Contra acusações de Bolsonaro, servidores realizam manifestação em defesa do INPE

Os servidores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) realizaram um ato na tarde desta segunda-feira (22) em repúdio às declarações do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Os manifestantes também mostraram solidariedade ao diretor do órgão, Ricardo Magnus Osório Galvão, que recebeu críticas do presidente.

Na sexta-feira (19), Bolsonaro criticou a divulgação de dados que apontam um crescente desmatamento na Amazônia, afirmando que a atitude “prejudica o país”. Ele também disse que o INPE utilizaria dados mentirosos e que Galvão, diretor do órgão, atua “a serviço de alguma ONG”.

Em defesa do trabalho desenvolvido pelo INPE, Galvão afirmou abertamente para a imprensa que Bolsonaro foi covarde ao tentar desacreditar as pesquisas desenvolvidas pelo INPE, sem qualquer embasamento científico. O posicionamento de Galvão teve apoio da comunidade científica brasileira.

INPE

Segundo dados do Inpe, o desmatamento na Amazônia aumentou, em junho, quase 60% em relação ao mesmo mês em 2018 e perdeu 762 km2 de mata nativa.

A manifestação, organizada pelo SindCT, contou com diversas entidades da região. Entre elas, estão o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, a Associação dos Aposentados e Pensionistas do Vale do Paraíba (Admap), Apeoesp, CSP-Conlutas, além dos partidos PSTU, PSOL e PT.

Guirá Guimarães, diretor do Sindicato, alertou os participantes: “Este ataque ao INPE faz parte de um plano do governo que também ataca a educação, a ciência e a soberania nacional. É preciso que as diversas categorias se unam em defesa da soberania do país”.

“Nós temos que aproveitar esse sentimento de indignação e fortalecer a luta contra os planos do governo”, afirmou Antônio Ferreira de Barros, o Macapá, secretário-geral do Sindicato. “Temos uma missão. Devemos conversar com cada eleitor do Bolsonaro e explicar os ataques desse governo ao país”, concluiu.

Greve e seminário


A mobilização também estabeleceu os próximos passos da luta em defesa do INPE. Além de uma carta dos funcionários endereçada ao governo, será realizado um seminário científico aberto à população com a finalidade de expor as pesquisas realizadas pela instituição.

Os servidores também aprovaram uma paralisação em solidariedade a Ricardo Galvão. Ainda sem data definida, a mobilização deverá ocorrer no mesmo dia da viagem de Galvão a Brasília. O diretor do INPE será chamado ao Planalto Central para dar explicações sobre o estudo em questão.

Foto:facebook.com/SindCT/