Desafios para o mercado da moda: a padronização dos tamanhos das roupas

Padronização dos tamanhos pode ser a solução para quem enfrenta problemas na hora de encontrar as peças que melhor se ajustam ao corpo 

Damos inúmeras desculpas para justificar o motivo de uma roupa de determinado tamanho em uma loja servir, enquanto o mesmo tamanho em outra loja não serve. “É que o tecido tem elastano, é normal ela esticar mais.” Contudo, é na falta de padronização do tamanho das roupas femininas que o problema está. 

Roupas masculinas e infantis, por exemplo, possuem normas que padronizam o tamanho que cada peça deve ter desde 2012 e 2009, respectivamente. Isso facilita bastante para o consumidor, que não vai precisar se preocupar em descobrir qual é a medida ideal de cada marca, pois todos os fabricantes irão confeccionar com as mesmas dimensões. 

Não é novidade que a indústria da moda é uma das principais incentivadoras da magreza como padrão de beleza. Sabendo disso, é possível entender que, para muitas pessoas, o tamanho de uma roupa jamais será apenas um número, mas, sim, uma indicação do quão bonito ou desejado alguém pode ser. 

Esse padrão é estimulado por meio da confecção de roupas com modelagens e tamanhos pequenos, assim como a vinda de lojas internacionais para cá, sem desenvolver peças voltadas para o corpo brasileiro. Como resultado, está o aumento da criação de marcas plus size, para atender à demanda.

O Brasil é um país rico em diversidade, e não seria diferente para o formato dos corpos. De maneira geral, o corpo magro padrão não é muito comum entre a genética brasileira. Um estudo realizado pelo SENAI CETIQT mostra que cerca de 91% da população se enquadra em 42 padrões de corpos.

Existem dois biotipos. No retângulo, o tórax e o quadril têm medidas aproximadas e a cintura não é muito marcada, enquanto no colher a proporção entre o tórax e o quadril são diferentes, há curvas. Mas, além dos biotipos e tamanhos das roupas, há também as modelagens.

Agora, responda a esta pergunta: você acha que as mulheres que se encaixam no mesmo padrão usam a numeração de roupa igual? A resposta, é claro, é não. Uma calça que fica boa na cintura pode ser larga nas pernas, ou então aquela blusa que tem a largura perfeita é curta. Todos esses detalhes acabam se tornando empecilhos na hora de fazer as compras. 

A padronização do tamanho das roupas femininas é uma possibilidade que está sendo estudada pela ABNT, através da NBR 16933. Caso aprovada, a norma vai contribuir com a autoestima e a aprovação das mulheres, que encontrarão, enfim, roupas do tamanho ideal em todas as lojas, facilitando o processo de compra e diminuindo o índice de trocas e devolução.

Foto: Divulgação

Instagram