por sinal – são algumas das que podem nascer com a heterocromia completa.

O Husky Siberiano também é uma das raças mais propensas a essa alteração genética. Inclusive, segundo o American Kennel Club e a Federação de Cinológica  Internacional – órgãos que estudam e classificam as raças de cães – o “lobo da neve” também é registrado com os olhos de cores distintas.

Raças como Pit Bull, Dogue Alemão, Corgi Pembroke, Buldogue Francês e Boston Terrier também possuem essa tendência. No entanto, esses pets são propensos à heterocromia parcial.

Alguns mitos sobre a heterocromia

É claro que cachorros com esse visual mais exótico são citados em lendas e mitos.

Uma das mais famosas, diz que os cachorros com heterocromia possuem um olho azul para proteger o céu, enquanto o olho mais escuro protege a terra.

Já os povos mais místicos, acreditavam que esses cães são verdadeiros guardiães e estão na Terra  para proteger a humanidade e os espíritos.

Alguns também afirmam que os cães com um olho de cada cor possuem problemas na visão. Mas, não é bem assim!

Se o pet que nasceu com a anomalia, ele não terá a visão prejudicada por isso. No entanto, é preciso atentar-se caso seu cão comece a desenvolver a heterocromia adquirida.

Então, meu pet pode desenvolver essa anomalia?

Infelizmente, sim! Os primeiros sinais são de heterocromia parcial, quando a íris vai clareando aos poucos e ficando com mais de uma cor. Ao notar essas alterações, você deve procurar um veterinário o quanto antes.

Esses fatores podem ser indícios de glaucoma ou cegueira parcial. Além disso, também é possível que ele tenha nascido com heterocromia congênita, contudo, a anomalia levou um tempo maior para se manifestar.

Portanto, agora que suas dúvidas foram esclarecidas e você entende  um pouco mais sobre esse fenômeno, não fique preocupado com o seu amigão! Essa anomalia é inofensiva e só o deixa ainda mais especial!